Google+ Shadowside: crítica do álbum 'Inner Monster Out' (2011) ~ #CollectorsRoom ® | música além do óbvio#

06/09/2011

Shadowside: crítica do álbum 'Inner Monster Out' (2011)


Por Ricardo Seelig

Nota: 9

O principal mérito do Shadowside em Inner Monster Out é conseguir equilibrar uma sonoridade extremamente moderna sem abrir mão das principais características do heavy metal – o peso, as melodias e os refrões empolgantes. Dessa maneira, seu novo disco alcança a raríssima proeza de agradar, literalmente, gregos e troianos.

Os fãs mais tradicionais irão cair de amores pelas guitarras que despejam peso, pelos vocais agressivos de Dani Nolden e pela cozinha afiadíssima. Já quem curte o lado mais moderno e atual do estilo irá curtir os sutis efeitos adicionados às músicas, o timbre e os riffs extremamente atuais das guitarras (sim, de novo elas) e a grande habilidade com que a banda transita pelos diversos caminhos do heavy metal, inserindo elementos dos mais variados estilos da música pesada em sua música.

Há algo raríssimo em Inner Monster Out, e é justamente essa dicotomia amigável entre lados tão opostos. Parte desse mérito deve-se à produção de Fredrik Nordstrom (responsável por álbuns de nomes como Evergrey, Arch Enemy e Dimmu Borgir, e também guitarrista do Dream Evil), mas a banda é a principal responsável pelo ótimo resultado final. As guitarras de Raphael Mattos, por exemplo, vão do thrash ao new metal sem maiores cerimônias, derramando riffs pesadíssimos e solos banhados em melodia. O baixista Ricardo Piccoli e o baterista Fabio Buitvidas formam uma dupla entrosadíssima, responsável por fazer a música do Shadowside pulsar como um terremoto avassalador.

Mas o maior destaque, como não poderia deixar de ser, é Dani Nolden. O ponto principal da vocalista não é apenas cantar bem, mas sim construir linhas vocais que conduzem as composições por dinâmicas variadas, sempre surpreendendo o ouvinte. Ainda que em alguns momentos tenha-se a impressão de que o volume do vocal ficou muito acima dos outros instrumentos, isso não depõe em nada em relação ao resultado final.

Não há um estilo predominante em Inner Monster Out. A banda não soa mais power metal, o que temos aqui é outra coisa. Há uma clara influência da sonoridade sueca, principalmente de nomes como Soilwork, o que dá uma agressividade muito bem-vinda ao som do grupo.

Entre as faixas, destaque para “Gag Order”, “Angel with Horns” (grudenta como um bom heavy metal deve ser), “Habitchual” e “In the Name of Love”, além da espetacular faixa-título, com as participações especiais de Björn Strid (Soilwork), Mikael Stanne (Dark Tranquillity) e Niklas Isfeldt (Dream Evil).

Com Inner Monster Out o Shadowside prova que é possível fazer heavy metal agressivo, repleto de peso e com vocais femininos, ao contrário do que milhares de bandas com vozes femininas tentam nos fazer acreditar.

Inner Monster Out marca um novo capítulo no heavy metal brasileiro. Com ele, o Shadowside assume o posto de um dos principais nomes do estilo em nosso país, e torna-se automaticamente referência em todo o planeta ao mostrar que é possível fazer o heavy metal soar atual e moderno sem perder as suas raízes. Além disso, o disco sinaliza uma mudança de comando na politizada cena de nosso país, dominada por bandas que sobrevivem muito mais do nome do que da qualidade de seus trabalhos atuais. Inner Monster Out é um chute na porta do cenário heavy metal brasileiro, que em grande parte vive como se ainda estivesse preso aos anos oitenta e início da década de noventa. O Shadowside mostra o que anda acontecendo lá fora com o seu novo álbum, e puxa consigo uma parcela considerável de fãs que já não se contenta com fórmulas requentadas de nomes até então intocáveis.

Um dos discos do ano, sem dúvida alguma!



Faixas:
  1. Gag Order
  2. Angel with Horns
  3. Habitchual
  4. In the Name of Love
  5. Inner Monster Out
  6. I'm Your Mind
  7. My Disrupted Reality
  8. A Smile Upon Death
  9. Whatever Our Fortune
  10. A.D.D.
  11. Waste of Life


Reações:

3 comentários:

cadao nessa review vc se superou, falou exatamente o que penso da cena nacional, preguiçosa e redundante e o shadowside renovou tudo isso e me fez acreditar de novo no heavy brazuca, olha nunca gostei da suas reviews por acha-las tendenciosas, mas essa ficou otima e transmitiu tudo o que sempre pensei da cena nossa. parabens ao shadowside e p/ vc tb.

Obrigado pelo comentário. Sobre a crítica aos meus textos, em que sentido você os acha tendenciosos?

Abraço.

Obrigado pelo comentário. Sobre a crítica aos meus textos, em que sentido você os acha tendenciosos?

Abraço.