1 de fev de 2013

Iron and Wine divulga música inédita e anuncia novo disco

sexta-feira, fevereiro 01, 2013
Sam Bean, a mente por trás do Iron and Wine, está de volta. O músico norte-americano anunciou que o novo disco do I&W será lançado dia 15 de abril pela Nonesuch e se chamará Ghost on Ghost.

Além disso, uma canção inédita chamada “Lovers’ Revolution”, que conta com uma introdução que remete levemente à clássica “Moanin’” do genial Charles Mingus, foi divulgada, e mostra que o Iron & Wine deve seguir um caminho bem diferente do folk de outrora em seu novo LP.

Confira:

Novo disco do Stone Sour tem data de lançamento e tracklist revelados

sexta-feira, fevereiro 01, 2013
O quinto álbum do Stone Sour, House of Gold & Bones: Part 2, já tem data de lançamento e tracklist definidos. O disco chegará às lojas em 9 de abril e foi produzido por David Bottrill (Muse, Tool), o mesmo do trabalho anterior.

O primeiro single será lançado dia 12 de fevereiro, e será a faixa “Do Me a Favor”. Essa música terá também um clipe dirigido por Phil Mucci, responsável pelo sensacional vídeo de “Fertile Green”, do High on Fire, eleito o melhor de 2012 pela revista Revolver.

Confira abaixo o tracklist de House of Gold & Bones: Part 2:

1 Red City
2 Black John
3 Sadist
4 Peckinpah
5 Stalemate
6 Gravesend
7 ’82
8 The Uncanny Valley
9 Blue Smoke
10 Do Me a Favor
11 The Conflagration
12 The House of Gold & Bones

“Rise Above the Sentiment”, o novo clipe do Soilwork

sexta-feira, fevereiro 01, 2013
O Soilwork acaba de divulgar o primeiro clipe do seu novo disco, The Living Infinite. O vídeo da faixa “Rise Above the Sentiment” mostra a reação de um idoso ao encontrar uma fita repleta de cenas do dia a dia dos músicos.

The Living Infinite é um álbum duplo com vinte músicas, chegará às lojas dia 1 de março e foi produzido por Jens Bogren (Opeth, Amon Amarth). O trabalho é a estreia em estúdio do guitarrista David Andersson (The Night Flight Orchestra), que já tocava há tempos com a banda ao vivo. Ele substitui Peter Wichers, membro fundador que havia voltado ao Soilwork em 2008 mas deixou novamente a banda este ano. O disco tem como convidado especial o vocalista Justin Sullivan, do New Model Army, que participa da faixa “The Windswept Mercy”.

Assista ao clipe de “Rise Above the Sentiment” abaixo:

Black Sabbath na capa da nova Metal Hammer

sexta-feira, fevereiro 01, 2013
O Black Sabbath está na capa da nova edição da Metal Hammer. A principal revista dedicada ao heavy metal em todo mundo traz uma matéria especial sobre o ressurgimento do occult rock através de nomes como Ghost, Blood Ceremony, Electric Wizard e os veteranos Pentagram e King Diamond, além do pai de todos, o clássico Sabbath.

A revista traz de brinde um CD e pôsteres do Mastodon e do Clutch, além de matérias com Emmure, Bullet For My Valentine, Jason Newsted, Rush, Motionless in White, Saxon, Audrey Horne, The Algorithm e outros.

Na bancas das principais cidades ou através deste link, garanta já a sua!


31 de jan de 2013

Chuck Berry no Brasil em abril?

quinta-feira, janeiro 31, 2013
Um site dedicado à Chuck Berry, um dos pais do rock and roll, atualizou a agenda do músico e incluiu vários shows marcados para os próximos meses. A surpresa é a inclusão de uma suposta apresentação do vocalista e guitarrista no Brasil, mais precisamente no dia 13 de abril, na Pedreira Paulo Leminski, em Curitiba.

No entanto, antes que a empolgação tome conta e vocês já saiam comprando ingressos, algums comentários. No site oficial de Berry não constam datas agendadas. E, até onde eu seu, a Pedreira está fechada para shows na capital paranaense. Leitores do Paraná, por favor, ajudem a confirmar isso com imformações sobre em que estágio estão as conversas para que ela seja liberada novamente para apresentações musicais?

Mesmo assim, é uma notícia para ficar de olho e ver no que vai dar nas próximas semanas.

Adrenaline Mob lança EP de covers em março; saiba mais sobre o disco e ouça as faixas

quinta-feira, janeiro 31, 2013
O Adrenaline Mob lançará dia 12 de março o EP Covertá, com releituras para composições de outros artistas. Fazem parte do disco as faixas “High Wire” (Badlands), “Stand Up and Shout” (Dio), “Break on Through” (Doors), “Romeo Delight” (Van Halen), “Barracuda” (Heart), “Kill the King” (Rainbow), “The Lemon Song” (Led Zeppelin) e “The Mob Rules” (Black Sabbath).

A banda é composta por Russell Allen (vocal, Symphony X), Mike Portnoy (bateria, ex-Dream Theater), Mike Orlando (guitarra) e John Moyer (baixo, Disturbed). O quarteto lançou o seu primeiro álbum, Omertá, em 2012, trabalho esse que foi muito bem aceito pelos fãs e pela crítica.

Abaixo você pode ouvir, em primeira mão, todas as faixas de Covertá. E, claro, queremos saber a sua opinião sobre o EP nos comentários, então solte a língua!

Rob Zombie revela título e data de lançamento de novo disco

quinta-feira, janeiro 31, 2013
O novo álbum de Rob Zombie se chamará Venomous Rat Regeneration Vendor e chegará às lojas em 23 de abril. Produzido por Bob Marlette (Lynyrd Skynyrd, Alice Cooper, Tony Iommi), o disco terá como um de seus atrativos uma versão para “We’re an American Band”, do Grand Funk Railroad. O primeiro single se chama “Dead City Radio and the New Gods of Super Town”. Outros títulos de faixas já divulgados são “Ging Gang Gong De Do Gong De Laga Raga”, “Lucifer Rising” e “Behold! The Pretty Filthy Creatures”.

O quinto trabalho solo de Zombie será lançado quase de forma simultânea ao novo filme do artista. The Lords of Salem desembarcará nos cinemas em 26 de abril, porém não há relação entre ambos.



30 de jan de 2013

Assista “Tides of War”, clipe de estreia do Chariots of the Gods

quarta-feira, janeiro 30, 2013
Novidade boa vinda do Canadá. A banda Chariots of the Gods acaba de lançar o seu primeiro disco, Tides of War, e para promovê-lo gravou um clipe para a faixa-título. O vídeo mostra o grupo em belas cenas gravadas em uma praia, enquanto o som come solto. A direção é de Toma Feizo Gas.

O Chariots of the Gods já tocou com nomes como Misfits, Voivod, Despised Icon, Kataklysm e outros, e faz um metalcore com muita melodia. O disco de estreia dos caras foi produzido por Glen Robinson (Queensrÿche, Annihilator, Gwar).

Conheça o trampo da banda abaixo:

Novo álbum de Eric Clapton terá participação de Paul McCartney

quarta-feira, janeiro 30, 2013

Boas novas sobre Old Sock, o próximo LP de Eric Clapton que será lançado em março. O site oficial do guitarrista listou as participações especiais que acompanham a banda de apoio, entre elas a de Paul McCartney, que canta e toca baixo na faixa "All of Me".


Além do ex-Beatle, JJ Cale toca guitarra e faz backing vocals na faixa "Angel". A cantora Chaka Khan empresta sua voz em "Get on Over", Steve Winwood (companheiro de Clapton no supergrupo Blind Faith) toca órgão em "Still Got The Blues" e Jim Keltner assume as baquetas em "Our Love is Here To Stay".

Old Sock é o 21º álbum de estúdio da carreira de Eric Clapton, e terá 12 faixas, sendo duas inéditas ("Every Little" e "Gotta Get Over") e 10 regravações de canções favoritas do guitarrista.

(por Nelson Júnior)

Stone Sour revela a capa de seu novo álbum

quarta-feira, janeiro 30, 2013
House of Gold & Bones: Part 2, quinto e novo disco do Stone Sour, teve a sua capa divulgada hoje.

A sequência da primeira parte, lançada em 2012 e considerada por muito como o melhor álbum da banda, deve sair em abril ou maio, mas ainda não tem data definida para chegar às lojas. O disco será precedido pelo single “Do Me a Favor”, que sairá dia 12 de fevereiro. A produção é novamente de David Bottrill, o mesmo do trabalho anterior.

Confira abaixo a bela capa de House of Gold & Bones: Part 2:



Músicos selecionam as 250 grandes faixas que você nunca ouviu na nova edição da Classic Rock

quarta-feira, janeiro 30, 2013
Ideia legal essa que está na capa da nova edição da revista inglesa Classic Rock. Diversos músicos, incluindo aí nomes como Joe Bonamassa, Scott Ian, Al Kooper, Steven Wilson e outros, escolheram grandes faixas escondidas ou esquecidas na história e falaram sobre elas para a publicação.

Além disso, o número 181 da Classic Rock tem também Paul Butterfield, Sid Lord Baltimore, Magnum, Mott the Hoople, guia de compras sobre Robert Plant e um CD de brinde com sons da ótima gravadora Rise Above, que é capitaneada por Lee Dorrian, do Cathedral, e revelou ao mundo nomes como o Ghost.

Nas bancas e livrarias das grandes cidades é possível comprar a Classic Rock, ou você pode clicar aqui e adquirir a sua através do site dos caras.





Killswitch Engage divulga música nova; ouça “In Due Time”, primeiro single do novo disco

quarta-feira, janeiro 30, 2013
O novo disco do Killswitch Engage, Disarm the Descent, tem data de lançamento marcada para 1 de abril pela Roadrunner. O play marca o retorno do vocalista original, Jesse Leach, e é aguardado com ansiedade pelos fãs. O último álbum do grupo a ter Leach nos vocais foi Alive or Just Breathing, de 2002.

A banda divulgou a faixa “In Due Time”, o primeiro single de seu novo disco. Trata-se de um metalcore inspirado e com todos os elementos que fizeram a fama do Killswitch Engage, desde os vocais alternando passagens guturais e limpas até o ótimo trampo das guitarras, passando por um arranjo cheio de detalhes.

Ouça e comprove! 

“Through the Eyes of the Devil”, o novo clipe do Mercenary

quarta-feira, janeiro 30, 2013
A banda dinamarquesa Mercenary lançou hoje o clipe de “Through the Eyes of the Devil”, música presente em seu último disco, Metamorphosis. O vídeo traz cenas gravadas durante a turnê do trabalho.

O som do grupo é um death melódico que em alguns momentos se aproxima do metalcore. Para conhecer o trabalho da banda, vale a pena conferir a recém lançada coletânea Recollections: The Century Media Years.

Assista abaixo:

Novo disco dos Strokes sairá no final de março

quarta-feira, janeiro 30, 2013
Após causar discussão na última semana por causa do single “One Way Trigger”, comparado ao tecnobrega por alguns e analisado até mesmo por Gaby Amarantos, os Strokes anunciaram a data e o título de seu quinto disco.

O álbum se chamará Comedown Machine e chegará às lojas dia 26 de março. O segundo single do trabalho, “All the Time”, será lançado dia 19 de fevereiro no iTunes. O disco sucede Angles, LP de 2011 que dividiu a opinião de fãs e críticos.

Hatebreed: crítica de The Divinity of Purpose (2013)

quarta-feira, janeiro 30, 2013
Sétimo disco da banda norte-americana Hatebreed, The Divinity of Purpose chegou às lojas europeias em 25 de janeiro e desembarcou nos Estados Unidos quatro dias depois, 29/01. Produzido pela própria banda ao lado de Zeuss (3 Inches of Blood, Chimaira e parceiro de longa data do grupo) e Josh Wilbur, o álbum traz doze faixas inéditas, todas com letras do vocalista Jamey Jasta e instrumental composto em conjunto por todos os integrantes.

A mistura de hardcore com metal executada pelo Hatebreed diferencia-se da grande maioria das bandas de metalcore por não utilizar a característica variação entre vocais guturais e passagens melódicas com vozes limpas. Isso faz com que as músicas soem mais intensas e agressivas, fato que, somado ao groove onipresente, faz surgir uma sonoridade que, mesmo não sendo exclusiva, é pra lá de eficiente e cativante.

Apesar de a banda ter sido vendida erroneamente em seus primeiros anos como “o novo Pantera”, a influência da turma de Dimebag é evidente e convive lado a lado com elementos de nomes como Metallica, Slayer, Black Flag e Suicidal Tendencies. A excelência do Hatebreed está em combinar de maneira eficientíssima as principais qualidades do metal e do hardcore, sabendo extrair, com sabedoria, o melhor dos dois gêneros.

Dessa maneira, a agressividade, a urgência e o peso se transformam nos principais elementos de The Divinity of Purpose, trabalho que é o ápice de uma sonoridade construída ao longo de sete discos e 18 anos de carreira - e a decisão de focar mais no metal do que no hardcore é a principal razão disso
.

Com um tracklist bem equilibrado, o disco apresenta alguns destaques óbvios, como “Put It to the Torch” (primeiro single), “Honor Never Dies”, “The Language”, “Before the Fight Ends You” e “Dead Man Breathing” (com um riff que é puro thrash).

Intenso, eficaz, convincente e persuasivo, The Divinity of Purpose tem combustível para colocar a carreira do Hatebreed em outro nível. Estejam todos preparados para a decolagem!

Nota 8

 
 
Faixas:
1 Put It to the Torch
2 Honor Never Dies
3 Own Your World
4 The Language
5 Before the Fight Ends You
6 Indivisible
7 Dead Man Breathing
8 The Divinity of Purpose
9 Nothing Scars Me
10 Bitter Truth
11 Boundless (Time to Murder It)
12 Idolized and Vilified

29 de jan de 2013

Philip H. Anselmo & The Illegals / WarBeast: crítica de War of the Gargantuas (2013)

terça-feira, janeiro 29, 2013
É louvável o rumo que a carreira de Philip Hansen Anselmo tomou após o fim do Pantera, uma das bandas mais influentes e importantes da história do heavy metal. Ao invés de se acomodar sobre as glórias do passado, o vocalista se envolveu em inúmeros projetos, e com um detalhe: os grupos e gravações de Anselmo apresentaram uma sonoridade cada vez mais extrema com o passar dos anos.

War of the Gargantuas é um split de Phil ao lado do quinteto texano WarBeast (os caras lançaram a sua estreia e único disco, Krush the Enemy, em 2010). São duas músicas para cada um, intercaladas entre si. As composições Anselmo, gravadas ao lado da The Illegals, são o principal atrativo, então vamos a elas.

“Conflict” abre o play com uma avalanche death/thrash arrasadora. Pesadíssima, a música traz Phil cantando de forma ainda mais extrema, com uma agressividade que impressiona. É uma surra de riffs, com baixo e bateria esmigalhando tudo. Um arregaço que impressiona quem acompanha os últimos movimentos de Anselmo no Down, por exemplo. Não há nada dos andamentos mais arrastados característicos de sua banda atual, o negócio aqui é justamente o oposto.

O mesmo vale para “Family, “Friends” and Associates”, a outra de Anselmo no split, um death violentíssimo, com o cantor e banda entregando uma performance que impressiona. Sério, a coisa aqui é de cair o queixo. Se esse for o caminho que Phil seguirá em seu disco solo, prometido para 2013 ainda, a expectativa é que uma obra-prima está a caminho!

Em relação ao WarBeast, o som é um thrash retrô que tem como principal diferencial a explícita aproximação com o death metal, característica percebida principalmente nas guitarras. As duas faixas da banda são interessantes, mas obviamente estão muito abaixo do que Phil Anselmo apresenta.

War of the Gargantuas saiu em CD pela Housecore Records, gravadora do próprio Phil. Se você é fã do cara, corra e garanta o seu, porque trata-se de um excelente aperitivo dos próximos passos de Anselmo.

Nota 8,5


 
Faixas
1 Philip H. Anselmo & The Illegals - Conflict
2 WarBeast - Birth of a Psycho
3 Philip H. Anselmo & The Illegals - Family, “Friends” and Associates
4 WarBeast - IT

Cult of Luna: crítica de Vertikal (2013)

terça-feira, janeiro 29, 2013
Vertikal é o sexto disco da banda sueca Cult of Luna. O álbum acaba de sair através da gravadora Indie Recordings e é o sucessor de Eternal Kingdom, de 2008. Ou seja, é o primeiro trabalho do Cult of Luna em cinco anos e chega cercado de expectativa, principalmente pelo que os caras mostraram em seus LPs anteriores.

A sonoridade post-metal do Cult of Luna ganha um novo capítulo em Vertikal, que é um álbum conceitual baseado no clássico filme Metropolis, do diretor austríaco Fritz Lang, que chegou aos cinemas em 1927. Esse conceito não está apenas nas letras, mas também nas composições, que possuem estruturas lineares e repetitivas que remetem às máquinas da trama original.

Estilisticamente, as faixas são construídas sobre uma palheta de influências formada por gêneros aparentemente opostos, como o krautrock, synthpop, industrial e os primeiros movimentos do rock progressivo no final dos anos 1960, além do heavy metal. Isso faz com que as faixas intercalem trechos extremos com passagens melódicas e atmosféricas, criando contrastes muito interessantes. O uso de introduções calmas e climáticas é constante, forçando o ouvinte a parar o que está fazendo para apreciar as paisagens sonoras propostas pela banda.

Há um excelente trabalho de composição em Vertikal, e o resultado dessa ação metódica e eficiente é um disco belíssimo e às vezes desafiador, que apresenta um conceito fascinante para o ouvinte e não desvia de seu objetivo em nenhum segundo. Esta é a essência de uma expressão artística: dar vasão à criatividade e à pretensão do artista, e levar a ideia criada por ele até o público, proporcionando uma experiência única a quem embarcar no mesmo barco imaginativo dos criadores.

Vertikal não está aqui para ser um álbum simples, uma audição casual ou uma trilha de fundo enquanto você faz qualquer outra coisa. O Cult of Luna obriga você a parar o que está fazendo, tira a sua atenção de qualquer outra atividade para ouvir com atenção Vertikal, levando-o em uma jornada às vezes perturbadora, às vezes sombria, porém sempre fascinante.

Momentos excelentes ocorrem em profusão, como em “I: The Weapon”, a ótima “Vicarious Redemption” (com quase 19 minutos), “Syncronicity” e “Disharmonia”, músicas que exploram com eficiência e inteligência a proposta levada a cabo pela banda.

O Cult of Luna gravou um belíssimo disco, um álbum forte e que vai totalmente contra o consumo desvairado e compulsivo de tudo que envolve a música atualmente. Vertikal não é um arquivo de computador sem cara e sem identidade, é uma obra densa e complexa, rude e bela, que conquista por sua originalidade e ambição.

Pode me cobrar depois: presença certa nas listas de melhores de 2013 mundo afora daqui há 11 meses.

Nota 9



Faixas:
1 The One
2 I: The Weapon
3 Vicarious Redemption
4 The Sweep
5 Syncronicity
6 Disharmonia
7 Mute Departure
8 In Awe Of
9 Passing Through

Love and Death, nova banda de Brian “Head” Welch, ex-Korn, lança disco de estreia e coloca clipe na roda

terça-feira, janeiro 29, 2013
O guitarrista Brian “Head” Welch deixou o Korn em 2005, viajou pelo mundo em busca de seu Deus, o encontrou e agora está de volta com uma nova banda chamada Love and Death. 

O primeiro disco do grupo, Between Here & Lost, foi lançado no último dia 22 de janeiro pela Tooth & Nail Records. Ao lado de Welch, que assumiu também os vocais, estão JR Bareis (guitarra), Michael Valentine (baixo) e Dan Johnson (bateria).

O primeiro single, “The Abandoning”, recebeu um clipe de divulgação onde pode se perceber, pelo menos com base apenas nessa música, que o som é mais melódico que o do Korn, com poucos vocais rapeados.

Assista abaixo:

Assista “By Crooked Steps”, novo clipe do Soundgarden, dirigido por Dave Grohl

terça-feira, janeiro 29, 2013
Dave Grohl anda hiperativo. Depois de anunciar uma pausa nas atividades do Foo Fighters, o cara simplesmente não para de aparecer nos variados projetos. O documentário Sound City tem a sua direção, a banda Sound City Players está marcando shows, ele tocou bateria e produziu a ótima versão do Ghost para “I’m a Marionette” do ABBA, e agora bate ponto no novo clipe do Soundgarden.

Grohl dirigiu o novo vídeo da banda, para a faixa “By Crooked Steps”, que está no último disco do grupo, King Animal.

Aumenta!

Matt Heafy, do Trivium, posta vídeo tocando versão acústica de “Harvest”, do Opeth

terça-feira, janeiro 29, 2013
Matt Heafy, vocalista e guitarrista do Trivium, pode ser visto no vídeo abaixo em linda versão da música “Harvest”, gravada pelo Opeth no álbum Blackwater Park, de 2001.

A banda está no estúdio gravando o seu sexto disco, ainda sem data de lançamento, e que tem produção de David Draiman, vocal do Disturbed.

Assista Heafy e sua arrepiante “Harvest” acústica:


28 de jan de 2013

Assista “Acorda pra Vida”, o novo clipe do Project46

segunda-feira, janeiro 28, 2013
A excelente banda paulista Project46 está de clipe novo. O grupo liberou o vídeo da música “Acorda pra Vida”, produzido com cenas de diversos shows do conjunto.

O Project46 faz algo extremamente raro e digno de elogios aqui no Brasil: um metal atual e cantado em português.

“Acorda pra Vida” faz parte do primeiro disco dos caras, Doa a Quem Doer, que pode ser baixado gratuitamente no site da banda.

Aumente o volume e assista abaixo:

“Mind Mischief”, o novo clipe do Tame Impala

segunda-feira, janeiro 28, 2013
Os viajandões do Tame Impala divulgaram hoje o clipe de “Mind Mischief”, música presente em seu último trabalho, Lonerism, disco que foi um dos destaque das listas de melhores de 2012.

O vídeo mostra a relação proibida e secreta entre um aluno e sua professora, tudo embalado por muita psicodelia, cenas em câmera lenta e animações lisérgicas.

Confira abaixo:

Egypt: crítica de Become the Sun (2013)

segunda-feira, janeiro 28, 2013
O Egypt é uma banda norte-americana formada em 2003 na cidade de Fargo, no estado da Dakota do Norte. Os caras estrearam em 2005 com um EP auto-intitulado, deram uma parada, mudaram a formação e agora, dez anos depois, finalmente estão lançando o seu primeiro disco.

Aaron Esterby (vocal e baixo), Neal Stein (guitarra) e Chad Heille (bateria) executam um doom que tem como característica a aspereza e a sonoridade crua. Não há maiores refinamentos na música do trio, apenas peso e agressividade traduzidos em riffs poderosos e arrastados. O vocal de Esterby beira o gutural, enquanto a parte instrumental leva o ouvinte através de paisagens áridas e sombrias.

De modo geral, percebe-se a óbvia influência de Black Sabbath, como não poderia deixar de ser, mas fica claro que os caras também curtem muito Pentagram e Saint Vitus. Até mesmo ecos de Motörhead podem ser identificados aqui e ali.

Sem maiores exercícios verbais para tentar definir a sonoridade do Egypt, pode-se classificar o trabalho do grupo com hard rock puro e simples, ou, se preferirem, o nosso tão amado “rock pauleira”, “sonzeira” e afins. Há energia e raiva flutuando sobre tudo, o que torna essa característica ainda mais forte.

Merece menção também a total ausência de overdubs, transmitindo a autenticidade e a intensidade de um show ao vivo em todas as faixas. Entre as músicas, destaques para “Matterhorn”, “Stalker”, o festival de riffs de “Hillside” e a competente e original releitura de “Black Night”, do Deep Purple.

O fato de algumas faixas se arrastarem além da conta torna o disco às vezes repetitivo, percepção até mesmo frequente em bandas do gênero e no próprio doom de modo geral, mas nada que comprometa o ótimo resultado final.

A estreia do Egypt é gratificante, e mostra que a banda tem potencial para contruir um belo futuro. Tomara que o próximo capítulo não demore tanto para ser lançado, e que o trio nos brinde logo com mais álbuns fortes com Become the Sun.

Nota 8



Faixas:
1 Matterhorn
2 The Village is Silent
3 Orb of the Wizardking
4 Stalker
5 Hillside
6 Greenland
7 World Eater
8 Snakecharmer
9 Black Night
10 Elk River Fire

Dynahead divulga título, tracklist e capa de seu novo álbum

segunda-feira, janeiro 28, 2013
O Dynahead, uma das melhores e mais originais bandas brasileiras de metal, acaba de divulgar o título e diversas informações sobre o seu novo álbum.

O terceiro disco do grupo  tem o título de Chordata I e é a primeira parte de um trabalho conceitual dividido em duas etapas. As letras falam sobre a evolução biológica do mundo e da humanidade. O trabalho será lançado dia 11 de março, enquanto Chordata II já tem data de lançamento marcada também para 11/03, mas de 2014.

A linda capa foi criada pelo artista norte-americano Chris Panatier, e o álbum conta com nove faixas. Confira o tracklist:

1 Abiogenesis
2 Bred Patterns
3 Collective Skin
4 Dawn Mirrored in Me
5 Echoes of the Waves
6 Foster
7 Growing in Veins
8 Hallowed Engine
9 Inevitable

Pink Floyd na capa da nova Mojo

segunda-feira, janeiro 28, 2013
A revista de música mais vendida da Inglaterra traz o Pink Floyd na capa de sua nova edição. A Mojo conta a história de como o grupo sobreviveu à saída de sua então principal mente criativa, Syd Barrett, deu a volta por cima com “Echoes” e se tornou uma das maiores bandas da década de 1970.

Adam Ant, The Everly Brothers, Gram Psrsons, Alicia Keys, David Bowie e outros também estão nas páginas da nova Mojo, que vem acompanha de um CD com o melhor da psicodelia atual, estrelado por nomes como Tame Impala, Animal Collective e Django Django.

Caso você não encontre a Mojo nas bancas ou livrarias de sua cidade, pode comprar ou assinar a revista diretamente pelo site da publicação.



Quando as palavras faltam

segunda-feira, janeiro 28, 2013
Ontem, 27 de janeiro de 2012, 234 pessoas perderam a vida em um incêncio ocorrido em uma boate na cidade de Santa Maria (RS). São mais de 100 feridos em hospitais da cidade e em Porto Alegre. A maioria eram jovens entre 16 e 20 anos, e, segundo dados da Polícia Militar, 95% deles morreram asfixiados ou pisoteados.

Um pai e uma mãe não foram feitos para enterrar um filho. É algo não natural. Essa é a sensação particularmente dolorida da tragédia que ocorreu em Santa Maria.

Abaixo a repercussão em alguns sites pelo mundo:

Classic Rock Magazine
Huffington Post
Loudwire
NME
Rolling Stone
Ultimate Classic Rock

Informações em tempo real nos perfis do Twitter abaixo:

Diário de Santa Maria
Rádio Gaúcha
Zero Hora

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE