14 de out de 2017

Doro Pesch anuncia novo disco

sábado, outubro 14, 2017

Doro Pesch lançará dia 27/10 um novo álbum intitulado Für Immer - German Songs, Ballads and Rare Diamonds.


O material vem com 19 faixas cantadas em alemão e, como diz o título, muitas delas são baladas e gravações raras que não estão presentes em seus discos habituais.


O trabalho mais recente de Doro, Raise Your Fist, saiu em 2012.


Abaixo está o tracklist completo de Für Immer:


01. Für Immer

02. Tausend Mal Gelebt
03. Jede Seele Tief
04. Herzblut
05. Alles Ist Gut
06. Ich Will Alles
07. In Freiheit Stirbt Mein Herz
08. Ein Stück Ewigkeit
09. Helden
10. Freiheit
11. Hoffnung
12. Seelied
13. Engel
14. Ungebrochen
15. In Liebe Und Freundschaft
16. Danke
17. Bis Aufs Blut
18. Tausend Mal Gelebt – Classic Diamonds Version (Bonus)
19. Für Immer – Classic Diamonds Version (Bonus)

13 de out de 2017

Review: Heavenless - Who Can’t Be Named (2017)

sexta-feira, outubro 13, 2017

Formado em 2015 em Mossoró, no Rio Grande do Norte, o Heavenless está lançando o seu primeiro disco, Who Can’t Be Named. E, sinceramente, se você gosta de metal deveria olhar com atenção para o trio formado por Kalyl Lamarck (vocal e baixo), Vinícius Martins (guitarra) e Vicente Andrade (bateria).

A praia da banda é o thrash metal, agressivo, rápido e cheio de variações. Com influências que vão de nomes clássicos como Exodus e Destruction e passam por ícones conterrâneos como o Sepultura, o Heavenless mostra em seu primeiro disco um trabalho digno de nota.

Who Can’t Be Named traz nove músicas, todas bastante diretas e extremamente agressivas - a exceção é “The Reclaim”, que inicia com um andamento mais calmo e meio doom para a partir de sua metade cair na pancadaria habitual. 

Baseando a sua música nos bons riffs construídos por Vinícius e na criatividade percussiva de Vicente (perceba a inserção das viradas de bateria na linha do que Iggor Cavalera fez no clássico Roots, por exemplo), o Heavenless consegue mostrar uma personalidade própria, ainda que em evidente construção. O vocal de Kalyl soa sempre caótico e amedrontador, característica muito bem-vinda em uma banda com a proposta musical do trio. Percebe-se uma certa influência do black metal norueguês em algumas passagens de guitarras, o que dá um toque ainda mais macabro à música do Heavenless.

Distante dos principais centros consumidores de heavy metal do Brasil, o Heavenless mostra um trabalho sólido e muito competente, com força para evoluir muito e que, mesmo assim, já deixa clara a capacidade criativa do trio potiguar.

Se você é fã de thrash metal e quer conhecer uma boa banda nacional do estilo, vai curtir pra caramba o trabalho do Heavenless.

Tears for Fears lança nova coletânea com duas músicas inéditas

sexta-feira, outubro 13, 2017

O Tears for Fears lançará dia 10/11 a coletânea Rule the World: Greatest Hits. O disco vem com 16 músicas e traz duas faixas inéditas - “I Love You But I’m Lost” e “Stay”.

O título terá uma versão em CD simples e outra em LP duplo.

Abaixo está o tracklist:

1. Everybody Wants To Rule The World – from Songs From The Big Chair (1985)
2. Shout (Edit) – from Songs From The Big Chair (1985)
3. I Love You But I’m Lost (New Track)
4. Mad World – From The Hurting (1983)
5. Sowing The Seeds Of Love – from The Seeds Of Love (1989)
6. Advice For The Young At Heart – from The Seeds Of Love (1989)
7. Head Over Heels – from Songs From The Big Chair (1985)
8. Woman In Chains – from The Seeds Of Love (1989)
9. Change – From The Hurting (1983)
10. Stay (New Track)
11. Pale Shelter – From The Hurting (1983)
12. Mothers Talk (US Version) – Re-recorded US single (1986)
13. Break It Down Again – from Elemental (1993)
14. I Believe – from Songs From The Big Chair (1985)
15. Raoul And The Kings Of Spain – from Raoul And The Kings Of Spain (1996)
16. Closest Thing To Heaven – from Everybody Loves A Happy Ending (2004/5)

Veja quem são os 10 baixistas mais ricos do mundo

sexta-feira, outubro 13, 2017

O Ultimate-Guitar publicou uma lista com os baixistas mais ricos do mundo. Um levantamento interessante e que rende, no mínimo, um animado papo de bar.

Veja abaixo quem são os 10 baixistas mais ricos da música e o valor aproximado da fortuna de cada um deles:

10 Geezer Butler - 70 milhões de dólares
9 Bill Wyman - 80 milhões de dólares
8 John Paul Jones - 80 milhões de dólares
7 Flea - 110 milhões de dólares
6 John Deacon - 115 milhões de dólares
5 Adam Clayton - 150 milhões de dólares
4 Roger Waters - 270 milhões de dólares
3 Gene Simmons - 300 milhões de dólares
2 Sting - 300 milhões de dólares
1 Paul McCartney - 1,2 bilhão de dólares

Nova compilação do Green Day

sexta-feira, outubro 13, 2017

Reunindo vinte dois maiores sucessos do Green Day e trazendo duas músicas inéditas, a compilação Greatest Hits: God’s Favorite Band chegará às lojas no próximo dia 17/11.

O material será disponibilizado em CD e LP, sendo que a edição em CD virá também com um videoclipe.

Abaixo está o tracklist completo:

1. 2000 Light Years Away 
2. Longview 
3. Welcome To Paradise 
4. Basket Case 
5. When I Come Around 
6. She
7. Brain Stew
8. Hitchin’ A Ride 
9. Good Riddance (Time of Your Life) 
10. Minority 
11. Warning 
12. American Idiot 
13. Holiday 
14. Boulevard Of Broken Dreams 
15. Wake Me Up When September Ends 
16. Know Your Enemy 
17. 21 Guns 
18. Oh Love 
19. Bang Bang 
20. Still Breathing 
21. Ordinary World [feat. Miranda Lambert] 
22. Back In The USA

Bob Seger anuncia novo disco e mostra versão para clássico de Lou Reed

sexta-feira, outubro 13, 2017

Bob Seger lançará dia 17/11 o seu novo disco. O trabalho tem o título de I Knew You When e é o sucessor de Ride Out (2014).

O décimo-oitavo álbum traz o norte-americano homenageando três grandes músicos que faleceram nos anos recentes. Lou Reed e Leonard Cohen são lembrados com versões para “Busload of Faith” e “Democracy”, enquanto Glenn Frey ganha um tributo em “Glenn Song” - esta última presente apenas na versão deluxe do trabalho.

Bob Seger era amigo pessoal de Glenn Frey e cresceu junto com o vocalista e guitarrista do Eagles em Detroit. Frey foi fundamental na carreira de Seger, encorajando-o a seguir em frente e a tentar novas possibilidades em suas músicas. Além disso, Bob Seger é o co-autor de “Heartache Tonight”, um dos grandes hits do Eagles. I Knew You When é dedicado a Glenn Frey, em mais uma homenagem de Bob Seger ao velho amigo.

Abaixo está o tracklist e também a versão de “Busload of Faith” presente no disco:

1 Gracile
2 Busload of Faith
3 The Highway
4 I Knew You When
5 I'll Remember You
6 The Sea Inside
7 Marie
8 Runaway Train
9 Something More
10 Democracy
11 Forward Into The Past (Deluxe Album only)
12 Blue Ridge (Deluxe Album only)
13 Glenn Song (Deluxe Album only)

Ouça “Pumpkins United”, nova música do Helloween com a participação de Michael Kiske e Kai Hansen

sexta-feira, outubro 13, 2017

O Helloween surpreendeu e divulgou uma música inédita chamada “Pumpkins United”, com a formação atual da banda ao lado de Michael Kiske e Kai Hansen.

A faixa foi lançada hoje para download gratuito no site do grupo alemão e ganhará uma versão em single de vinil de 10 polegadas que será disponibilizado dia 8 dezembro pela Nuclear Blast.

Ainda não há informações se a banda pretende gravar um novo disco com a presença de Kiske e Hansen.

Dê play abaixo e veja como ficou:

Documentário mostra turnê atual do Dream Theater

sexta-feira, outubro 13, 2017

A FreqsTV produziu um mini documentário sobre a Images, Words & Beyond, turnê atual do Dream Theater onde a banda norte-americana está tocando na íntegra o álbum Images and Words (1992).

As cenas foram gravadas em Munich, na Alemanha, durante a perna europeia da tour, e trazem o guitarrista John Petrucci falando sobre o disco, seu processo de composição e sobre o momento da banda.

Assista abaixo:

12 de out de 2017

Kick, disco que mudou a vida do INXS, ganha relançamento especial de 30 anos

quinta-feira, outubro 12, 2017

Sexto álbum da banda australiana INXS, Kick está sendo relançado em uma edição especial celebrando os seus 30 anos. Com hits como "New Sensation", "Devil Inside" e "Need You Tonight", o disco foi responsável direto por transformar o INXS em uma das grandes bandas da década de 1980.


A nova edição vem com 3 CDs e 1 blu-ray e traz o áudio totalmente remasterizado, diversas faixas bônus e o áudio em alta definição no blu-ray. Além disso, vem também com um livreto de 48 páginas. Para os fãs do vinil, uma versão dupla em LPs de 45 rotações também está sendo disponibilizada.


A edição de 30 anos de Kick chegará às lojas dia 3 de novembro com o seguinte tracklist:


CD 1 – ORIGINAL ALBUM REMASTERED 

1. Guns In The Sky
2. New Sensation
3. Devil Inside
4. Need You Tonight
5. Mediate
6. The Loved One
7. Wild Life
8. Never Tear Us Apart
9. Mystify
10. Kick
11. Calling All Nations
12. Tiny Daggers

CD2 – DEMOS, MIXES & MORE 

1. Move On [Guitar Version]
2. I’m Coming (Home)
3. Mediate [Live From America]
4. Never Tear Us Apart [Live From America]
5. Kick [Live From America]
6. On The Rocks
7. Do Wot You Do
8. Mystify [Chicago Demo]
9. Jesus Was A Man [Demo]
10. The Trap [Demo]
11. Guns In The Sky [Kick Ass Remix]
12. Need You Tonight [Mendelsohn Extended Mix]
13. Move On

CD3 – ADDITIONAL MIXES & B-SIDES

(tracks in bold, new additions compared to KICK 25)

1. Never Tear Us Apart [Soul Version]

2. New Sensation [Nick 12” Mix]
3. New Sensation [Nick 7” Mix]
4. Devil Inside [Extended Remix]
5. Devil Inside [7” Version]
6. Devil Inside [Radio Edit]
7. Different World [12” Version]
8. Different World [7” Version]
9. Need You Tonight [Big Bump Mix]
10. Need You Tonight [Ben Liebrand Mix]
11. Need You Tonight [Mendelsohn 7″ Edit]
12. Guns in the Sky [Kookaburra Mix]
13. Calling All Nations [Kids On Bridges Remix]
14. Shine Like it Does [Live]



BLU-RAY

1. Kick Mixed in Dolby Atmos & High Definition Audio
2. Promo Videos
Guns In The Sky
New Sensation
Devil Inside
Need You Tonight
Mediate
Never Tear Us Apart
Mystify
Kick [New 2017 promo]

11 de out de 2017

"Not For You", novo clipe do Red Fang

quarta-feira, outubro 11, 2017

O Red Fang divulgou o vídeo de "Not For You", música de seu mais recente disco, Only Ghosts, lançado em outubro de 2016 pela Relapse.


Famosa por seus clipes divertidos, desta vez a banda norte-americana decidiu investir em uma animação dirigida por Balázs Gróf.


Assista ao vídeo abaixo:


Eagles anuncia edição especial do clássico Hotel California

quarta-feira, outubro 11, 2017

Disco de maior sucesso do Eagles, Hotel California, quinto álbum da banda norte-americana, está ganhando uma edição especial celebrando os seus quarenta anos.

A nova versão chegará às lojas dia 24/11 e trará o áudio totalmente remasterizado, além de dez músicas gravadas ao vivo no Los Angeles Forum durante a turnê de lançamento e até então nunca lançadas. O box vem com dois CDs e um blu-ray que traz uma mixagem 5.1 para as faixas.

O formato da caixa é semelhante às edições especiais que o Led Zeppelin lançou recentemente e traz, além dos discos, um livro de capa dura com 44 páginas, uma réplica com 24 páginas do tour book original e três pôsteres. Uma edição de CD duplo também será disponibilizada.

Abaixo está o tracklist completo:

CD 1 Hotel California remastered
1. Hotel California
2. New Kid In Town
3. Life in the Fast Lane
4. Wasted Time
5. Wasted Time (Reprise)
6. Victim of Love
7. Pretty Maids All in a Row
8. Try and Love Again
9. The Last Resort

CD 2 Live at The Los Angeles Forum 10/20-22/76
1. Take it Easy
2. Take It to the Limit
3. New Kid in Town
4. James Dean
5. Good Day in Hell
6. Witchy Woman
7. Funk 49
8. One of These Nights
9. Hotel California
10. Already Gone

Blu-Ray (Audio) – Super Deluxe ONLY
DTS-HD Master 5.1 Surround Sond (96 KHz/24-Bit)
PCM Stereo (192 KHz/24-Bit)
1. Hotel California
2. New Kid in Town
3. Life in the Fast Lane
4. Wasted Time
5. Wasted Time (Reprise)
6. Victim of Love
7. Pretty Maids All in a Row
8. Try and Love Again
9. The Last Resort

Review: A Olívia - Jardineiros de Concreto (2017)

quarta-feira, outubro 11, 2017

A Olívia é uma banda formada em São Paulo em 2013 e que conta com Luis Vidal (vocal e guitarra), Mateus Albino (guitarra), João Carvalho (baixo) e Murilo Fedele (bateria). A proposta do quarteto é tocar rock, ideia que o primeiro disco, Jardineiros de Concreto, entrega com sucesso.

São onze faixas que apresentam um trabalho de composição bem resolvido, resultando em canções sem excessos e momentos desnecessários. O grupo coloca influências brasileiras em sua sonoridade, mas sem cair na armadilha de batucadas e instrumentações exóticas. “Arruda" é um bom exemplo disso, onde a banda explora a riqueza musical do nosso país, mas sem exagerar na dose.

De modo geral, dá pra classificar o som d’A Olívia como indie rock, porém a banda não traz o ar pedante da maioria dos nomes do estilo. Os caras não querem revolucionar nada, apenas almejam fazer um som. E esse ar despretensioso acaba sendo um dos maiores acertos em Jardineiros de Concreto.

Entre as faixas, destaque para “Arruda”, “Carne Crua”, “Festa de Merda”, “Briga de Bar” e "Bartolomeu", todas com letras que exploram situações do cotidiano e mostram uma banda com grande potencial e os dois pés fincados no chão.

Boa estreia, vale a audição!

Festa de 70 anos de Sammy Hagar passará nos cinemas norte-americanos

quarta-feira, outubro 11, 2017

Sammy Hagar fez uma grande festa para comemorar o seu aniversário de 70 anos, e agora a celebração estará disponível para todos os fãs do vocalista do Montrose e do Van Halen.

O filme Red Til I’m Dead: Sammy Hagar’s Rock-N-Roll Birthday Party será exibido nos cinemas norte-americanos no dia 5 de dezembro e depois sairá nos formatos físicos.

O show contou com a participação de nomes como Toby Keith, Chad Kroeger (Nickelback), Darryl McDaniels (Run-D.M.C.), Eddie Money, Vinnie Paul (Pantera, Hellyeah), Michael Anthony (Van Halen, Chickenfoot), Jason Bonham (Led Zeppelin, Black Country Communion), Vic Johnson (Sammy Hagar and The Waboritas), entre outros.

O trailer do filme pode ser assistido abaixo:

Álbum clássico de Muddy Waters ganha nova edição em vinil

quarta-feira, outubro 11, 2017

Lançada originalmente em 1958, a compilação The Best of Muddy Waters será relançada em novembro pela Third Man Records. O título faz parte da série de álbuns clássicos da Chess Records que ganharão novas edições pela gravadora de Jack White.

A coletânea traz doze faixas e reúne as músicas mais populares gravadas por Muddy Waters entre 1948 e 1954, incluindo clássicos como “Rollin Stone”, “Hoochie Coochie Man” e “I Just Want to Make Love to You”.

A nova edição de The Best of Muddy Waters será lançada dia 17 de novembro pela Third Man Records, com distribuição da Universal Music.


Abaixo está o tracklist:

Side One
1. I Just Want To Make Love To You
2. Long Distance Call
3. Louisana Blues
4. Honey Bee
5. Rollin’ Stone
6. I’m Ready

Side Two
1. Hoochie Coochie
2. She Moves Me
3. I Want You To Love Me
4. Standing Around Crying
5. Still A Fool
6. I Can’t Be Satisfied

Matt Heafy posta linda versão acústica de clássico de Tom Petty

quarta-feira, outubro 11, 2017

Pouco mais de uma semana após o falecimento repentino de Tom Petty, Matt Heafy, vocalista e guitarrista do Trivium, postou uma linda versão acústica para “I Won’t Back Down”, uma das músicas mais conhecidas de Petty.

O canal de Heafy no YouTube é conhecido por trazer releituras onde o líder do Trivium dá a sua interpretação acústica para clássicos do rock e do pop, além de trazer gameplays dos jogos que ele está jogando.

Assista à tocante homenagem abaixo:

10 de out de 2017

Review: Vuur - In This Moment We Are Free: Cities (2017)

terça-feira, outubro 10, 2017

O Vuur marca o retorno de Anneke van Giersbergen ao metal. Não que ela tenha se afastado do gênero, vide os discos que gravou ao lado de Devin Townsend, porém a banda é a primeira a contar com a liderança de Anneke a explorar o peso desde que ela deixou o The Gathering.

Mais de dez anos depois, a cantora está ao lado de um grupo formado totalmente por músicos holandeses, sendo eles Jord Otto (guitarra), Ferry Duijsens (guitarra), Johan van Stratrum (baixo) e Ed Warby (bateria). Além desses nomes, Anneke contou com a parceria de Mark Holcomb (guitarrista do Peryphery), Esa Holopainen (guitarrista do Amorphis) e Daniel Cardoso (multi-instrumentista, integrante do Anathema) na composição das músicas. Fechando, a produção deste primeiro disco foi assinada por Joost van den Broek, que também participou do processo de composição.

In This Moment We Are Free - Cities é o disco de estreia do Vuur e será lançado mundialmente no próximo dia 20 de outubro. O álbum sairá no Brasil pela Hellion Records algumas semanas mais tarde. Trata-se de um trabalho meio conceitual, com onze músicas que falam sobre liberdade e sua relação com diferentes cidades ao redor do planeta. As letras relatam as experiências e sensações de Anneke ao passar por estas metrópoles, incluindo o Rio de Janeiro em “Freedom - Rio”.

Musicalmente, o que temos é um metal com uma sutil pegada progressiva e abordagem bastante contemporânea. Os vocais de Anneke são o destaque óbvio, como não poderia deixar de ser. Apenas para comparação, há uma certa similaridade com o que Tarja Turunen vem fazendo em seus discos mais recentes, porém com bem menos vozes operísticas. O peso é constante e traz consigo um excepcional trabalho de guitarras, outro ponto que salta aos ouvidos durante a audição do álbum.

Alguns reviews gringos apontaram o fato de que o tracklist é bastante homogêneo e apresenta poucas variações. Isso realmente acontece, mas não chega a ser um problema, pelo menos no meu modo de vista. Gostei bastante do trabalho de composição, há uma proliferação de canções com andamento moderado e sempre calçadas em bons riffs, o que me agradou. Além disso, o Vuur ainda trilha caminhos mais calmos e contemplativos, e o principal exemplo dessa faceta é “Freedom - Rio”, uma linda canção que é um dos melhores momentos de In This Moment We Are Free. Na mesma linha, “Valley of the Diamonds - Mexico City” e “Reunite! - Paris” também diminuem o ritmo e andam por caminhos mais suaves.

Talvez o ponto que tenha levado alguns escribas norte-americanos e europeus a considerarem o disco apenas mediano seja justamente o vocal de Anneke. Ainda que isso possa parecer estranho, o fato é que a holandesa, reconhecidamente uma das mais belas vozes femininas do metal, não apresenta muitas variações não só no modo de cantar mas também nas próprias linhas vocais que cria ao longo do disco. Enquanto o instrumental vem com ideias diferentes a cada canção, Anneke parece repetir as mesmas soluções em diversos momentos do disco, e isso incomoda um pouco.

Entretanto, In This Moment We Are Free - Cities é uma boa estreia e mostra uma banda com enorme potencial para gravar discos ainda mais fortes no futuro. Este primeiro álbum vale a audição, e os próximos certamente valerão ainda mais.

Show: Jethro Tull Performed by Ian Anderson | 9 de outubro de 2017 | Auditório Araújo Vianna | Porto Alegre

terça-feira, outubro 10, 2017

Lembro da minha frustração em 2 de agosto de 1988, data do lendário show do Jethro Tull no Gigantinho em Porto Alegre. Na época, Ian Anderson e sua trupe divulgavam Crest of Knave (1987), um dos discos medianos que o Tull lançou naquela década. "Foram os três solos de flauta mais longos que vi num show de uma banda de rock! E o público enlouqueceu", relembra o músico Rafael Ritzel, que nessa noite de 9 de outubro está ao meu lado. De todo o modo, ele ainda se orgulha de ser uma das testemunhas daquele evento histórico na capital gaúcha, época em que o RS estava longe de ser um corredor de passagem para bandas internacionais. 

Voltando a 2017, todos sabemos que rock e o mercado da música pop mudaram, as formas de ouvir música são outras. Álbuns não vendem tanto quanto há 30 anos, e hoje, artistas que construíram sua história nas décadas de 1960/70 não apenas precisam cair na estrada para reaquecer o interesse pelas suas obras. Eles sabem que os tours passaram a ser pilares de conexão, isso tanto com os fãs devotos, como também frente a novos públicos. Digressões também são potentes veículos de divulgação de bandas/artistas, e o mais importante: fonte de renovação para eles próprios.   


21h em ponto: quando vemos Ian Anderson, 70 anos, corpo ainda esguio, coreografando as cenas clássicas que conhecemos das capas do discos/fotos/vídeos de shows antigos, a sensação é de que essa magia estradeira realmente é essencial para muitos artistas. Se aos 29 anos o compositor de "Too Old to Rock and Roll, Too Young to Die” cantava a decadência do rock e questionava o futuro do gênero, 40 anos depois cá está Ian cantando a mesma canção e ainda fazendo o seu trabalho à moda antiga. E muito bem! Instrumentalmente, o líder do Tull continua sendo um artista impressionante. Já a garganta, apesar de ainda guardar o conhecido timbre, perdeu a potência, revelando um vocalista mais cuidadoso. Nada que o desabone sua capacidade de encantar uma audiência. Esse talento permanece intacto. "Com a carreira que o Ian tem, ele pode fazer o que quiser", avisa o brother Ritzel ao pé do ouvido.   

No palco, além de Ian Anderson (flauta, voz e violão), temos dois integrantes que prestam serviços ao Tull a uma década - David Goodier (baixo e voz) e John O'Hara (teclado). Já o músico alemão Florian Opahle (guitarra), com passagem pela banda de Greg Lake, fixou residência no Tull desde 2003. Completa o time Scott Hammond (bateria), desde 2010 no grupo. A apresentação começa com "Living in the Past", seguida de "Nothing is Easy" e "Heavy Horses", temas pinçados a dedo da joia da coroa da obra desenhada desde 1968 por Ian Anderson. Aos primeiros acordes do violão base de "Thick As a Brick", previsivelmente o público efervesce. 

Uma das maiores virtudes da trajetória musical do grupo britânico é justamente o cruzamento da tradicional linha de montagem de uma banda de rock com a música erudita e folclórica europeia. E não estão aí um dos pilares do rock progressivo? E esse é um dos pontos altos da noite, quando instrumentalmente a música do Tull ainda soa assombrosa meio século depois de seu descobrimento. É justamente essa teia sonora que nos deixa impressionados em "Bourée" e "Pastime in Good Company", quando fica fácil associar a figura hiperativa de Ian Anderson com antigas lendas do velho mundo. Iconicamente sua performance também colabora para essa associação, quando a cada movimento e soprada na flauta transversal novas caretas e olhares são lançados a audiência.  


Depois de um breve intervalo de 20 minutos (chance pra colocar o papo em dia com vários amigos presentes), às 22h16 as imagens vampirescas no telão colorem ainda mais "Sweet Dream". Capitaneado pela guitarra de Florian Ophale, essa conversa entre a sonoridade medieval e o rock pesado explicita o modus operandi do Jethro Tull, recurso que ao vivo a torna ainda mais impressionante e translúcida. E há um equilíbrio entre performance e malabarismos musicais, pois tanto as geniais intervenções da flauta de Anderson, quanto os solos de bateria ("Dharma For One") e até mesmo o ápice guitarrístico de Ophale ("Tocatta and Fugue in D Minor") surgem equalizados numa proporção exata, sem excessos. Também é necessário lembrar da raiz blues do Tull, uma memória alinhavada por exemplo na gaita de boca de Ian em "A New Day Yesterday", outro momento especial do set.    

E toda as percepções eclodem rumo ao clímax perfeito: "My God", momento em que a primeira música do lado B de Aqualung faz o preâmbulo e prepara a cama para a faixa título, um dos momentos mais esperados da apresentação. "Quem nunca ouviu Aqualung que atire a primeira pedra!". Quem nunca topou com a capa de um dos mendigos mais célebres do rock? E no bis, "Locomotive Breath" surge como um trem bala rumo ao desconhecido, deslizando para uma fronteira além das nossas expectativas iniciais. 

Em sua oitava passagem pelo país, finalmente o garoto de 1988 ressuscitou no plateia de um show do Jethro Tull. Lá estava ele, bem em frente ao palco, envelhecido, hipnotizado a registrar tudo com seus olhos e ouvidos. Parado como uma estátua barbuda saída diretamente da imagem do LP.

Nossos agradecimentos à Agência Cigana pelo suporte e credenciamento.       


Set 1:
Living in the Past
Nothing Is Easy
Heavy Horses
Thick as a Brick
Banker Bets, Banker Wins
Bourrée in E minor
Farm on the Freeway
Too Old to Rock 'n' Roll, Too Young to Die
Songs From the Wood

Set 2:
Sweet Dream
Pastime With Good Company
Fruits of Frankenfield
Dharma for One
A New Day Yesterday
Toccata and Fugue in D Minor
My God
Aqualung

Bis:
Locomotive Breath



Daptone Records anuncia o lançamento do disco de despedida de Sharon Jones

terça-feira, outubro 10, 2017

Soul of a Woman, derradeiro disco de Sharon Jones, será lançado pela Daptone Records no dia 17/11. O álbum foi gravado no House of Soul do Brooklyn enquanto a cantora lutava contra o câncer que lhe tirou a vida. Sharon faleceu no dia 18 de novembro de 2016.

O disco traz onze músicas e é o último registro em estúdio de Sharon ao lado de sua banda, os fenomenais The Dap-Kings.

A gravadora divulgou também um vídeo promovendo o álbum, que você pode assistir abaixo:

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE