18 de out de 2018

Greta Van Fleet: ame ou odeie, mas fale de mim


É bem comum que acenemos positivamente quando uma banda se parece com algo que gostamos, principalmente quando nos traz um sentimento nostálgico, nos fazendo viajar no tempo. É maneiro quando você está diante de algo que lembra muito o Black Sabbath, o Kiss, o Thin Lizzy, o Queen, Rush, Nirvana, Iron Maiden, AC/DC, Metallica, Beatles, Stooges, Ramones, Pistols, Joy Division, Pink Floyd, Stones, Cream , Lynyrd Skynyrd, Radiohead, Slayer, Motörhead … ufa! É tanta banda que adoramos que dava um post só com nossas influências (e todas com estampas disponíveis em nossa loja, é claro!

O exemplo da hora e que nós, da Contra Grife, temos o orgulho de dedicar esse post, é a banda Greta Van Fleet, que nem lançou um disco completo e tem sido apontada como a salvação do rock. O maior motivo: a assustadora semelhança com uma das maiores bandas que pisaram a terra: o Led Zeppelin.

A similaridade faz com que o Greta Van Fleet divida opiniões. O que não impede que, mesmo por curiosidade, seus vídeos viralizem exponencialmente. Para ter uma ideia, o vídeo da música “Highway Tune” tinha 15 milhões de visualizações em maio último. Atualmente caminha para os 30 milhões, número surreal para qualquer banda, que dirá uma bem jovem e nova como eles.

É normal que diante de tanto “frisson”, a classe musical comece a dar seu ponto de vista sobre o som dos caras. Há quem goste, há quem não goste. Mas o GVF (como já são chamados) não depende de aprovação, seus integrantes estão vivendo o momento, tocando o terror.


O quarteto formado pelos irmãos Josh, Jake e Sam Kiszka (vocal, guitarra e baixo, respectivamente) e com Danny Wagner na bateria, vai muito além das comparações. Robert Plant e Elton John são entusiastas do trabalho do grupo. Elton, inclusive, os colocou na festa do Oscar. Plant, por sua vez, ficou enciumado quando Josh alegou que sua influência era mais para o lado do Aerosmith do que para o do Led. Sério?

Depois de dois EPs lançados - compilados no CD/LP From the Fires (2017) - e prestes a colocar na roda seu primeiro trabalho de estúdio, Anthem of the Peaceful City, que terá lançamento mundial dia 19/10, a banda se prepara para alçar vôos maiores, que com certeza atingirão altitude de cruzeiro e levarão o grupo em uma longa e feliz carreira. 

E nesse clima de novidade e opiniões divididas, a Contra Grife foi atrás do que pensa o pessoal ligado ao grupo e à cena musical internacional, bem como grandes expoentes da nossa guerreira música nacional. Vamos lá!


Robert Plant
“Há esta banda de Detroit chamada Greta Van Fleet, eles são o Led Zeppelin I. Um belo cantor, eu o odeio (disse Plant em tom de piada). Ele roubou a voz de alguém que conheço muito bem, mas o que pode ser feito? Ao menos ele tem um pouco de estilo, pois ele disse que se baseou no Aerosmith.” finalizou Plant enquanto virava os olhos em tom de brincadeira.

Slash
“Fiquei realmente feliz em assistir o GVF. Gostaria que não soassem tanto como o Led, mas ainda assim a ideia de quatro garotos subindo ao palco e mandando ver com apenas alguns amps e um kit de bateria é realmente inspirador. Isto faz com que um monte de garotos por aí e que estejam fazendo a mesma coisa tenham esperança de chegar a algum lugar.”

Jason Bonham
“Entrei em alerta por causa de toda aquela coisa sobre o Led Zeppelin. Mas teria me irritado se eu fosse o Robert Plant. Eu ficaria aborrecido se dissessem que ele, Josh (vocalista do Greta), soa como o Robert. Plant não canta assim. Ele era fantástico e ainda é, mas quando jovem, sua voz era muito melhor, porém de uma maneira diferente. Comparam os dois apenas por ele cantar alto e fazer o lance dos gestos com as mãos. Mas eu tenho receio de toda esta atenção que a banda está atraindo. Isto vai acabar com eles. Desejo o melhor para o GVF. As pessoas deveriam gostar da banda pelo que são e não ficar tentando comparar com o Zeppelin, pois isto vai acabar com eles. Às vezes estas coisas machucam. Acredite em mim, eu sei como funciona, pois imagine minha situação. Ser baterista tendo como pai o John Bonham, as comparações são a coisa mais difícil de ser superada. Desejo tudo de bom pra eles, mas acho que eles soam mais como o Black Crowes do que com o Led Zeppelin.”

Tom Hanks
“Estou feliz em anunciar que o novo álbum do Greta Van Fleet está aprovado.”

Alice Cooper
“Há bandas agora – olhe para o Greta Van Fleet. É uma banda que disse: ‘Faz muito tempo que o Led Zeppelin estava por perto, vamos ser o Led Zeppelin’. As pessoas estão prontas para um novo Led Zeppelin, então o rock de guitarra, mais uma vez, vai assumir a liderança.”

Joe Satriani
“Tenho ouvido essa jovem banda, Greta Van Fleet, e estou realmente gostando da exuberância que estou escutando.”


Felipe Toscano – chefe da produtora Abraxas, responsável pelo lançamento e shows de grandes nomes da cena independente mundial e nacional
“Acho bem fraco. Imita Led Zeppelin de uma forma tosca. As músicas são simples demais, falta originalidade, você não parece estar ouvindo uma banda nova, mas sim um Led Zeppelin cover, uma tentativa de Led.”

Ricardo Coser Seelig – Jornalista musical
“Gosto, acho um som bem legal. E acho massa que uma banda de rock ganhe a dimensão que eles estão ganhando. Gostei do primeiro disco, só achei que poderiam se descolar um pouco da influência do Led Zeppelin. Penso que esse descolamento virá com o tempo e com a experiência que já estão acumulando, tanto que nas músicas já divulgadas do novo disco percebe-se uma tentativa consciente de afastamento da banda de Jimmy Page. Resumindo: é uma boa banda e merecem os elogios que recebem.”

Flavio Flu Santos – De Falla
“Prefiro o original”.

Pepe Bueno – Tomada, Pepe Bueno & Os Estranhos, Denny Caldeira
“Fui ouvindo aos poucos o som dos moleques e logo pensei: “Caraca, igual ao Led”. Eu adoro Led. Peguei o disco todo para ouvir e curti. Os moleques sabem tocar e acho que com tempo ainda vão pegar mais personalidade ao som e ficarem mais autênticos.”

Junior Bocão – Mopho
“Não é novidade para ninguém que o rock corre nas veias de uma gurizada desde cedo nos EUA. Apesar de o gênero não ser o mais popular nas rádios ou streaming americanos, nunca deixou de produzir bandas interessantes e inovadoras. Para mim, o Greta Van Fleet é uma banda legal, mas não tem nada de novo. Tem uma turma mais antiga que há muito tempo não se atualiza sobre a cena do rock, brasileira e mundial. Aí quando ouve algo que desperte seu saudosismo, já corre para as redes sociais comentar, aclamar. Na real prefiro ouvir Alabama Shakes,  Amo Amo, Gary Clark Jr., até mesmo o rockinho pop dançante das irmãs Haim, ao menos mais alternativos. Independentemente das minhas preferências, uma coisa é certa: a molecada do Greta Van Fleet manda muito bem, mas não acredito que vão seguir esta sombra por muito tempo.”

Eduardo Cunha – Radialista da Ipanema FM e da Dinâmico FM
“Gosto muito. Para não gostar, só se não gostar de Led.”

Cristiano Wortmann – Hangar, Zerodoze
“Eu acho o som dessa gurizada fantástico. Os riffs de guitarra são matadores e as músicas também. Uma voz incrível! Um sopro de vida para o rock.”

Jonas Cáffaro – Matanza, Lâmmia
“Eu acredito muito que exista a salvação do rock. Mas eles são bastante influenciados pelas bandas clássicas que eu gosto. Só acho que eles precisam achar o som deles. O que eu ouvi é muito cópia de Led Zeppelin.”


Luciano Cunha –  Ilustrador, quadrinista e criador do personagem O Doutrinador, que em breve irá estrear nos cinemas
“Cara, eu gosto da banda, mas acredito que ela não tem personalidade nenhuma, sabe? É apenas uma cópia de riffs e passagens do Zeppelin. O Rival Sons, por exemplo, bebe do legado de Page e companhia com bastante frequência, mas consegue empregar personalidade própria ao seu som, não se tornando uma mera emulação do Zeppelin. Mas uma coisa realmente muito boa no GVF é que eles podem trazer uma nova legião de fãs adolescentes, soterrados pelo pop insosso atual, para a música verdadeiramente de qualidade de outrora. Isso não tem preço.”

Christian Santos – Comunidade Nin-Jitsu, Pedrada Afu, Ipanema FM
“Bah! Delicado, cara! Te confesso que ouvi algumas vezes e não consegui seguir em frente. Por um lado me deixa feliz por ser uma molecada fazendo rock sólido, mas acho que chega a ser comédia o quanto eles imitam o Led. Uma coisa é referência, outra é caricatura. Sei lá! O que veio na minha cabeça é aquela frase óbvia: prefiro ouvir o próprio Led. Mas eu penso que se eles desencanarem do Led, podem ser muito mais relevantes.”

Marcelo Gross – Cachorro Grande
“Eu acho uma grata surpresa! Numa época em que precisamos de novos ícones no rock, o fato deles se parecerem bastante com o Led na fase do primeiro disco vejo como uma coisa boa, pois é uma excelente referência. Acredito que com o tempo eles vão achar seu próprio caminho, misturando cada vez mais as influências. Gostei e ouvi bastante o primeiro disco, estou ansioso para ouvir o que vem pela frente. Essa gurizada promete!”

Jonnata Doll – Jonnata Doll e os Garotos Solventes
“Essa banda eu não gosto, não me pegou o coração. White Stripes, por exemplo, lembrava Zeppelin, mas era muito autêntico ao mesmo tempo. Não acho isso do Greta Van Fleet.”

Pedro Porto – Ultramen
“Quando ouço GVF tenho a sensação agradável de estar ouvindo um (bom) disco perdido do Led, que foi encontrado e remixado no século XXI. A eficiência da banda em reproduzir o clima dos discos do Led é incrível. Grandes compositores, excelentes performers. O único problema é que ter uma personalidade própria é essencial para uma banda garantir sua relevância no cenário musical.  Acredito que quando um artista assume a personalidade de outro, tende a ser esquecido com o tempo.”

Marcos Kleine – Ultraje a Rigor, Pad
“Então, mano! Minha opinião é meio na contra-mão, achei ok. Mas é muito igual ao Led, prefiro ouvir Led, que amo (risos). Não comprei a lógica deles, achei muito parecido. Muita gente me mostrou mas eu falei: Porra! É igual (risos).”

Jacques Maciel – Rosa Tattooada
“Uma bela surpresa! Garotos jovens com grandes influências e tocando muito. A prova de que o rock está vivo e sempre estará! Sou fã.”

Thedy Correa – Nenhum de Nós
“Gosto pra caramba! Moleques com uma referência de respeito e com capacidade para deixar essa influência vir a tona sem pagar mico. ”

A Contra Grife deseja toda sorte do mundo para essa garotada. Acreditamos que, indiferentemente de comparações, sempre é bom ouvir uma boa banda de rock causando furor na mídia. O rock precisa disso. Cada vez mais. E é fato que eles terão uma difícil tarefa pela frente: se manterem no estardalhaço, com o peso da assustadora similaridade nas costas.



2 comentários:

Alberto Rezende disse...

O LZ plagiou Deus e o mundo.Ora,o GVF segue o que os ídolos deles fizeram. O LZ sempre foi o queridinho da mídia, mas roubou muita coisa dos outros. Em tempo: o processo do Spirit - roubo absurdo da introdução de Stairway to Heaven - foi reaberto.
Tomara que vençam. LZ e Nirvana são duas bandas superestimadas.Mas quem sabe como funciona a crítica musical, sabe do que eu estou falando.

Fábio RT disse...

Plagiou mesmo...mas se eu não estiver errado a sonoridade do Led era bem diferente do que era feito...junto com o jeff beck group. A questão é que o som do GVF...no sentido de sonoridade ...é muito parecido..chegando a incomodar um pouco. E queridinho agora né...pq na época Rolling Stone e outras malhavam demais a banda

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE