29 de mar de 2018

Edição especial de livro celebra os 50 anos do Led Zeppelin

quinta-feira, março 29, 2018

A Rufus Stone Publications está lançando uma edição especial do livro Five Glorious Night em comemoração aos 50 anos do Led Zeppelin.

O livro traz fotos da lendária passagem do quarteto pelo Earls Court, em Londres, no ano de 1975. Esses shows, que tem alguns de seus trechos no Led Zeppelin DVD lançado em 2003, são considerados uma das melhores performances de toda a carreira da banda inglesa.

A obra chegou às livrarias originalmente em 2015 trazendo imagens captadas por fotógrafos como Barry Plummer, Dick Barnatt, Ian Dickson, Michael Putland, Mick Gold e Gus Stewart, em uma compilação que eterniza um dos momentos mais brilhantes de uma das maiores bandas de todos os tempos.

Essa nova edição especial é limitada a apenas 50 cópias e celebra as bodas de ouro do Led Zeppelin. O livro tem o formato 30 x 30 cm, capa dura, 288 páginas e vem com uma capa lenticular. Cada edição está assinada à mão pelo autor Dave Lewis e pelos fotógrafos Barry Plummer e Dick Barnatt, e cada cópia é numerada. A embalagem que acondiciona a obra foi produzida em metal dourado e, além do livro, vem também com uma camiseta e quatro fotos impressas em tamanho grande.

Para conferir o conteúdo do livro, assista ao vídeo abaixo:

Álbum do Scream com Dave Grohl é relançado

quinta-feira, março 29, 2018

O selo Southern Lord está relançando o álbum NMC17 (No More Censorship), da clássica banda punk de Washington, Scream. O material chegará às lojas dia 27 de abril em CD e LP. A nova edição tem uma mixagem renovada, novo encarte e nova capa, além de incluir fotos e textos inéditos. O disco foi lançado originalmente em 1988

O item tem um valor histórico especial para os fãs de Nirvana e Foo Fighters, pois traz Dave Grohl na bateria. Grohl integrou o Scream entre 1987 e 1990, quando deixou o grupo para entrar no Nirvana. 

Antes de No More Censorship, Grohl havia gravado apenas o split Getting Shit or Growing Up (1985) com o Mission Impossible (lançado junto com a banda Lünchmeat) e o primeiro álbum do Dain Bramage, I Scream Not Coming Down (1986).



A ilustração do adolescente Slash que foi parar em um disco do Aerosmith

quinta-feira, março 29, 2018

Uma curiosidade que pouca gente sabe sobre o álbum Music From Another Dimension!, lançado pelo Aerosmith em novembro de 2012, é que o encarte do trabalho traz uma ilustração criada por Slash, guitarrista do Guns N’ Roses.

Slash desenhou a arte que aparece em uma das páginas do encarte em 1978, quando tinha apenas 13 anos de idade e era um grande fã do Aerosmith. Depois de famoso o guitarrista se aproximou de Steven Tyler, Joe Perry e companhia, dividiu o palco diversas vezes com a banda e acabou tendo uma relação de amizade com os músicos. Tudo isso levou o Aerosmith a colocar o desenho que Slash havia criado quando era um adolescente como uma das parte do encarte de Music From Another Dimension!.

Uma bela história que mostra que os sonhos daquele garoto que toca air guitar no seu quarto podem, porque não, se transformar em realidade no futuro.



Ratt teria demitido Warren DeMartini e ido atrás de Jake E. Lee para o seu lugar

quinta-feira, março 29, 2018

O Ratt passa por uma disputa interna já há alguns anos. Os últimos movimentos dessa briga sem fim entre os integrantes fez surgir a notícia, ainda não confirmada, de que o guitarrista Warren DeMartini teria sido demitido do grupo.

A suposta saída de DeMartini teria feito com que o vocalista Stephen Pearcy e o baixista John Croucier fossem atrás de um antigo integrante da banda. E esse cara é ninguém mais ninguém menos que Jake E. Lee, ex-guitarrista da banda de Ozzy, Badlands e Rough Cutt, entre outros. Lee integrou o Ratt quando a banda ainda se chamava Mickey Ratt, alcunha que o grupo usou entre 1976 e 1981.

Toda essa informação veio do baterista Bobby Blotzer, que é justamente quem disputa com os outros músicos o direito de utilizar o nome Ratt e atualmente roda os Estados Unidos com a sua versão da banda, o Bobby Blotzer’s Ratt Experience. Ainda segundo Blotzer, o outro guitarrista da atual formação do Ratt, o ex-Quiet Riot Carlos Cavazo, teria ficado chateado com a demissão de Warren DeMartini e também deixaria o Ratt.

Ou seja, essa história tem mais intriga que um reality show …

28 de mar de 2018

Ritchie Blackmore confirma que convidou Glenn Hughes para integrar o novo Rainbow

quarta-feira, março 28, 2018

Em conversa com a Billboard, Ritchie Blackmore confirmou que convidou Glenn Hughes para fazer parte da nova encarnação do Rainbow.

Segundo Blackmore: “Através de um amigo em comum, surgiu a ideia de que seria legal ter ele na banda. Respondi que toparia se ele fosse apenas o baixista e tivéssemos um outro cara no vocal. Avançamos alguns dias até os primeiros ensaios e entramos em contato com Glenn, mas ele não estava ciente que faria apenas o baixo e não cantaria. Eu entendi a situação dele e disse que iríamos atrás de outra pessoa, e ele disse que estava tudo bem. No fim, acabamos amigavelmente antes mesmo de começar".


O trabalho revolucionário de Tom King

quarta-feira, março 28, 2018

Nos últimos anos, o escritor Tom King escreveu algumas das histórias em quadrinhos mais influentes da década. Seu estilo de escrita é uma mistura de capaz de agradar a gregos e troianos e fez com que ele trabalhasse em praticamente todas as grandes editoras.

Com graduações em história e filosofia na Universidade Columbia e uma carreira como agente da CIA, o autor se aposentou para escrever um romance realista de super-heróis, A Once Crowded Sky (Um Céu que Costumava Estar Cheio, ainda sem tradução no Brasil) e foi rapidamente contratado pela Marvel e DC, mas esta não foi sua primeira incursão no mundo dos quadrinhos.

Nos anos 90, King havia sido estagiário da Vertigo, em que pode trabalhar com Garth Ennis, responsável por Preacher, um dos quadrinhos preferidos dos brasileiros. Na Marvel, atuou como assistente do lendário Chris Claremont — um dos maiores autores de X-Men da história.

Esta junção de influências e backgrounds distintos, que incluem trabalho prático e teórico em diversos campos, fez com que as histórias de King alcançassem níveis de realismo e profundidade raramente encontrados.


A série atual da DC vê Dick Grayson, o primeiro Robin e ex-Asa-Noturna/Batman, trabalhando como agente secreto da agência Espiral ao mesmo tempo em que atua como informante do Batman.

Séries de espiões normalmente envolvem blefes e diversos tipos de táticas comuns ao poker e uma parte importante da trama de um dos filmes da última geração do James Bond com Daniel Craig já foi dedicado a uma partida. Aqui não é diferente e diversas vezes Grayson precisa agir como um competidor de poker cuidadosamente pesando as suas escolhas e decisões. Isso é uma metáfora perfeita, pois o poker, que é fácil de aprender, mas difícil de dominar, envolve calcular as chances para cada mão, algo que ele tem que fazer em todas as suas missões secretas a serviço da Espiral para não alertá-la das suas verdadeiras motivações como agente duplo do Batman.

Devido ao grande nível de perigo envolvido, o próprio ingresso do agente na companhia foi uma aposta friamente calculada do Cavaleiro das Trevas, que impressionaria até mesmo grandes campeões do esporte das cartas como Dominik Nitsche, para descobrir quem estava por trás da organização.

Apesar de toda a seriedade e ao contrário do Batman, Grayson tem um senso de humor e isto transparece durante a história. Há uma grande quantidade de humor sarcástico envolvida durante as conversas do protagonista, especialmente fora das missões, que faz até mesmo com que a série lembre um pouco o primeiro filme dos Kingsman.

Mesmo com as doses humorísticas, as missões do personagem e todo o seu trabalho são sérios e tocam em temas delicados e com grandes consequências para todos os personagens envolvidos. 

Todos eles são tridimensionais e Helena Bertinelli, a companheira de equipe de Grayson, é uma ótima introdução ao universo DC como mulher forte e autoconfiante capaz de resolver todo e qualquer tipo de problema.

Finalmente, a experiência de King como agente da CIA transparece em diversas páginas e mesmo com vilões tradicionais de super-heróis toda a trama tem um tom de realismo próximo ao do filme Capitão América: Soldado Invernal.

Grayson já foi publicado no Brasil pela Panini e é possível adquirir praticamente todas as histórias de King para o personagem.


Com uma trama que lembra uma versão mais adulta da luta de Star Wars, em The Omega Men, vemos rebeldes intergalácticos se unirem a Kyle Rayner, um membro dos Lanternas Verdes, para derrubar um Império. Os personagens são uma espécie de versão mais séria e realista dos Guardiões da Galáxia. Todos possuem histórias complexas e bem desenvolvidas, com nuances e vários tons de personalidades que se complementam e falam de diferentes motivações para lutar.

Toda a trama faz com que o leitor questione constantemente as motivações e táticas de todos os lados do conflito e as frases do psicólogo e autor americano William James, um dos principais fundadores do pragmatismo, ao final de cada capítulo complementam as ideias expostas na história em quadrinhos e dão uma profundidade filosófica ainda maior à obra.

Sem revelar spoilers, o final e os epílogos são uma culminação épica de tudo que foi desenvolvido até lá e deixam uma sensação muito real e ambígua de triunfo e derrota em uma das melhores histórias em quadrinhos da década.

The Omega Men infelizmente ainda não foi traduzido no Brasil, mas é possível adquirir a versão completa de 12 edições da série em inglês.



King assumiu o manto do Cavaleiro das Trevas após a excelente série de Scott Snyder, um trabalho difícil para qualquer um, mas que o autor tem realizado de maneira excepcional. Nos primeiros volumes o tom do personagem ficou mais sério e sombrio como não se via há tempos, e as histórias ganharam batalhas cada vez mais heroicas e com alto nível.

A galeria impressionante de vilões do Batman fez uma aparição incrível e o fato de King ter utilizado Bane, um dos únicos a causar danos reais ao Homem-Morcego em toda a história, como um dos principais vilões, foi uma jogada excelente.

Apesar de tudo isto, o maior destaque realmente fica para as edições recentes do “Superencontro”, em que Bruce Wayne e Selina Kyle, que atualmente estão noivos, se encontram numa espécie de “encontro de casais” com Clark Kent e Lois Lane. 

O contraste de luz e escuridão e a grande questão sobre o que realmente é justiça entre Batman e Superman sempre foi um dos grandes ícones da DC. Normalmente os heróis são vistos em confronto direto, mas aqui o escritor conseguiu uma maneira íntima de explorar a relação entre eles que joga todo um novo olhar sobre ela. 

King entende as visões de mundo que tornam os dois antagonistas em parceiros e consegue expressá-las em poucos quadros de uma forma nunca antes vista em qualquer outro quadrinho e que simplesmente não pode ser descrita de outra maneira que não genial.

É possível adquirir grande parte destas edições do Batman já traduzidas no Brasil.


Com o intuito de se tornar o mais normal possível, o famoso membro dos vingadores Visão retornou ao laboratório do Ultron, em que havia sido criado originalmente, para construir uma família completa que pudesse tornar sua vida mais humana.

Além das relações familiares, o grande destaque fica para o relacionamento complexo e bem desenvolvido entre o Visão, sua esposa atual e sua ex-esposa Wanda Maximoff, conhecida como Feiticeira Escarlate. A própria mente da atual, uma androide similar ao Visão, foi criada por ele a partir da personalidade da Feiticeira e a primeira sabe disto. As tensões emocionais resultantes, especialmente relacionadas a lidar com as sombras de um passado que insiste em escurecer o presente, dão a tudo um ar dramático digno das maiores tragédias gregas.

Novamente, sem revelar qualquer tipo de spoiler, é possível afirmar tranquilamente que o final desta história vencedora do Prêmio Eisner, que provavelmente será considerada uma das melhores já escritas, é uma espécie de soco no estômago que deixaria emocionado e praticamente à beira de lágrimas até mesmo um androide sem sentimentos.

As primeiras seis partes da premiada série já estão disponíveis para leitura em português e as últimas seis devem ser lançadas em breve. Apesar disto, existe uma versão capa dura da edição americana que realmente vale a pena para os colecionadores mais sérios.


Em mais uma série com enredo e trama devastadores, aqui King utiliza ao máximo sua experiência como ex-agente da CIA para retratar a história de um agente americano e um policial iraquiano procurando por respostas em Bagdá, capital do Iraque, em pleno 2003.

As cenas e os diálogos não apenas parecem como soam reais, e é possível perceber que elas são o fruto de alguém que realmente vivenciou na pele este tipo de experiência única.

Os personagens são carismáticos e suas motivações são críveis, tornando os acontecimentos, especialmente os mais dramáticos, ainda mais realistas e impactantes.

Um dos dramas criminais mais bem realizados nos últimos anos, e um dos mais bem desenvolvidos e realistas em toda a mídia dos quadrinhos, a trama é tensa e bem amarrada.

Xerife da Babilônia também já foi completamente traduzida e está disponível no Brasil em duas edições.


O que o futuro reserva? 

Desde 2016, King assinou um contrato de exclusividade com a DC e passou a trabalhar exclusivamente nos títulos da editora, dando continuidade ao seu trabalho com o já mencionado Batman e criando novas histórias incríveis como a edição especial de inverno gigante do Monstro do Pântano e a atual série do Senhor Milagre, as duas últimas ainda sem tradução no Brasil.

Com suas histórias que já são consideradas clássicos modernos devido a suas formas maduras e complexas para um público mais crescido, o autor tem um futuro muito promissor no mundo dos quadrinhos.

Jethro Tull lança compilação tripla celebrando 50 anos de carreira

quarta-feira, março 28, 2018

50 for 50, compilação tripla que celebra o cinquentenário do Jethro Tull, chegará às lojas dia 25 de maio. O material traz cinquenta canções que passam a limpo toda a carreira da banda inglesa, um dos maiores nomes do rock progressivo.

Um CD simples intitulado 50th Anniversary Collection também será disponibilizado, trazendo um tracklist de apenas quinze faixas. Essa mesma versão reduzida da compilação também terá uma edição em vinil, porém com apenas dez músicas.

Essas são as músicas que estão em 50 for 50:

Jethro Tull / 50 for 50 3CD set
CD 1
1-Nothing Is Easy (4.22)
From the album ‘Stand Up’ August 1969
2- Love Story (3.01)
Single ‘A’ side November 1968
3-Beggar’s Farm
From the album ‘This Was’ October 1968
4-Living In The Past (3.20)
Single ‘A’ side May 1969
5-A Song For Jeffrey (3.18)
Single ‘A’ side September 1968 and from the album ‘This Was’ October 1968
6-A New Day Yesterday (4.07)
From the album ‘Stand Up’ August 1969
7-The Witch’s Promise (3.51)
Single ‘A’ side January 1970
8-Mother Goose (3.53)
From the album ‘Aqualung’ March 1971
9-With You There To Help Me 6.20)
From the album ‘Benefit’ May 1970
10- Teacher (3.56)
From the US LP ‘Benefit’ April 1970
11-Life Is A Long Song (3.18)
From the EP ‘Life Is A Long Song’ September 1971
12-Sweet Dream (4.05)
Single ‘A’ side October 1969
13-Aqualung (6.38)
From the album ‘Aqualung’ March 1971
14-Minstrel In The Gallery (single edit) (3.52)
Single ‘A’ side August 1975  from the album ‘Minstrel In The Gallery ‘ September 1975
15-Critique Oblique (2014 Steven Wilson remix) (4.35)
From the album ‘Passion Play’ July 1973
16-Weathercock (4.16)
From the album ‘Heavy Horses’ April 1978
17-Cross-Eyed Mary (4.12)
From the album ‘Aqualung’ March 1971

CD 2
1- Bourée (3.44)
From the album ‘Stand Up’ August 1969
2-Dun Ringill (2.38)
From the album ‘Stormwatch’ September 1979
3-Heavy Horses (8.53)
From the album ‘Heavy Horses’ April 1978
4-Hunting Girl (5.11)
From the album ‘Songs From The Wood’ February 1977
5-Bungle In The Jungle (3.33)
From the album ‘War Child’ October 1974
6-Salamander  (2.49)
From the album ‘Too Old To Rock ‘n’ Roll: Too Young To Die!’  April 1976
7-Pussy Willow (3.52)
From the album ‘Broadsword And The Beast’ April 1982
8-Too Old To Rock ‘n’ Roll: Too Young To Die!’   (5.38)
From the album ‘Too Old To Rock ‘n’ Roll: Too Young To Die!’  April 1976
9-Songs From The Wood (4.52)
From the album ‘Songs From The Wood’ February 1977
10-The Whistler (3.30)
From the album ‘Songs From The Wood’ February 1977
11-Really Don’t Mind/See There A Son Is Born (5.00)
From the album ‘Thick As A Brick’ March 1972
12-Moths (3.19)
From the album ‘Heavy Horses’ April 1978
13-One White Duck* / 0¹º = Nothing At All** (4.37)
From the album Minstrel In The Gallery September 1975
14-Cup Of Wonder (4.30)
From the album ‘Songs From The Wood’ February 1977
15-Ring Out Solstice Bells (4.04)
From ‘The Jethro Tull Christmas Album’ September 2003
16-Skating Away On The Thin Ice Of The New Day  (4.08)
From the album ‘War Child’ October 1974
17-A Christmas Song (2.47)
From ‘The Jethro Tull Christmas Album’ September 2003

CD 3
1-One Brown Mouse (3.19)
From the album ‘Heavy Horses’ April 1978
2 -Rare And Precious Chain (3.35)
From the album ‘Roots To Branches’ September 1995
3-Kissing Willie (3.33)
From the album ‘Rock Island’ August 1989
4-Rocks On The Road (5.33)
From the album ‘Catfish Rising’ September 1991
5-Fylingdale Flyer (4.27)
From the album ‘A’  August 1980
6-Paparazzi  (3.47)
From the album ‘Under Wraps’ September 1984
7-North Sea Oil (3.09)
From the album ‘Stormwatch’ September 1979
8-Steel Monkey (3.37)
From the album ‘Crest Of A Knave’ September 1987
9-Black Sunday (6.33)
From the album ‘A’  August 1980
10-European Legacy  (3.22)
From the album ‘Under Wraps’ September 1984
11-Budapest (10.02)
From the album ‘Crest Of A Knave’ September 1987
12-Broadsword (5.02)
From the album ‘Broadsword And The Beast’ April 1982
13- Dot Com  (4.26)
From the album ‘J-Tull Dot Com’ August 1999
14-Farm On The Freeway (6.28)
From the album ‘Crest Of A Knave’ September 1987
15-This Is Not Love (3.59)
From the album ‘Catfish Rising’ September 1991
16-Locomotive Breath (4.26)
From the album ‘Aqualung’ March 1971

Jethro Tull / 50th Anniversary Collection single CD
1-Love Story (3.06)
2-Living In The Past (3.25)
3-Life Is A Long Song (3.21)
4-Sweet Dream (4.05)
5-The Witch’s Promise (3.50)
6-Aqualung (6.37)
7-Dun Ringhill (2.42)
8-Cross-Eyed Mary (4.09)
9-Bouree (3.47)
10-Bungle In The Jungle (3.37)
11-Steel Monkey (3.37)
12-Too Old To Rock ‘n Roll (5.45)
13-Ring Out Solstice Bells  (4.05)
14-Farm On The Freeway (6.31)
15-Locomotive Breath (4.26)

Jethro Tull / 50th Anniversary Collection vinyl LP
Side 1
1-The Witch’s Promise (3.50)
2-Sweet Dream (4.05)
3-Life Is A Long Song (3.21)
4-Living In The Past (3.25)
5-Cross-Eyed Mary (4.09)
Side 2
1-Aqualung (6.37)
2-Bouree (3.47)
3-Bungle In The Jungle (3.37)
4-The Whistler (3.31)
5-Locomotive Breath (4.26)

27 de mar de 2018

Iron Maiden lança máquina de pinball de última geração

terça-feira, março 27, 2018

O Iron Maiden está lançando uma máquina de pinball em parceria com a Stern Pinball. A máquina é baseada no game Legacy of the Beast e leva o jogador em uma jornada pela carreira da clássica banda inglesa.

A máquina conta com uma arte desenhada à mão pelo artista Jeremy Packer, fã do Maiden, e vem com as seguintes músicas: “Aces High”, “2 Minutes to Midnight”, “The Trooper”, “Wasted Years”, “Can I Play With Madness”, “The Number of the Beast”, “Run to the Hills”, “Powerslave”, “Hallowed Be Thy Name”, “Flight of Icarus”, “Rime of the Ancient Mariner” e “Fear of the Dark”.

Em todos os modelos os jogadores jogarão com Eddie e terão ao seu dispor quatro flippers, dois spinners, rampas de metal, um mecanismo de bola cativa e outros dispositivos. Há ainda os modelos Premium e Limited Edition, que vêm com um bloqueio de bola em forma de sarcófago interativo, uma entrada de túmulo secreta motorizada, uma rampa de metal em forma de faraó que levita para revelar a escavação do submundo, uma bola Newton com sensor duplo e duas esculturas personalizadas de Eddie. A versão Limited Edition, com apenas 500 unidades, conta ainda com um espelho traseiro e sistema de som atualizado com alto-falantes JBL de alta qualidade. Fechando o pacote, o software que acompanha a máquina permite recursos gráficos de alta qualidade e animações inovadoras em uma tela de vídeo de alta definição.








Nervosa anuncia terceiro disco

terça-feira, março 27, 2018

O trio Nervosa lançará dia 1 de junho o seu terceiro álbum. O disco se chama Downfall of Mankind e sairá pela Napalm Records. O trabalho foi gravado no Family Mob Studio, em São Paulo, e teve a sua produção assinada por Martin Furia.

O álbum é o sucessor de Agony (2016) e vem com as participações especiais de João Gordo, Rodrigo Oliveira (baterista do Korzus) e Michael Gilbert (guitarrista do Flotsam and Jetsam).


Guardiões do Louvre, novo lançamento do Pipoca & Nanquim

terça-feira, março 27, 2018

A editora Pipoca & Nanquim anunciou o lançamento de seu primeiro mangá. Trata-se de Guardiões do Louvre, de Jiro Taniguchi. A obra apresenta uma jornada pelos corredores do lendário museu parisiense onde o personagem principal entra em uma viagem pelo mundo dos sonhos e conhece os nomes que mais influenciaram as artes japonesas.

A edição da PN baseia-se totalmente na forma como o título foi lançado no mercado francês e traz capa dura, papel couché, miolo colorido e sentido oriental de leitura.

Você pode comprar com desconto aqui (e usando o cupom GUAR10 durante a pré-venda ganha mais R$ 10 de desconto)















Estátua de David Bowie é inaugurada em Londres, mas menos de 48h depois já é vandalizada

terça-feira, março 27, 2018

A primeira estátua em homenagem a David Bowie foi inaugurada no último domingo, 25 de março, na cidade de Aylesbury, na região metropolitana de Londres. A obra apresenta as diversas fases de Bowie, um artista sempre inquieto e que ficou conhecido como o “camaleão do rock”.

A obra foi criada pelo escultor Andrew Sinclair, que utilizou o molde do rosto de David criado para o filme O Homem Que Caiu na Terra, de 1976, para tornar a estátua mais realista. Caixas de som estão instaladas ao lado da estátua, e a cada hora tocam uma música de Bowie.


No entanto, menos de 48 horas após a sua revelação ao público, a obra foi vandalizada. O chão em frente à instalação amanheceu nesta terça pichado com a frase “Feed the homeless first” (alimentem os sem-teto primeiro), uma alusão ao fato de a obra só ter sido construída graças a uma campanha de financiamento coletivo que mobilizou os fãs. Quem pichou deve ter feito isso querendo que uma mobilização semelhante fosse criada para alimentar os sem-teto que habitam a região.

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE