6 de fev de 2019

Discoteca Básica Bizz #142: Banda Black Rio - Maria Fumaça (1977)


Tio Sam ainda confundia samba com rumba naquela época, mas a tal mistura de chiclete com banana cantada por Jackson do Pandeiro - e posteriormente por Gilberto Gil - ganhou a sua melhor expressão na Banda Black Rio. Samba, funk, jazz, gafieira: uma arrebatadora simbiose sonora como poucas vezes se ouviu no Brasil.

Exatos vinte anos depois, Maria Fumaça, álbum de estreia do grupo, continua insuperável. Tanto que agora, nos anos 1990, DJs e músicos londrinos da cena acid jazz descobriram seu som. A Banda Black Rio é uma das fontes onde beberam grupos como Incognito, Brand New Heavies e James Taylor Quartet, que vagam nas ruas de Portobello Road, em Londres, à procura de álbuns da trupe carioca. Pena que a Black Rio tenha encerrado suas atividades em 1984, quando seu fundador e mentor, o saxofonista Oberdan Magalhães, morreu num acidente de automóvel.

No Brasil, apesar de cultuada por alguns poucos, a banda penou para sobreviver. E sofreu ataques pesados de críticos xenófobos que não percebiam a singular e original receita criada por aqueles cobras. Para rebater tais cobranças nacionalistas, Oberdan Magalhães costumava lembrar Pixinguinha e seus Oito Batutas que, já nos anos 1920, também beberam do jazz sem demérito algum.

Formado na tradição dos grupos de bailes dos subúrbios cariocas, Oberdan liderou nos anos 1960 o Impacto 8. Depois passou pelo grupo Abolição, do pianista Dom Salvador (músico que a partir do início dos anos 1970 se radicou nos EUA), no qual também tocavam o baterista Luis Carlos, o trombonista Lúcio e o trompetista Barrosinho. Com eles, o saxofonista partiria para a Banda Black Rio, completada pelo guitarrista Cláudio Stevenson (o único branco da turma, que também morreu precocemente, em 1985), Jamil Joanes (baixo) e Cristovão Bastos (teclados).


A primeira, e melhor, formação da Banda Black Rio gravou, entre o final de 1976 e o começo de 1977, este Maria Fumaça. Liminha, que depois se firmaria como o principal produtor do pop brasileiro, tinha acabado de entrar para a então nascente Warner brasileira e cuidou da produção. No disco, ele está creditado como diretor de estúdio. A faixa-título e de abertura, assinada por Oberdan e Luiz Carlos, dá uma boa noção do que o álbum traz: naipes de metais suingados trocando figurinhas com a guitarra soul carioca de Stevenson e a cuíca de um dos quatro percussionistas da sessão rítmica; o baixo funk manemolente de Jamil; a bateria nota dez de Luiz Carlos e os teclados jazzísticos de Cristovão (que na época já tocava com Paulinho da Viola e hoje também trabalha com Chico Buarque e Edu Lobo). 

Eles alternaram temas originais, como "Mr. Funky Samba", "Caminho da Roça" (Oberdan e Barrosinho), "Metalúrgica" (Stevenson e Bastos), "Leblon Via Vaz Lobo" (Oberdan) e a balada "Júnia" (Jamil), com clássicos da MPB. "Na Baixa do Sapateiro" (Ary Barroso), por exemplo, é a síntese do samba-jazz-funk que marcaria a receita da banda, enquanto "Casa Forte" (Edu Lobo), com sua alternância de ritmos, concretiza muito do que os adeptos de fusion algum dia sonharam fazer.

Depois de Maria Fumaça, a primeira formação da Banda Black Rio começaria a se desfazer. Até seu fim, em 1984, mais de quinze músicos passaram pelo grupo, que lançou ainda Gafieira Universal (1978) e Saci Pererê (1980), ambos com ótimos momentos, mas sem a magia e a perfeição do seu clássico disco de estreia.

Texto escrito por Antônio Carlos Miguel e publicado na Bizz #142, de maio de 1997

Nenhum comentário:

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE