[Carrossel][carousel][6]

22 de mai de 2017

Telefilme sobre os últimos dias de Michael Jackson ganha trailer

segunda-feira, maio 22, 2017

Produzido pelo canal de TV norte-americano Lifetime, Michael Jackson: Searching for Neverland conta a história do Rei do Pop com ênfase nos seus últimos meses de vida. 

O roteiro é baseado no livro Remember the Time: Protecting Michael Jackson in His Final Days, escrito por Bill Whitfield e Javon Beard, guarda-costas do músico na época.

No papel de Michael Jackson está o sósia oficial do cantor, Navi.

Assista ao trailer abaixo:

Nazareth assina com a Frontiers Music e lançará novo disco em 2018

segunda-feira, maio 22, 2017

A gravadora Frontiers, especializada em hard rock e hair metal, anunciou a assinatura de contrato com o Nazareth para o lançamento de um novo álbum com faixas inéditas em 2018. O último disco do quarteto, Rock ’n’ Roll Telephone, saiu em 2014.

A atual formação do Nazareth conta com Carl Sentance (vocal), Jimmy Murrison (guitarra), Pege Agnew (baixo) e Lee Agnew (bateria).

Brian May fala sobre os últimos dias de Freddie Mercury

segunda-feira, maio 22, 2017

Em entrevista ao jornal inglês Sunday Times, Brian May relembrou detalhes das últimas vezes em que encontrou Freddie Mercury. 

Segundo o guitarrista, o vocalista precisou amputar boa parte de ambos os pés devido à doença. May também lamentou o fato de a morte de Mercury ter ocorrido poucos meses antes de grandes avanços na pesquisa de tratamentos contra a AIDS terem sido anunciados. Freddie Mercury faleceu em 24 de novembro de 1991.

Nas palavras de Brian May: "O problema, mesmo, eram os pés dele. Tragicamente, sobrou bem pouco deles. Uma vez, ele nos mostrou em um jantar e disse: 'Oh, Brian, desculpe por ter te incomodado ao mostrar isso'. E eu disse: 'Não estou chateado, Freddie, exceto pelo fato de que você tem que conviver com essa terrível dor'. Ele perdeu por apenas alguns meses. Se fosse um pouco depois, ele ainda poderia estar conosco, tenho certeza”.

Ghost quer transformar seus shows em uma versão de horror do Rammstein

segunda-feira, maio 22, 2017

Em entrevista dada ao site alemão Krone, Papa Emeritus declarou que a banda se inspira nas apresentações do Rammstein para criar os shows das futuras turnês do grupo.

Nas palavras do Papa: “Na minha opinião, os shows que fazemos atualmente mostram apenas uns 30% do que estamos pensando em termos de teatralidade. O conceito será sempre o de um show de rock, mas nós sempre tivemos a ambição de criar um espetáculo diferenciado. O que eu gostaria é criar uma experiência global sem precedentes, como se o Ghost fosse uma versão de horror do Rammstein. Ainda não posso dar mais detalhes, mas estamos trabalhando para integrar o Ghost em um conceito de musical completo. Você precisa de uma empresa de produção que opera globalmente para conseguir fazer isso. Este processo deve ir até 2019, e é preciso escrever canções e histórias que se integrem nesse conceito. Estamos à procura de parceiros para podemos implementar o que queremos. Temos uma ideia bastante sólida de onde pretendemos estar daqui há cinco anos”.

Novo álbum do Arch Enemy tem título e data de lançamento divulgados

segunda-feira, maio 22, 2017

O Arch Enemy lançará dia 8 de setembro o seu décimo disco. Will to Power chegará às lojas através da Century Media Records e marcará a estreia em estúdio da formação atual do quinteto, com a presença do guitarrista Jeff Loomis, ex-Nevermore. O trabalho será o segundo com a vocalista Alissa White-Gluz, que substituiu Angela Gossow e estreou em War Eternal (2014).

Capa, produtor e nome das faixas ainda não foram informados, mas a banda divulgou as primeiras datas da turnê de divulgação, presentes no cartaz abaixo.


Review: Me and That Man - Songs of Love and Death (2017)

segunda-feira, maio 22, 2017

O Me and That Man é um duo formado por Adam Darski e John Porter. Adam é um dos principais ícones do metal extremo moderno e lidera o Behemoth sob a alcunha de Nergal. Porter é uma das principais referências do southern folk. Em comum entre os dois há a Polônia: Nergal é natural do país europeu e John Porter, apesar de nascido na Inglaterra, mora na Polônia desde 1976.

O que saiu dessa mistura? Um disco bonito pra caramba e que traz treze canções que caminham pelos meandros mais soturnos da rica herança musical norte-americana. Assim, temos nas canções de Songs of Love and Death, álbum lançado no final de março e cujo título faz referência ao terceiro LP do canadense Leonard Cohen (Songs of Love and Hate, de 1971), uma cativante coleção de faixas repletas de sentimento, muitas com predominância de instrumentos acústicos, e que caminham por elementos de gêneros como blues, country, folk e outros estilos da cultura musical norte-americana.


Liricamente, Adam e John exploram temas macabros e sombrios como o inferno, a morte, doses cavalares de sangue, o discurso anti-cristão e o demônio em pessoa. E essas letras, ao ganharem o acompanhamento de acordes que variam entre melodias contemplativas e momentos de êxtase coletivo e quase religioso, não só aproximam as suas mensagens do ouvinte como tornam as palavras cantadas muito mais verdadeiras e reais do que, por exemplo, quando elas vêm na companhia da violência e da instrumentação quase barroca do Behemoth.

Songs of Love and Death traz influências de nomes como o já citado Leonard Cohen, Johnny Cash, Nick Cave e Mark Lanegan, com arranjos que primam pelo minimalismo e com uma mixagem crua, que é capaz de transportar o ouvinte para uma encruzilhada perdida no meio do Texas, onde a escolha do caminho errado poderá afetar definitivamente toda a sua vida.

Pessoalmente, achei um trabalho belíssimo. As melodias, a enorme dose de feeling, os acordes e os arranjos me conquistaram quase de imediato. Nergal e Porter alternam-se nos vocais, ou cantam juntos em algumas passagens, construindo uma terceira criatura como fruto de sua parceria. Um dos melhores discos deste ano, e que mostra o quão livre musicalmente é a mente de um dos grandes nomes do black metal atual. 


FOLLOW @ INSTAGRAM

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE