Discoteca Básica Bizz #163: Them - Them Again (1966)


O texto da contracapa na edição original alertava: "Van Morrison, o cantor do Them, às vezes deixa as pessoas desesperadas, querendo arrancar os cabelos. É rabugento, imprevisível, perverso ou simplesmente teimoso - mas sempre criativo. Nas sessões de gravação, quando lhe pedem para mudar a divisão ou acelerar o tempo de uma música, ele diz com calma rebeldia: 'Não! Eu sempre canto desse jeito, o jeito que eu sinto'. E ele está invariavelmente certo". Mal tinha feito 20 anos, o moleque já era impossível.

Algumas enciclopédias pop consideram que o melhor disco do Them é o primeiro, Angry Young Them (ou Them), que tem a clássica "Gloria". Mas é neste segundo LP, Them Again, que o quinteto formado em 1963, em Belfast, Irlanda do Norte, assume sua verdadeira vocação de banda de boteco. Aqui ele mostra que não deve nada ao que Stones e Animals faziam na época.


Beck chupa três faixas deste disco em seu festejado álbum Odelay, de 1996. O hit "Devil's Haircut" usa a célula rítmica do Them interpretando "Out of Sight" (de James Brown) e se apóia inteiramente no riff de guitarra com efeito fuzz de "I Can Only Give You Everything". Composta pelo produtor Tommy Scott com Phil Coulter, "I Can Only Give You Everything" decola exatamente a partir de "Satisfaction" (tem até "I try and I try") em direção ao maravilhoso mundo do rock de garagem. "Jack-Ass", de Beck, repete a frase do órgão da versão do Them para "It's All Over Now, Baby Blue", clássico de Bob Dylan que Van canta como ninguém.

Envolto em confusões com empresários, o Them tinha uma formação instável e gravava com o reforço de músicos de estúdio, não creditados. Jimmy Page é suspeito de abrilhantar o blues "Bring' Em on In" e o balanço soul "Something You Got".

A marca de Van Morrison está logo na primeira faixa, "Could You Would You". Nos breques, Van entra matador, puxando os mais expressivos "hmmms" já ouvidos no pop e injetando sexo numa letra ultra romântica. Em "My Lonely Sad Eyes", ele paira sobre violão e órgão Hammond B3. Faz misérias com o ritmo, acelerando, freando e dividindo inesperadamente uma letra (dele mesmo) que é lirismo refinado: "Throwme a kiss / Across a crowded room / Some sunny windswept aftemoon / Is none to soon for me to miss / My sad eyes". O crítico americano Lester Bangs comparou a música desses versos a Dylan Thomas. Mas era apenas Van, começando.

Texto escrito por Pedro Só e publicado na Bizz #163, de fevereiro de 1999

Comentários

  1. Van Morrison!!! Um dos meus cantores favoritos. Tudo que eu consigo comprar desse gênio eu pego. Pena que nunca veio ao Brasil.
    Ainda tenho esperança

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeita os pensamentos diferentes dos seus.