Review: Elomar - ... Das Barrancas do Rio Gavião (1972)



Elomar Figueira Mello gravou seu primeiro álbum aos trinta e poucos anos, em 1972, um pouco tarde para um artista, mas no tempo ideal de maturação para um cantador. Ele nunca fez questão dos palcos, pelo contrário, sempre preferiu a pacatez da sua fazenda no semiárido baiano, tangendo caprinos e compondo sob a luz das estrelas.

Este álbum é fruto desse meio, um choque reacionário pós-tropicalista. Na contramão de outros baianos que desde os anos 1960 modernizavam a música brasileira, Elomar apresenta uma cultura popular em sua essência, pois não compõe para as massas. Sua música é reflexo da vida no sertão e seus habitantes: o jagunço, o vaqueiro, o capiau e, especialmente, o violeiro que canta versos sobre todos os anteriores.

Gravado apenas com voz e violão, ... Das Barrancas do Rio Gavião traz uma coleção de cantigas, incelenças e martelos que pintam paisagens extraídas dos livros de Guimarães Rosa, um sertão cheio de vida, com costumes e dialeto próprios, sintetizando as idiossincrasias de um povo intocado pela mão modernizadora da sociedade.

Na abertura com “O Violeiro” ele passa seu recado (“Ah, pois pro cantado e violero / Só há treis coisa nesse mundo vão / Amor, furria, viola, nunca dinheiro / Viola, furria, amor, dinheiro não”):  não é cantor, é cantador.

Mas não é só. Nas próximas faixas surgem outras pérolas do seu cancioneiro. Nelas o cantador primeiro murmura tristeza e saudade, como no tema de amor fúnebre de “Incelença do Amor Retirante” e no relato do êxodo nordestino de “Retirada”, pra logo depois cantar a beleza e a alegria, como na exaltação à natureza em “Joana Flor das Alagoas”, ou na carregada de influência do trovadorismo ibérico “Cantiga do Amigo”.

...Das Barrancas do Rio Gavião é muito mais que um disco: é um manifesto de exaltação ao passado. Enquanto o Brasil dos anos 1970 seguia em direção ao futuro na constância da marcha militar, Elomar fazia o caminho contrário a passos de Conselheiro que se recusa a mudar.

Por Edson Henrique Medeiros Silva

Comentários

  1. Edson, um dia o Brasil há de descobrir Elomar.
    Quem sabe nas quadradas das águas perdidas, ou através das cartas catingueiras, talvez nas árias sertânicas, mesmo até nas barrancas do rio gavião...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.