A História do Heavy Metal – Capítulo 1: Origens e Influências


O metal fica pesado

O metal é um subgênero da música rock que surgiu como um estilo musical definido na década de 1970. Suas raízes estão firmemente arraigadas em bandas de hard rock que, entre 1969 e 1974, misturavam blues e rock, criando um som denso e pesado, centrado na guitarra e na bateria, caracterizado pelo uso de distorções de som de guitarra altamente amplificadas.

A partir do heavy metal, vários subgêneros evoluíram mais tarde, muitos dos quais são referidos simplesmente como “metal”. Como resultado, o “heavy metal” agora tem dois significados distintos: ou o gênero e todos os seus subgêneros, ou as bandas de heavy metal originais do estilo dos anos 1970, às vezes apelidado de “metal tradicional”, como exemplificado pelas bandas Deep Purple, Led Zeppelin e Black Sabbath – ou as bandas pertencentes à Nova Onda do Heavy Metal Britânico, (NWOBHM, do inglês New Wave of British Heavy Metal), como o Iron Maiden.

* Para fins de conceituação, doravante utilizaremos o termo Heavy Metal para se referir a este segundo grupo, enquanto o gênero, como a composição de todos os seus subgêneros, será referido simplesmente como metal.


O termo “metal pesado”

A origem do termo “heavy metal” em relação a uma forma de música é incerta. A frase tinha sido usada durante séculos em química e metalurgia e está listada como tal no Oxford English Dictionary. Um uso adiantado do termo na cultura popular moderna era pelo escritor da contracultura William S. Burroughs. No romance de 1962, The Soft Machine, ele apresenta o personagem “Uranian Willy, o Heavy Metal Kid”. Seu próximo romance de 1964, Nova Express, desenvolve este tema ainda mais, “heavy metal” sendo uma metáfora para drogas viciantes.

O primeiro uso registrado do “heavy metal” em uma letra de música é a frase “trovão do metal pesado” na canção de 1968 da banda canadense/norte-americana Steppenwolf, “Born to be Wild”:

I like smoke and lightning
Heavy metal thunder
Racin’ with the wind
And the feelin’ that I’m under

O livro A História do Heavy Metal indica o nome como uma fala dos hippies. A palavra “pesado”, que significa sério ou profundo, tinha virado uma gíria da contracultura beatnik algum tempo antes, e as referências à “música pesada”, que eram tipicamente mais lentas, já eram comuns. Quando a banda Iron Butterfly começou a tocar em Los Angeles em 1967, seu nome foi explicado na capa de um álbum como “Iron-simbólico de algo pesado no som, Butterfly-leve, atraente e versátil … um objeto que pode ser usado livremente na imaginação”. O álbum de estreia do Iron Butterfly, em 1968 foi intitulado Heavy. O fato de que o Led Zeppelin (cujo apelido veio em parte em referência à brincadeira de Keith Moon que eles iriam “cair como um balão de chumbo”) ter incorporado um metal pesado em seu nome pode ter selado o uso do termo.

O metal começou a ganhar popularidade nos anos 1970 e 1980, quando muitos dos subgrupos agora existentes evoluíram. O heavy metal tem um grande seguimento mundial de fãs conhecidos por termos como “metalheads” e “headbangers”.


Influência clássica

A apropriação da música “clássica” pelo metal tipicamente inclui a influência de compositores barrocos, românticos e modernistas como Johann Sebastian Bach, Niccolò Paganini, Richard Wagner e Ludwig van Beethoven. Na década de 1980, o metal apropriou-se de grande parte de sua velocidade e técnica das influências “clássicas” do início do século XVIII. Por exemplo, a proeza técnica do guitarrista de base clássica Yngwie Malmsteen foi inspiração para uma miríade de músicos neoclássicos, incluindo Michael Romeo, Michael Angelo Batio e Tony MacAlpine.

Vários especialistas em música e músicos de metal notaram o papel do trítono no metal, um intervalo entre alturas de duas notas musicais que possua exatamente três tons inteiros, o que ostensivamente resulta em um “som mau”, tanto que seu uso foi supostamente proibido na composição medieval, classificado como Diabolus in Musica (“o diabo na música”). O evocativo trítono, que foi explorado pelos compositores românticos e é definitivo para a escala de blues, é parte do patrimônio do metal, e fundamental para os seus solos e riffs, como no início do álbum epônimo do Black Sabbath.

A era barroca tardia da música ocidental também foi frequentemente interpretada através de uma lente gótica. Por exemplo: em “Mr. Crowley” (1981), Ozzy Osbourne e o guitarrista Randy Rhoads usam tanto um sintetizador de órgão como um solo de guitarra de inspiração barroca para criar um humor particular para as letras de Osbourne sobre o ocultista Aleister Crowley.  Para a introdução de “Diary of a Madman”, de 1982, Rhoads pega emprestado pesadamente do violonista clássico cubano Leo Brouwer em “Etude # 6”. Como muitos outros guitarristas de metal na década de 1980, Rhoads assumiu o estudo “aprendido” da teoria musical e ajudou a solidificar a indústria secundária de revistas de pedagogia de guitarra, que cresceu durante a década. Na maioria dos casos, no entanto, músicos de metal que utilizaram a técnica e a retórica da música de arte não estavam tentando “ser” músicos clássicos.


A enciclopédia Encarta afirma sobre o compositor Johann Sebastian Bach que “se associarmos um texto com a música, Bach poderia escrever equivalentes musicais de ideias verbais”.  Bandas de rock progressivo como Emerson, Lake & Palmer e Yes já haviam explorado essa dinâmica antes que o metal evoluísse.

Como o metal usa temas apocalípticos e imagens de poder e escuridão, a capacidade de traduzir com sucesso ideias verbais em música é muitas vezes vista como essencial para sua autenticidade e credibilidade. Um exemplo disso é o álbum Powerslave, do Iron Maiden.  A capa é de uma cena dramática egípcia e muitas das músicas do álbum têm assunto exigindo um som sugestivo de vida e morte, incluindo uma canção intitulada “The Rime of the Ancient Mariner”, baseado no poema de Samuel Taylor Coleridge. O baixista do Iron Maiden, Steve Harris, citou bandas de rock progressivo como Rush e Yes como influências, e deve ser notado que o álbum do Rush de 1977 intitulado A Farewell to Kings apresenta a faixa “Xanadu”, de onze minutos, também inspirado por Coleridge e anterior à composição do Iron Maiden por diversos anos.


Origens (1960 e início dos anos 1970)

A música americana do blues era altamente popular e influente entre os primeiros roqueiros britânicos. Bandas como os Rolling Stones e os Yardbirds gravaram covers de muitas canções clássicas de blues, às vezes acelerando o ritmo e usando guitarras elétricas onde o original usava guitarras acústicas de cordas de aço. Adaptações semelhantes de blues e outras músicas afro-americanas formaram a base do rock and roll mais antigo, notadamente o de Elvis Presley.

Essa música blues energizada foi encorajada pela experimentação intelectual e artística que surgiu quando os músicos começaram a explorar as oportunidades da guitarra amplificada eletricamente para produzir um som mais alto e mais dissonante. Enquanto os estilos de bateria do blues rock eram em grande parte simples, os bateristas começaram a usar um estilo mais muscular, complexo e amplificado. Da mesma forma, os vocalistas modificaram sua técnica e aumentaram sua dependência da amplificação, muitas vezes se tornando mais estilizada e dramática no processo. Avanços simultâneos na tecnologia de amplificação e gravação tornaram possível captar com êxito o poder dessa abordagem mais pesada.

A música mais antiga comumente identificada como metal saiu do Reino Unido no final dos anos 1960, quando bandas como Led Zeppelin e Black Sabbath aplicaram uma abordagem abertamente não tradicional para os padrões de blues e criaram novas músicas com base em escalas e arranjos do blues. Essas bandas foram altamente influenciadas por músicos de rock psicodélicos americanos, como Jefferson Airplane e Jimi Hendrix, que foi pioneiro na amplificação e processamento da guitarra do blues rock e atuou como uma ponte entre a música afro-americana e os roqueiros europeus.


Outras influências frequentemente citadas incluem a banda Vanilla Fudge, que havia desacelerado e “psicodelizado” melodias pop, bem como os primeiros grupos de rock britânico como The Who e The Kinks, que tinham criado uma abertura para os estilos de heavy metal, introduzindo acordes elétricos e percussão mais agressiva para o gênero rock. Outra influência importante foi a banda Cream, que exemplificou o formato power trio que se tornaria um alicerce do metal.

A canção dos Kinks de 1964, “You Really Got Me”, já foi citada como uma das primeiras músicas de metal. Foi talvez a primeiro a usar um riff repetitivo, distorcido, com um power chord como base.

Em 1968,  blues pesados estavam se tornando comuns e muitos fãs e estudiosos apontam para a cover de 1968 do Blue Cheer de “Summertime Blues” (de Eddie Cochran) como a primeira verdadeira música de metal. “Born to Be Wild” do Steppenwolf  (lançado em janeiro de 1968) e o single dos Yardbirds, “Think About It” (gravado em janeiro de 1968, lançado em março de 1968) também devem ser mencionados. Este último empregou um som semelhante ao que Jimmy Page iria empregar com o Led Zeppelin. Estes foram logo seguidos por “In-A-Gadda-Da-Vida”, do Iron Butterfly (julho de 1968).

Os estudiosos dos Beatles citam em particular a canção “Helter Skelter” do White Album (novembro de 1968) e a versão single da canção “Revolution” (novembro de 1968), que estabeleceu novos padrões de distorção e agressividade em um álbum pop. O disco Truth (de agosto de 1968) do Jeff Beck Group foi um álbum de rock importante e influente. Lançado pouco antes do primeiro álbum de Led Zeppelin (janeiro de 1969), levando alguns (especialmente os fãs britânicos de blues) a argumentar que Truth foi o primeiro álbum de metal.


A música da banda de rock progressivo King Crimson – “21st Century Schizoid Man” – de seu disco de estreia, In The Court of the Crimson King (1969), apresentou a maioria das características temáticas, de composição e musicais do metal. O álbum apresentou um tom de guitarra muito distorcido por Robert Fripp, com letras que se concentraram no que estava errado com o ser humano do século XXI. Passar os vocais do cantor Greg Lake através de uma caixa de distorção contribuiu para criar o humor sombrio apresentado na música.

Os lançamentos de 1970 por Led Zeppelin, Black Sabbath e Deep Purple definiram e codificaram o gênero que seria conhecido como metal. Muitas das primeiras bandas de metal – Led Zeppelin, Deep Purple, Uriah Heep e UFO, entre outros – são frequentemente chamadas de hard rock pela comunidade do metal moderno, em vez de metal, especialmente as bandas cujo som era mais parecido com o rock tradicional. É dessa forma que nos referiremos a elas, nesse material.  Na verdade, muitas dessas bandas não são consideradas “bandas de metal” por si só, mas sim como tendo doado músicas individuais ou obras que contribuíram para o gênero. Poucos considerariam o Jethro Tull uma banda de heavy metal em qualquer sentido real, mas poucos discordariam que sua música, “Aqualung”, é uma canção de metal

Ouça uma playlist especial sobre este primeiro capítulo da série:

  
Fontes
·         Allmusic.comIron Maiden Powerslave. 
·         Burroughs, William S. Nova Express. New York: Grove Press, 1964. ISBN 0802133304
·         Christe, Ian. (2003). Sound of the Beast: The Complete Headbanging History of Heavy Metal. HarperCollins. ISBN 0380811278
·         Dunn, Sam, Metal: A Headbanger’s Journey (Warner Home Video 2006). 
·         Walser, Robert. (1993). Running with the Devil: Power, Gender, and Madness in Heavy Metal Music. Wesleyan University Press. ISBN 0819562602
·         Weinstein, Deena. (1991). Heavy Metal: A Cultural Sociology. Lexington. ISBN 0669218375
·         Weinstein, Deena. Heavy Metal: The Music and its Culture. (New York: DaCapo, 2000). ISBN 0306809702



Comentários

  1. Excelente texto, gostei da ideia de publicar a história do Metal. Aguardando os próximos capítulos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.