Bee Gees e muita música: conheça a bela coleção de Antônio Molitor


Pra começar, obrigado por mostrar a sua coleção para a Colletors Room. De onde você é, o que faz e como iniciou a sua relação com a música?

Sou de Tatuí (SP) e estou aposentado. Fui bancário.Minha família tem diversos músicos. Meu avô tocou em banda de cidade do interior até quase 90 anos. Tenho um tio que tocava na Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Ele ficava na minha casa para estudar no Conservatório aqui existente. Isso fez que eu tomasse gosto pela música, mas meus pais nunca me deixaram estudar nessa escola, embora os cursos fossem gratuitos.



Quantos discos você tem em sua coleção?

Cadastro tudo no Discogs e por lá consta um pouco mais de 1.700 LPs e compactos e por volta de 1.500 CDs.  


Por que você coleciona discos? 


Quando adolescente eu ouvia muito os programas de rádio como Barros de Alencar, Helio Ribeiro, Parada Musical na Rádio Nacional. Em casa tinha um radinho todo quebrado e colado com esparadrapo (dizem que fui eu que quebrei) e para ouvi-lo tínhamos que segurar a antena. Cada choque que levávamos (risos). Eu queria comprar discos, mas a situação financeira não dava.
Só consegui comprá-los quando comecei a trabalhar. Antes ganhava alguns de meus pais ou fazia uns bicos e ganhava uns trocados que viravam discos. 


Quando você começou a colecionar discos?  


Em 1968, minha irmã ganhou de nossa avó uma vitrolinha Phillips e comprou vários discos e eu comecei a juntar uns trocados e a comprar compactos, que era bem mais barato que LPs.
Fiz durante vários anos uma coleção de uns 200 compactos, que ainda tenho e por volta de uns 200 LPs também, mas que doei quase todos quando comecei a comprar CDs. Só fiquei com os LPs dos Bee Gees. 



Qual foi o sei primeiro disco? 


Compacto simples: People – I Love You.

Um LP que minha irmã comprou e eu ouvia muito foi Johnny Rivers – Realization
 


Como você organiza a sua coleção? 


Basicamente em ordem alfabética, mas dentro de cada letra, tudo junto e misturado.  Quando vai aumentando discos de um mesmo cantor(a) ou grupo, vou guardando fora dessa ordem  em outro nicho da estante.


Onde você guarda a sua coleção? Em um móvel exclusivo ou conseguiu resolver com estantes? 


Liberei um quarto nos fundos de casa, que chamo de santuário, e fui fazendo as estantes conforme foi aumentando a coleção e os aparelhos de som. Praticamente fiz todas as prateleiras. Não sou marceneiro profissional e nem tenho as ferramentas adequadas, mas desenho como eu os quero, tiro as medidas e compro as madeiras já cortadas. Depois é só montar.



 
Que dica de conservação você dá pra quem coleciona discos? 


Quando eu compro em sebos, eu os lavo primeiro, higienizo a capa, coloco plásticos novos. 
Só vão para a coleção após eu ouvi-los. 

 
Como você se relaciona com a sua coleção? Deixa tudo na estante ou ouve regularmente os discos? 


Ouço bastante, mas como sempre estão entrando itens novos, fica mais complicado ouvir os já arquivados nas estantes. O que estou fazendo atualmente é cada dois ou três LPs ou CDs novos, pego um aleatoriamente na estante para ouvir, ou algum que alguém postou nos grupos que participo e que me chama a atenção.  


Qual a sua banda e o seu gênero musical favoritos? 


Bee Gees, desde 1969. Gosto de rock e MPB, basicamente.



 
De quais bandas você possui mais itens em sua coleção? 


Bee Gees é a minha maior coleção. Também tenho Beatles, Carpenters, A-ha, Pink Floyd, Bread, Creedence, Abba, Led Zeppelin, Maroon 5, Simply Red, Dire Straits, Coldplay. Praticamente a discografia deles completas em vinil.
Tenho também a discografia em vinil de Gal Costa, Simone, Milton Nascimento, Roberto Carlos, Taylor Swift e Norah Jones. 


Quais são os itens que você mais curte em seu acervo? 


Bee Gees sempre estou ouvindo. Carpenters, Pink Floyd.  


Além dos discos, coleciona algum outro item? 


Complementando as discografias, os CDs.
Gosto de vinhos e os recebo mensalmente juntamente com uma revista. Compro também alguns extras no site da empresa. Como aqui em casa somente eu tomo vinho, o estoque vai aumentando.  




Onde você compra seus discos e quais lojas indica? 


Gosto de comprar no site da Discogs.
Na Amazon da Alemanha também compro bastante. No Brasil é o Mercado Livre e agora a Amazon, quando tem umas promoções malucas. Visito com frequência os sebos, onde compro LPs e CDs. Para discos usados indico o site da Discogs, principalmente de vendedores da Alemanha. Nunca tive problemas com eles e a remessa, embora seja um pouco cara, é mais barata que de outros países.  


Qual o valor cultural e pessoal de ter uma coleção de discos? 


Quando pego um disco sujo em um sebo, levo para casa e cuido dele, tenho a sensação de que salvei um item para as futuras gerações. Como se fosse um arqueólogo. Faz parte de nossa história.
Não sei o que irão fazer com minha coleção futuramente, mas no momento sei que é a realização de um sonho pessoal e que só eu posso vivê-lo.  


O que significa não apenas ser um colecionador de discos, mas seguir comprando itens físicos quando a maioria das pessoas ouve música hoje em dia através de streaming? 


Ouço streaming, mas não me seduz. O disco em si não é só um meio de ouvir musicas, é a arte da capa, da apresentação.
Abrir a capa, retirar o vinil, colocar no toca-discos e ouvir enquanto aprecia toda a arte que envolve esse lançamento, não tem comparação. Pretendo continuar a comprar discos até eu ter condições de apreciá-los totalmente.  




Qual o papel da música na sua vida?
Em qualquer lugar que eu estiver, tenho que estar ouvindo alguma música. Acho que é a maior invenção da humanidade. É minha companheira da vida toda. 


Valeu. Pra fechar, indique um disco da sua coleção para os nossos leitores. 


O álbum que mais mexe comigo é o álbum Odessa, dos Bee Gees. Foi o primeiro disco deles que comprei, em 1969, e na época foi lançado aqui em dois LPs com vários meses de diferença e não um álbum duplo como foi concebido originalmente.
É uma verdadeira obra-prima. Tenho várias edições. Esses dois LPs de 1969, uma reedição de 1980, uma edição americana com capa aveludada e uma edição promocional, além de varias edições em CD.

Comentários

  1. Bela matéria , as vezes também me sinto um arqueólogo.

    ResponderExcluir
  2. Dá gosto ver uma coleção dessas. Coleciono à pouco mais de dez anos e a minha é um bebê se comparado à sua. Parabéns Sr. Molitor.

    ResponderExcluir
  3. Vim prestigiar através do grupo de colecionadores do Facebook. Excelente coleção!

    ResponderExcluir
  4. muito legal,sou o Vidal Neto lembro de ter conversado com vc sobre a minha entrevista aqui tb, parabéns belo espaço 👏👏👏👏

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, meu querido amigo Molitor, que alegria poder ler sua bela entrevista e ver seu acervo. Você é um colecionador muito cuidadoso, já percebia isso desde as postagens nas páginas de colecionadores das quais participamos. Continue nos prestigiando com seu prazer de colecionar, conhecimento musical e elegância. Grande abraço, queridão.

    ResponderExcluir
  6. Não só é uma belíssima coleção, mas também o espaço que vc separou para organizá-la junto ao equipamento ficou excelente. Ter um quarto somente para isso é uma ótima opção. Parabéns, mestre Molitor.

    ResponderExcluir
  7. Seu Antônio Molitor!! Além de pessoa simpaticíssima, tem uma coleção espetacular! Parabéns, amigo!! Que Deus lhe conceda mais uns 30 anos de proveito dessas maravilhas!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.