Review: Trivium - What the Dead Men Say (2020)



What the Dead Men Say é o mais novo registro de estúdio desse quarteto oriundo da Flórida.Foi lançado dia 24 de abril pela Roadrunner Records e produzido por Josh Wilbur (Lamb of God, Gojira, Soulfly), que já havia trabalhado com a banda no anterior e ótimo The Sin and the Sentence (2017), álbum indicado ao Grammy pela música “Betrayed”. Segundo com a atual formação, que conta com Matt Heafy (vocal e guitarra), Corey Beaulieu (guitarra), Paolo Gregoletto (baixo) e Alex Bend (bateria), não destoa quase nada da sonoridade do trabalho anterior, o que passa longe de ser um problema.

A instrumental “IX” (uma referência ao fato desse ser o nono trabalho de estúdio) abre o disco e conecta-se perfeitamente com a faixa título, que contém os harmônicos característicos do Gojira compondo o riff inicial. Principal single do álbum, “Catastrophist” mantém o nível lá em cima com seu refrão forte, uma especialidade do Trivium. Essa faixa poderia tranquilamente figurar em um disco do Machine Head, tamanha a semelhança.
               
“Amongst the Shadows & the Stones”, também lançada anteriormente como single é a melhor faixa do álbum e uma das mais pesadas já compostas pela banda. Batidas brutais, estruturas complexas e quebras de andamento, tudo culpa do excepcional baterista Alex Bend, que juntamente com Eloy Casagrande, do Sepultura, forma atualmente a dupla das grandes revelações do instrumento no heavy metal.
               
A cadenciada “Bleed Into Me” vem com o baixo em evidência, e “The Defiant” entrega uma pegada thrash que lembra as composições de Ascendancy (2005). Canção mais longa com seus quase sete minutos de duração, “Sickness Unto You” é mais um grande destaque. Traz blastbeats no pré-refrão, um solo extremamente técnico de Corey Beaulieu e uma parte instrumental complexa do meio para o final, aflorando o perfeito sincronismo entre os instrumentos de Alex e Gregoletto, que além de ter tirado um ótimo timbre do seu instrumento nas gravações também contribuiu escrevendo a maioria das letras.

“Scattering the Ashes” fez parte do trailer do jogo Mortal Kombat 11 e tem o melhor refrão do álbum. Já “Bending the Arc to Fear” traz um riff inspirado no black metal e que parece ter saído de um dos primeiros lançamentos do Mayhem. O que dizem os homens mortos? Euronymous diria que Matt Heafy aprendeu certinho.

“The Ones We LeaveBehind” mantém a intensidade alta até o último segundo. Pesada e com um ritmo alucinante, fecha um disco sem pontos baixos.

O Trivium é uma banda renegada por boa parte dos fãs tradicionais de heavy metal, já que muitos a enquadram no gênero metalcore, apresentando elementos melódicos e modernos na formação da sua sonoridade. O fato é que eles parecem terem finalmente encontrado o verdadeiro som da banda. What the Dead Men Say chegou forte para disputar o posto de melhor lançamento de metal de 2020, sendo mais um ótimo registro de uma banda que está no seu auge da forma criativa/técnica e que vem se consolidando como um dos grandes nomes do metal mundial. 

Sem nada pra fazer em casa durante a quarentena? Vá agora ouvir esse disco!

Por Diego Colombo

Comentários

  1. Muito boa banda...top 5 facil das melhores do metal contemporâneo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo! Trivium é uma das minhas 5 bandas favoritas de todos os tempos.

      Excluir
  2. Trivium é uma das minhas bandas favoritas. A cada lançamento, mostram constante evolução e consistência. Sempre que ouço que o Trivium está lançando um álbum novo, sei que posso esperar uma experiência de êxtase. Esse álbum, na minha opinião, não tem nenhuma faixa "mais ou menos", pra mim é nota 10/10. Estava ansioso por ler a resenha de vocês sobre esse álbum. Um abraço, e "Stay Heavy my friends! ".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Os dois últimos álbuns de estúdio são matadores.

      Excluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.