Ranking de Discos: Black Sabbath


O disco de estreia do Black Sabbath é o marco zero do heavy metal. O aumento do peso no rock foi um processo construído por várias bandas, mas o primeiro álbum do quarteto de Birmingham trouxe algo mais e deu início a um dos gênero musicais mais sólidos, longevos e apaixonantes da história.

Fundado em 1968 na Inglaterra, o Black Sabbath possui três fases marcantes em sua trajetória. A primeira e mais clássica, com Ozzy Osbourne como vocalista e discos que redefiniram o rock. A segunda, com Ronnie James Dio como frontman, onde o som ficou mais técnico e se atualizou para o universo do metal dos anos 1980. E a terceira, onde Tony Iommi elegeu Tony Martin como seu parceiro para tentar manter a banda viva da segunda metade da década de 1980 até meados dos anos 1990. E, no meio disso, ainda existiu um álbum em que o Sabbath encontrou outra lenda, Ian Gillan, vocalista do Deep Purple.

A discografia do Black Sabbath conta com 19 discos de estúdio, 6 álbuns ao vivo, 12 coletâneas, 7 VHS/DVD/Blu-ray, 1 EP e 30 singles. Uma longa história construída em 49 anos de carreira que influenciaram profunda e definitivamente a maneira de fazer rock. Para mergulharmos nessa jornada sonora, perguntei nas redes sociais da Collectors Room quais seriam os melhores discos do quarteto. Foram mais de 1.750 votos na enquete com maior participação até agora, e o resultado do ranking de discos do Black Sabbath foi esse:

1 Heaven and Hell (1980) – 12,9%
2 Paranoid (1970) – 11,7%
3 Master of Reality (1971)– 10,9%
4 Vol. 4 (1972) – 10,5%
5 Black Sabbath (1970) – 9,5%
6 Sabbath Bloody Sabbath (1973) – 9,5%
7 Sabotage (1975) – 6,3%
8 Mob Rules (1981) – 6,1%
9 Born Again (1983) – 4,5%
10 Dehumanizer (1992) – 3,6%
11 Headless Cross (1989) – 3%
12 13 (2013) – 2,5%
13 Never Say Die! (1978) – 1,8%
14 Technical Ecstasy (1976) – 1,7%
15 Cross Purposes (1994) – 1,5%
16 Tyr (1990) – 1,3%
17 Seventh Star (1986) – 1,3%
18 The Eternal Idol (1987) – 1%
19 Forbidden (1995) – 0,4%


Em uma discografia tão longa e com diversos trabalhos aclamados, era esperado o que aconteceu: uma grande divisão de votos, com um resultado final equilibrado. O primeiro ponto é justamente o disco vencedor: ainda que o período nos anos 1970 tenha colocado o Black Sabbath no Olimpo do rock, quem alcançou a primeira posição foi justamente o álbum que veio após essa fase: Heaven and Hell, a estreia com Ronnie James Dio. Entre os seis primeiros discos do Black Sabbath há uma grande presença de votos e uma variação entre os preferidos dos fãs, com o trio Paranoid, Master of Reality e Vol. 4 ganhando destaque. Born Again ratifica o seu status entre o público brasileiro, que sempre amou o álbum, enquanto Headless Cross desponta como o principal trabalho do período com Tony Martin.

Para acompanhar esse ranking criei uma playlist com duas canções de cada disco (com exceção do período com Martin nos vocais, já que apenas The Eternal Idol está disponível nos apps de streaming), e nos comentários desse post você está convidado a postar o seu ranking pessoal sobre a discografia do Black Sabbath.

Aumente o volume!

Comentários

  1. Os 10 primeiros não surpreendem, mas a ordem deles com certeza! Muito legal ver o Heaven And Hell em primeiro lugar. Ainda assim, ele é subestimado quanto ao real valor na história da banda, dos músicos e do Heavy Metal em si.

    Parabéns pelas enquetes, está sendo divertidíssimo acompanhar e participar.

    ResponderExcluir
  2. Master, com certeza, não pelo seu valor em si apenas, mas pela quantidade de subgêneros que fundou. Sem ele não existiriam Sludge, Stoner, e por aí vai. Fora os riffs né?

    ResponderExcluir
  3. Uma enquete bem interessante! parabéns pela iniciativa! possivelmente eu elencaria o Sabbath Bloody Sabbath em primeiro, tb acho magnífico o Vol4... como sou um fã do Black Sabbath, haveria vários 1ºs lugares, seria um empate técnico de pelo menos uns 5 álbuns...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.