Discos Fundamentais: Exciter - Heavy Metal Maniac (1983)


Por Luiz Fernando M. Fustini
Colecionador


O que torna um álbum clássico? Pioneirismo? Qualidade de produção? Virtuosismo? Definitivamente, não!

Lembra dos tempos em que o Metallica estava acabando de lançar “Kill ´em All” (com James Hetfield constantemente gritando “Fuck all posers!” nos shows) e o Slayer, “Show no Mercy”? Lembra da época em que Scott Ian ainda nem imaginava que lançaria um álbum espetacular e fundamental como “Among the Living” com o Anthrax? Lembra de quando o Exodus nem imaginava que “Bonded by Blood” se tornaria um dos álbuns mais seminais do estilo? Pois é, caros amigos, é aí que nossos heróis canadenses do Exciter entram em campo. O ano? 1983. O nome da pedrada? “Heavy Metal Maniac”. Somente o título já dava uma idéia do que estava por vir, ainda mais com a clássica capa exibindo uma parede de amplificadores Marshall.

O Exciter dos primórdios era composto por somente três membros: Dan Beehler (vocal/bateria), Allan James Johnson (baixo) e John Ricci (guitarra). Essa formação viria a mudar a partir do quarto álbum, “Unveiling the Wicked” (1986), com a saída de John Ricci, o que inclusive trás uma série de belas lembranças para os headbangers tupiniquins, já que foi esse o disco que possibilitou a abertura para o Venom aqui em território brasileiro, em 1986, turnê que passou por São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Mas isso é assunto para outro dia.

Voltando ao nosso foco, ou seja, “Heavy Metal Maniac”, o que temos aqui é um cruzamento de Motörhead, Black Sabbath e NWOBHM (de bandas rápidas como o Raven). O disco abre com “The Holocaust”, uma introdução curta e sombria, com um som que parece um furacão, que logo em seguida dá espaço para um dos maiores clássicos do Exciter, “Stand Up and Fight”. É indescritível o que senti quando ouvi essa música pela primeira vez, que, apesar de simples, parece que é algo fresco e único, mesmo após todos esses anos. Muita energia, refrão pegajoso, e é impressionante como Dan Beehler consegue berrar e (literalmente) espancar sua bateria ao mesmo tempo.

Na sequência temos “Heavy Metal Maniac”, a faixa-título, também um clássico eterno (é impossível não ficar cantarolando o refrão “i´m a heavy metal maniac!” por aí) com uma pegada rápida e destruidora. A seguir nos deparamos com um desfile de clássicos como “Iron Dogs” (minha favorita!), “Mistress of Evil”, “Under Attack” (uma das mais rápidas) e “Rising of the Dead”. A banda só dá uma trégua quando entra “Blackwitch”, uma belíssima balada mas com uma excelente dose de peso para ninguém botar defeito. Para fechar a obra (ufa!) vem “Cry of the Banshee”, devastando ainda mais nossos pobres pescoços (ou o que sobrou deles).

Confesso que fiquei anos atrás desse álbum em vinil (não existia até então uma versão oficial em CD) e somente o consegui lá pelos idos de 2003. Até existia uma versão em CD no formato 2 em 1 (que eu já tive), com os álbuns “Heavy Metal Maniac” e “Violence and Force”, mas que omitia as faixas “Mistress of Evil” e “Evil Sinner” (logo a melhor do VAF!).

Logo em seguida, em 2005, saiu a versão remasterizada em CD (Megaforce Records – importado). Adivinhem quem remasterizou? Tchan tchan tchan... Não, não foi o Dan Beehler e sim nosso amigo de fé, irmão e camarada Jeff Waters (sim, o chefão-guitarrista que costuma entortar nossos pescoços com os clássicos do também canadense Annihilator). O CD remasterizado citado contém, além do álbum na íntegra, a faixa “Evil Sinner” do segundo trabalho, “Violence and Force” (eu não entendi até hoje porque raios essa faixa ficou de fora da versão oficial remasterizada) e a cacetada “World War III” (lançada originalmente na coletânea “U.S. Metal Vol II”, também do selo Shrapnel). Além disso (ainda não acabou?!), o CD remasterizado tem, para fechar com chave de ouro, três faixas de entrevistas (em inglês, claro) com Dan, Allan e John, onde o trio fala um pouco sobre os primórdios do Exciter.

Bom, aqui vem a resposta para uma pergunta “default”: essa pedrada irá mudar sua vida? Eu não sei, mas certamente mudou a minha. O Exciter mostrou nesse disco que não é preciso muito para se produzir um álbum clássico de heavy metal, e honrou sua maior influência, o glorioso Motörhead do imortal (ou imoral?) Lemmy Kilmister.

Honestidade e energia de sobra é a resposta para a pergunta que deixei ali no início da resenha. Talvez seja por isso que álbuns como “Heavy Metal Maniac“, “Kill ´em All” e “Bonded by Blood” sejam inigualáveis, não importando quanto tempo passe.

Portanto meu amigo, faça um favor a si mesmo e procure já essa obra-prima. Só não vale quebrar o pescoço enquanto rola “Under Attack” ou “Iron Dogs” – espere para quebrar durante “Cry of the Banshee”.

Warning: this content can wreck your necks!

Formação:
Dan Beehler – vocal/bateria
John Ricci – guitarras
Allan Johnson – baixo

Faixas (CD remasterizado – Megaforce 2005):
1. The Holocaust
2. Stand Up and Fight
3. Heavy Metal Maniac
4. Iron Dogs
5. Mistress of Evil
6. Under Attack
7. Rising of the Dead
8. Blackwitch
9. Cry of the Banshee

Bonus tracks:
10. World War III (from “U.S. Metal vol. II” compilation)
11. Evil Sinner (from “Violence and Force”)
12. Interview #1A
13. Interview #2B
14. Interview #2


Comentários

  1. Luiz Fernando, seus textos são fantásticos. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. belo review, fustini, parabens, cuto mais o long live the loud, mas esse tb é foda....

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.