4 de out de 2012

Kiss: crítica de Monster (2012)

Monster, vigésimo disco da longa carreira do Kiss, é um álbum surpreendente. Surpreendente porque não traz nada que remeta aos trabalhos recentes do quarteto liderado por Gene Simmons e Paul Stanley. Não há uma produção grandiosa e canções feitas descaradamente sob medida para virarem singles, e nem mesmo o hard festivo executado pelo grupo durante a década de 1980. A história aqui é outra. Em Monster o Kiss embarcou em uma máquina do tempo e fez uma viagem de volta aos anos 1970 - sem escalas, diga-se de passagem. O resultado dessa jornada é um belo álbum de hard rock puro e sem frescuras, como há um bom tempo a banda não gravava e como há tempos os fãs esperavam ouvir.

Produzido por Paul Stanley e Greg Collins, que já havia trabalhado com o grupo no disco anterior, Sonic Boom (2009), Monster surpreende pela agressividade e pela crueza do som. Gene Simmons declarou que o álbum seria uma mistura entre Destroyer (1976), Revenge (1992) e Sonic Boom. Sinceramente, não consigo perceber elementos dos trabalhos da década de 1990 e 2000 aqui. Já em relação a Destroyer, o buraco é mais embaixo.

Gravado com equipamento totalmente analógico, Monster transparece uma autenticidade e uma diversão que contagiam o ouvinte. É um disco de rock básico com tudo que se tem direito, e nada além disso. E é justamente por ser assim que é tão legal. Com canções baseadas em riffs, refrões ganchudos e energia de sobra, Monster mostra um Kiss renovado e com o tanque cheio de um combustível de alta octanagem. 

Um dos responsáveis por esse entusiasmo e dinamismo é o guitarrista Tommy Thayer. O músico por trás do papel que um dia já foi de Ace Frehley brilha em todo o disco, principalmente nos solos - ouça “Wall of Sound” e “The Devil is Me” e comprove. O outro é Paul Stanley. Além da produção, Stanley coloca-se levemente à frente de Gene Simmons em todo o álbum, ditando as regras e assumindo o controle. Das doze faixas, Paul canta cinco, Gene quatro, Tommy uma (“Outta This World”), Eric Singer outra (“All for the Love of Rock & Roll”) e os dois integrantes originais dividem o vocal em “Take Me Down Below”. 

Antes da gravação e durante o processo de composição, Stanley declarou que em Monster a banda teria mais liberdade artística. Isso, ainda que perceptível, é um tanto estranho para uma banda do tamanho e com o status do Kiss. Afinal, se eles não possuem liberdade artística, quem possuirá? Nas entrelinhas, porém, a leitura é outra. O sucesso de Sonic Boom, que já apresentava um som mais simples e uma produção menos grandiosa que a habitual, fez Gene perceber que o caminho proposto por Stanley estava correto. Essa “liberdade artística” citada por Paul pode ser interpretada como uma cobrança menor de Gene por resultados, deixando Stanley trabalhar na boa. E como toda pessoa mais entendida na história do Kiss sabe, o direcionamento artístico da banda sempre veio, em grande parte, da visão de Paul, enquanto Gene fazia o seu papel com maestria na outra ponta, construindo uma das marcas mais conhecidas do rock e erguendo um dos maiores impérios da indústria musical.

Monster é bastante homogêneo e nivelado por cima, mas algumas canções se destacam um pouco mais do que as outras. É o caso de “Hell or Hallelujah”, “Wall of Sound”, “Back to the Stone Age”, “Shout Mercy” e “Last Chance”. Merece menção também a incrível semelhança entre “Long Way Down” e a clássica “Shapes of Things” na versão gravada pelo Jeff Beck Group em seu álbum de estreia, Truth (1968). Se é uma homenagem ou uma inspiração, não se sabe, mas o resultado ficou legal.

Concluindo, o Kiss mostra em Monster que ainda é relevante. Polindo os excessos e focando em uma sonoridade mais crua e direta, o quarteto mascarado gravou um disco bastante agradável e que cairá no gosto não apenas dos fãs. Como diriam os Stones: it’s only rock and roll, but I like it!

Nota: 8



Faixas:
  1. Hell or Hallelujah
  2. Wall of Sound
  3. Freak
  4. Back to the Stone Age
  5. Shout Mercy
  6. Long Way Down
  7. Eat Your Heart Out
  8. The Devil is Me
  9. Outta This World
  10. All for the Love of Rock & Roll
  11. Take Me Down Below
  12. Last Chance

2 comentários:

Yo disse...

Surpreendeu mesmo!
Os melhores retornos de bandas antigas em 2012: Killing Joke, Kiss, Cult, Garbage e Rush.

Rex Niske disse...

esse disco foi uma surpresa pra la de agradavel, pelo menos para mim. O unico defeito no entento fica pra essa capa horrorosa e completamente sem graça, com um nome desses com certeza dava para se fazer uma capa bem melhor

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE