17 de abr de 2017

The Cure no liquidificador


Mixed Up é um álbum de remixes lançado pelo The Cure em 1990. Na verdade, a frase anterior é um resumo preguiçoso. O disco, que chegou às lojas em 20 de novembro daquele ano, traz doze faixas remixadas, mas não apenas isso. Em muitos casos, o que temos são verdadeiras reinterpretações, com novas versões bastante diferentes das gravações originais. “The Walk” e a “A Forest”, por exemplo, foram regravadas, pois a banda não conseguiu encontrar os tapes originais.

Vale contextualizar um pouco as coisas. Naquela época, no final da década de 1980 e início dos 1990, a popularidade dos remixes estava em sem auge. Praticamente todo grande hit ganhava novas releituras produzidas por produtores de renome, renovando o fôlego de uma canção que já tinha data de validade vencida com o grande público. 

Talvez o exemplo mais emblemático desse fenômeno seja “Blue Monday”, o maior sucesso do New Order. Lançada como single em 7 de março de 1983 e presente no álbum Power, Corruption & Lies (que chegou às lojas em 2 de maio de 1983), a canção foi um hit imediato, alcançando o nono lugar no Reino Unido e o quinto posto nos Estados Unidos. Cinco anos depois, em 25 de abril de 1988, “Blue Monday” foi lançada novamente como single, agora em uma versão remixada por Quincy Jones e John Potoker que ganhou o título de “Blue Monday 88”. Foi essa versão que colocou a canção definitivamente no imaginário pop, com o início contendo apenas batidas de bumbo que serviam de introdução para a melodia que entrava em seguida. Essa nova versão alcançou o terceiro lugar no Reuno Unido e a primeira posição nos Estados Unidos.



Voltando para o The Cure, o que temos são remixagens com duração mais longa que as versões originais. Em alguns casos, Robert Smith chegou a regravar os vocais. O disco, lançado em vinil duplo, trouxe também uma canção inédita, “Never Enough”. Smith resumiu o disco como "algo divertido de se fazer depois da desgraça de Disintegration”, disco lançado pela banda em 1989.

Na prática, encontramos em Mixed Up uma das uniões mais redondas já produzidas entre o rock e a música eletrônica. Pessoalmente, considero algumas versões presentes aqui melhores que as gravações originais, caso de “The Walk” e “Fascination Street", por exemplo.

Mixed Up foi lançado em LP duplo e em CD simples. No entanto, a versão em CD veio com uma música a menos, “Why Can’t I Be You?”. O motivo: a duração do tracklist extrapolava os 80 minutos de capacidade do CD. Infelizmente, ambas as edições estão fora da catálogo, o que é uma pena, pois trata-se de um álbum sensacional. 

A dica é a de sempre: nos serviços de streaming e no YouTube é fácil encontrar as faixas. Vá lá e confira, pois vale a pena.



Nenhum comentário:

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE