16 de mar de 2018

Os interessantes rankings de HQs do Guia dos Quadrinhos

sexta-feira, março 16, 2018

O Guia dos Quadrinhos é o principal site brasileiro para consulta e cadastramento de coleções de HQs. E, tendo como base os acervos e avaliações de seus usuários, publica dois rankings bem interessantes: um com as histórias mais colecionadas e outro com as mais bem avaliadas.

Decidi trazer isso para dividir com vocês porque são dois recortes curiosos e interessantes que, mesmo abrangendo apenas o público do site, não deixam de revelar um pouco como é o consumidor brasileiro de quadrinhos.


Vamos começar pelas 30 HQs mais colecionadas segundo o Guia dos Quadrinhos:

30 Novos X-Men - E de Extinção (Salvat)
29 Wolverine - Arma X (Salvat)
28 Capitão América - O Soldado Invernal (Salvat)
27 Demolidor - Diabo da Guarda (Salvat)
26 Wolverine - O Velho Logan (Salvat)
25 Batman - O Filho do Demônio
24 Os Vingadores (Salvat)
23 Batman - A Piada Mortal
22 X-Men - A Saga da Fênix Negra (Salvat)
21 Capitão América - Tempo Esgotado (Salvat)
20 Watchmen - Edição Definitiva
19 Guerra Civil (Salvat)
18 Reino do Amanhã - Edição Definitiva
17 Superman - O Que Aconteceu ao Homen de Aço?
16 Superman - O Último Filho (Eaglemoss)
15 Supremos - Super-Humano (Salvat)
14 Guerra Secreta (Salvat)
13 Batman - Silêncio Parte 2 (Eaglemoss)
12 V de Vingança
11 Thor - O Renascer dos Deuses (Salvat)
10 Maus
9 Batman - Silêncio Parte 1 (Eaglemoss)
8 Homem-Aranha - A Última Caçada de Kraven (Salvat)
7 Marvels (Salvat)
6 Batman - Ano Um
5 Vingadores - A Queda (Salvat)
4 Sandman - Edição Definitiva Volume 1
3 Demolidor - A Queda de Murdock (Salvat)
2 X-Men - Superdotados (Salvat)
1 Homem-Aranha - De Volta ao Lar (Salvat)

O que chama atenção logo de saída é a quantidade de títulos da Coleção Oficial de Graphic Novels da Marvel publicada pela editora Salvat: nada mais nada menos que 60% da lista é formada por títulos dessa coleção. Isso demonstra o sucesso da iniciativa, mas também mostra que o preço é importante, já que o número 1 é uma HQ do Homem-Aranha com acabamento de luxo que era vendida a apenas R$ 9,90 nas bancas. 

Esse aspecto também se repete nos três títulos da Coleção de Graphic Novels DC Comics publicada pela Eaglemoss, que tem os seus três primeiros números - não por acaso os mais baratos -, também presentes na lista. A partir do volume 4, quando o preço começou a ficar proibitivo, nenhum outro volume aparece na lista.

E na sequência vemos uma seleção de HQs obrigatórias para quem lê quadrinhos, abrangendo títulos como Watchmen, Maus, Reino do Amanhã e outros clássicos da nona arte. Resumindo: um ótimo guia para quem quer começar a ler histórias em quadrinhos.


Agora vamos para as 30 HQs mais bem avaliadas no Guia dos Quadrinhos:

30 Authority - Volume 2
29 Demolidor - A Origem do Demolidor (Salvat)
28 Homem-Animal - Deus Ex Machina
27 Thor - Em Nome do Pai
26 Capitão América - A Morte do Sonho
25 Sandman - Edição Definitiva Volume 2
24 Batman - O Cavaleiro das Trevas - Edição Definitiva
23 A Saga do Monstro do Pântano - Volume 1
22 Preacher - Guerra ao Sol
21 A Saga do Monstro do Pântano - Volume 2
20 Demolidor - A Queda de Murdock (Salvat)
19 Marvels (Salvat)
18 Reino do Amanhã - Edição Definitiva
17 Batman - A Piada Mortal
16 Batman - Ano Um
15 Conan - Edição Histórica - Volume 1
14 Demolidor por Frank Miller & Klaus Janson - Volume 3
13 Gotham D.P.G.C. - Volume 2
12 Demolidor - O Rei da Cozinha do Inferno
11 O Escultor
10 Sandman - Prelúdio - Volume 2
9 Y: O Último Homem - Edição de Luxo - Volume 1
8 Universo DC: Renascimento
7 Batman - Ano Um
6 Os Maiores Super-Heróis do Mundo
5 Demolidor - A Queda de Murdock
4 V de Vingança
3 Sandman - Edição Definitiva - Volume 1
2 Watchmen - Edição Definitiva
1 Maus

Aqui a coisa muda um pouco de figura. A predominância da Salvat é eliminada do processo, e em seu lugar surge uma lista de títulos aclamados tanto pelo público quanto pela crítica. São títulos presentes nas listas de melhores histórias em quadrinhos de todos os tempos como A Queda de Murdock, Batman Ano Um e Sandman, mas com interessantes recortes que revelam o gosto do público leitor aqui no Brasil.

Nesse segundo aspecto dá pra citar a preferência do público brasileiro por personagens como o Demolidor, por exemplo, com cinco títulos entre os trinta melhor avaliados. O retorno da DC à essência de seus personagens em DC Renascimento também foi aprovado pelo leitores. E vale mencionar a inclusão de personagens fora do universo super-heróico como Conan, além da surpreendente presença dos ótimos Homem-Animal e Authority.

Enfim, um levantamento curioso e interessante, que mostra um pouco quais são as preferências do público leitor de quadrinhos aqui no Brasil e traz ótimos títulos para quem quer iniciar ou se aprofundar no mundo das HQs.

Bruce Dickinson promete grandes surpresas no setlist da nova turnê do Iron Maiden

sexta-feira, março 16, 2018

Conversando com a Kerrang, Bruce Dickinson falou sobre o setlist da próxima turnê do Iron Maiden e deu pistas de que a banda britânica, enfim, realizará mudanças significativas nas canções que costuma tocar em seus shows.

Segundo o vocalista: “Estou focado em construir um setlist incrível e que irá levar a um grande show. Estou olhando para os shows da próxima tour como algo que deve exceder o que fizemos na turnê de Book of Souls. Sei que nos últimos anos caímos no comum ao tocar sempre algumas músicas, mas a ideia é dar uma mexida nisso. Quero que as pessoas vejam o setlist e pensem ‘Uau, eu tenho que ir a esse show!’. Quero que elas se surpreendam e voltem para casa dizendo ‘não acredito que eles tocaram essa música’. Essa é a reação que eu quero! Estamos tocando nos ensaios uma ou duas músicas que as pessoas irão realmente se surpreender. As redes sociais irão à loucura após o primeiro show”.

A nova turnê do Iron Maiden começará dia 26 de maio na cidade de Tallin, na Estônia.

Elton John anuncia álbum de releituras com diversas participações especiais

sexta-feira, março 16, 2018

Elton John lançará dia 6 de abril um projeto que parece ser bem interessante. Com o título de Revamp, o álbum traz o cantor britânico relendo seus maiores clássicos ao lado de artistas contemporâneos.

Participam do disco nomes como Coldplay, Ed Sheeran, Florence + The Machine, The Killers, Lady Gaga e Queens of the Stone Age, entre outros.

Tracklist abaixo:

1 Bennie And The Jets - Elton John, P!nk and Logic
2 We All Fall In Love Sometimes - Coldplay
3 I Guess That’s Why They Call It The Blues - Alessia Cara
4 Candle In The Wind (2018 Version) - Ed Sheeran
5 Tiny Dancer - Florence + The Machine
6 Someone Saved My Life Tonight - Mumford & Sons
7 Sorry Seems To Be The Hardest Word - Mary J. Blige
8 Don’t Go Breaking My Heart - Q-Tip featuring Demi Lovato
9 Mona Lisas And Mad Hatters - The Killers
10 Daniel - Sam Smith
11 Don’t Let The Sun Go Down On Me - Miley Cyrus
12 Your Song - Lady Gaga
13 Goodbye Yellow Brick Road - Queens of the Stone Age


15 de mar de 2018

Roger Daltrey anuncia novo disco solo

quinta-feira, março 15, 2018

Roger Daltrey lançará dia 1 de junho o seu nono álbum solo. O trabalho tem o título de As Long As I Have You e foi produzido por Dave Eringa, o mesmo cara que assinou a parceria de Daltrey com Wilko Johnson em Going Back Home (2014). O disco traz a participação de Pete Townsend em sete faixas.

As Long As I Have You é o primeiro álbum solo de Daltrey em 26 anos, desde Rocks in the Head, de 1992.

Aos 74 anos, o vocalista do The Who declarou recentemente que está “muito surdo”, e aconselhou os fãs a usarem protetores de ouvido nos shows para evitarem o problema.


Def Leppard lança box com tudo que gravou durante a década de 1980

quinta-feira, março 15, 2018

Chegarão às lojas dia 1 de junho os boxes CD Collection Volume 1 e Vinyl Collection Volume 1 (a diferenciação se dá apenas pelo formato da mídia, o conteúdo de ambos é o mesmo), caixas que trarão todos os discos lançados pelo Def Leppard durante a década de 1980. O material vem com 4 álbuns, um disco de raridades e um ao vivo. Tanto a versão em CD quanto em LP vêm ainda traz o EP The Def Leppard, com três faixas gravadas em 1978.

Os títulos que fazem parte do box são On Through the Night (1980), High ’n' Dry (1981), Pyromania (1983) e Hysteria (1987), mais Live at the LA Forum 1983 e Rarities Volume 1. O áudio foi remasterizado e a caixa inclui também um livro de capa dura com fotos de Ross Halfin e textos de Paul Elliott.

O plano da banda é lançar no futuro box semelhantes cobrindo as demais décadas de sua carreira.

Tracklists abaixo:

CD 1 – On Through The Night (1980)
1 Rock Brigade
2 Hello America
3 Sorrow Is A Woman
4 It Could Be You
5 Satellite
6 When The Walls Came Tumbling Down
7 Wasted
8 Rocks Off
9 It Don’t Matter
10 Answer To The Master
11 Overture

CD 2 – High ‘n’ Dry (1981)
1 Let It Go
2 Another Hit And Run
3 High ‘N’ Dry (Saturday Night)
4 Bringin’ On The Heartbreak
5 Switch 625
6 You Got Me Runnin’
7 Lady Strange
8 On Through The Night
9 Mirror Mirror (Look Into My Eyes)
10 No No No

CD 3 – Pyromania (1983)
1 Rock Rock (Till You Drop)
2 Photograph
3 Stagefright
4 Too Late For Love
5 Die Hard The Hunter
6 Foolin’
7 Rock Of Ages
8 Comin’ Under Fire
9 Action Not Words
10 Billy’s Got A Gun

CD4 – Hysteria (1987)
1 Women
2 Rocket
3 Animal
4 Love Bites
5 Pour Some Sugar On Me
6 Armageddon It
7 Gods Of War
8 Don’t Shoot Shot Gun
9 Run Riot
10 Hysteria
11 Excitable
12 Love And Affection

CD5 – Live at the LA Forum 1983
1 Rock Rock (Till You Drop)
2 Rock Brigade
3 High ‘N’ Dry (Saturday Night)
4 Another Hit And Run
5 Billy’s Got A Gun
6 Mirror Mirror (Look Into My Eyes)
7 Foolin’
8 Photograph
9 Rock Of Ages
10 Bringin’ On The Heartbreak
11 Switch 625
12 Let It Go
13 Wasted
14 Stagefright
15 Travellin’ Band

CD 6 – Rarities Volume 1
1 Wasted (Single Version)
2 Hello America (Single Version)
3 Good Morning Freedom
4 Bringin ‘On The Heartbreak (Remix)
5 Me And My Wine (Remix)
6 Tear It Down
7 I Want to Be Your Hero
8 Ride Into The Sun (Re-Recording)
9 Ring Of Fire
10 Release Me

CD 7 – The Def Leppard EP
1 Ride Into The Sun (Single Version)
2 Getcha Rocks Off (Single Version)
3 The Overture (Single Version)


Novo disco do Whitesnake deve sair ainda este ano

quinta-feira, março 15, 2018

O Whitesnake está mixando o seu novo disco, Flesh & Blood, e a previsão é que o trabalho seja lançado no segundo semestre. O álbum será o primeiro de inéditas desde Forevermore (2011) e sucede The Purple Album (2015), só com releituras para clássicas do Deep Purple.

Flesh & Blood será o décimo-terceiro disco da banda de David Coverdale, que atualmente conta com a companhia da dupla de guitarristas Reb Beach e Joel Hoekstra, do tecladista Michele Luppi, do baixista Michael Devin e do baterista Tommy Aldridge.

14 de mar de 2018

Playlist: O Rock nos anos 1970

quarta-feira, março 14, 2018

Iniciando uma nova série de playlists aqui no site. A ideia é focar cada década do rock, iniciando em 1960 (ou 1950, ainda não decidi) e indo até os anos 2010, apresentando uma coleção com as canções mais representativas do gênero em cada período.

Serão 100 músicas de cada década, organizadas em ordem cronológica, pra você curtir. Apenas uma faixas de cada disco, mas sem limite de canções por artistas/bandas e sem a mínima pretensão de ser algo definitivo, mas sim apenas uma coleção de canções representativas da década e que tem muito a ver com o meu gosto pessoal. E, pessoalmente, acho que fica melhor se você colocar no random e ouvir tudo no aleatório.

Pra começar, tá na mão a playlist com O Rock nos Anos 1970. Comecei por essa década porque era o que eu estava afim de ouvir, então decidi dividir com vocês. 

Aumente o volume, vista a sua calça boca de sino e venha junto!

Ouça “Supremacy”, nova música de Roger Waters

quarta-feira, março 14, 2018

Roger Waters lançou uma nova música chamada “Supremacy”, gravada ao lado do Le Trio Joubran, grupo musical palestino criado em 2004.

A faixa é na verdade a musicalização para o poema The Penultimate Speech of the Red Indian to the White Man, de autoria do poeta palestino Mahmoud Darwish. Waters gravou a canção como uma forma de protesto depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu Jerusalém como capital de Israel, decisão essa que repercutiu em todo o mundo.

Ouça “Supremacy" abaixo:

Biografia em quadrinhos de Aleister Crowley é lançada no Brasil

quarta-feira, março 14, 2018

O mago inglês Aleister Crowley foi um dos personagens mais enigmáticos e polêmicos do século XX. O ocultista nunca escondeu suas crenças e estilo de vida, além de influenciar profundamente a cultura pop.

Criador da Thelema, doutrina que tem como sua obra principal o Livro da Lei, livro de onde vem a famosa frase “faz o que tu queres pois é tudo da Lei” e que é o principal documento para a sua filosofia de vida. Crowley influenciou profundamente Jimmy Page, que chegou a comprar a antiga mansão do mago e mergulhou fundo no estudo de sua obra durante os anos 1970, refletindo inclusive em suas composições com o Led Zeppelin.

O quadrinho está sendo lançado no Brasil pela Editora Veneta em uma edição de 160 páginas e capa dura, no formato 24 x 17 cm. A HQ conta toda a vida de Crowley, com ênfase na vida adulta. A autoria do material é dividida entre R.H. Stewart e Martin Hayes.





Disco perdido de supergrupo formado por integrantes do Mountain finalmente será lançando

quarta-feira, março 14, 2018

Conhecido como “o supergrupo que nunca saiu do papel”, o Pompeii, combo liderado pelo baterista Corky Laing, terá o seu cultuado disco perdido finalmente lançado no Record Store Day deste ano, que acontece no próximo dia 21 de abril.

The Secret Sessions traz dez faixas gravadas entre 1976 e 1978 e registradas por uma formação absolutamente incrível: Corky Laing na bateria e vocal (Mountain), Ian Hunter nos teclados e vocais (Mott the Hoople), Felix Pappalardi no baixo (Mountain), Mick Ronson na guitarra (Mott the Hoople e David Bowie), Leslie West na guitarra (Mountain), Dickey Betts na guitarra (Allman Brothers Band), Eric Clapton na guitarra (Cream e Derek and the Dominos), Pete Carr na guitarra (Joan Baez, Bob Seger, John Cocker), Tommy Talton na guitarra (Allman Brothers, Paul Butterfield), Calvin Arline no baixo (Marvin Gaye, Aretha Franklin), John Sebastian na harmônica (The Lovin’ Spoonful), Neil Larsen no teclado (George Harrison, Leonard Cohen) e Todd Rundgren no órgão, além da sessão de metais do lendário estúdio Muscle Shoals. Quatro faixas bônus gravadas em 2017 por Laing ao lado de outros músicos também entraram no pacote.

A princípio o disco será disponibilizado somente em LP durante o Record Store Day, o que deve provocar uma corrida maluca de colecionadores atrás do álbum.


Tracklist e mais informações abaixo:

01. Easy Money (Corky Laing, Ian Hunter)
02. The Best Thing (Corky Laing)
03. I Ain't No Angel (Corky Laing, Ian Hunter)
04. I Hate Dancin' (Corky Laing)
05. The Outsider (Ian Hunter)
06. Silent Movie (Corky Laing, Ian Hunter)
07. Growin' Old With Rock N' Roll (Corky Laing)
08. On My Way To Georgia (Corky Laing, Leslie West, Mick Jones)
09. Just When I Needed You Most (Randy Van Warmer)
10. Lowdown Freedom (Billy Joe Shaver)

Bonus tracks included on digital download card:
* Easy Money (2017 Re-Record)
* Silent Movie (2017 Re-Record)
* Growing Old with Rock & Roll (2017 Re-Record)
* Knock Me Over (New Song by Corky Laing, Chris Shutters, Mike Mikel)

Credits:
Drums, Vocals - Corky Laing (All Tracks)
Keyboards, Vocals - Ian Hunter (tracks: 1-6, 9,10)
Bass, Backing Vocals - Felix Pappalardi (tracks: 1-6, 9,10)
Guitar, Backing Vocals - Mick Ronson (tracks: 1-6, 9,10)
Guitar - Leslie West (tracks: 2, 5, 10)
Guitar - Dickey Betts (tracks: 8)
Guitar - Eric Clapton (tracks: 8)
Guitar - Pete Carr (tracks: 7),
Guitar - Tommy Talton (tracks: 7)
Bass - Calvin Arline (tracks: 7, 8)
Harmonica - John Sebastian (tracks: 6)
Horns - Muscle Shoals Horns (tracks: 7, 8)
Keyboards - Neil Larsen (tracks: 7, 8)
Organ, Backing Vocals - Todd Rundgren (tracks: 2, 5)

Bonus Track Credits:
Drums & Vocals - Corky Laing
Guitar & Vocals - Chris Shutters
Bass & Vocals - Mark Mikel
Drums - Jason Hartless (on "Growin' Old with Rock'n'Roll")
Piano - Craig Adams & Steve Feehan (on "Growin' Old with Rock'n'Roll")

13 de mar de 2018

Five Finger Death Punch anuncia novo disco

terça-feira, março 13, 2018

O sétimo álbum da banda norte-americana Five Finger Death Punch será lançado no dia 18 de maio. O disco tem o título de And Justice For None e faz uma alusão ao clássico quarto trabalho do Metallica.

And Justice For None será disponibilizado em CD e CD deluxe e LP com três faixas bônus e capa exclusiva - a arte que ilustra este post.

Tracklist abaixo:

01. Fake
02. Top Of The World
03. Sham Pain
04. Blue On Black
05. Fire In The Hole
06. I Refuse
07. It Doesn't Matter
08. When The Seasons Change
09. Stuck In My Ways
10. Rock Bottom
11. Gone Away 
12. Bloody
13. Will The Sun Ever Rise

E agora o tracklist com as faixas bônus:

01. Trouble (Bonus Track) 
02. Fake
03. Top Of The World
04. Sham Pain
05. Blue On Black
06. Fire In The Hole
07. I Refuse
08. It Doesn't Matter
09. When The Seasons Change
10. Stuck In My Ways
11. Rock Bottom
12. Gone Away
13. Bloody
14. Will The Sun Ever Rise
15. Bad Seed (Bonus Track)
16. Save Your Breath (Bonus Track)




Novo álbum ao vivo do King Crimson

terça-feira, março 13, 2018

O King Crimson lançará no dia 6 de abril um novo álbum ao vivo. Live in Vienna sairá em CD triplo e traz o show da icônica banda inglesa na capital austríaca no dia 1 de dezembro de 2016.

Os dois primeiros CDs vêm com o show completo, enquanto o terceiro traz os encores e a versão para “Heroes”, de David Bowie. O material vem também com um encarte de dezesseis páginas com textos e fotos inéditas. 

Abaixo o tracklist:

Disc One - First Set: Vienna, 2016
1 Walk On: Soundscapes: Monk Morph Music Of The Chamber
2 Hell Hounds of Krim
3 Pictures of a City
4 Dawn Song
5 Suitable Grounds for The Blues
6 VROOOM
7 The Construkction of Light
8 The Court of the Crimson King
9 The Letters
10 Sailors’ Tale
11 Interlude
12 Radical Action II
13 Level Five

Disc Two - Second Set: Vienna, 2016
1 Fairy Dust Of The Drumsons
2 Peace: An End
3 Cirkus
4 Indiscipline
5 Epitaph
6 Easy Money
7 Devil Dogs of Tessellation Row
8 Red
9 Meltdown
10 Larks' Tongues in Aspic Part Two
11 Starless

Disc Three: Encores and Expansions
1 Heroes
2 Fracture
3 21st Century Schizoid Man
4 Schoenberg Softened His Hat
5 Ahriman's Ceaseless Corruptions
6 Spenta's Counter Claim

Novo documentário mostra a cena de metal na América Latina

terça-feira, março 13, 2018

A mesma equipe responsável pelo premiado documentário The Metal Islands (2016), que mostrou a cena da música pesada no Caribe, agora está trabalhando em um doc sobre o heavy metal na América Latina, mais especificamente no México, Chile, Argentina e Peru.

Com o título de Songs of (In)Justice e com data de lançamento prevista para dezembro, o material examinará como as bandas dos países citados usam a música pesada para refletir sobre as questões sociais que afetam suas vidas. 

Segundo Nelson Varaz-Díaz, diretor da Universidade Internacional da Flórida: “O filme dissipa o mito de que os artistas de metal da região não se uniram em torno das questões sociais e políticas. O metal na América Latina tem sido extremamente reflexivo sobre a realidade em que está inserido. Essas bandas e músicos viveram a repressão política, as ditaduras, a tortura, o assassinato de populações indígenas e políticas extremamente neoliberais que priorizaram as privatizações. Essas questões se refletem em suas músicas, e nos foi concedido o privilégio de nos envolvermos em conversas profundas sobre esses temas. Não vemos a hora de o mundo assistir ao documentário”.






Pearl Jam lançará novo álbum ainda em 2018

terça-feira, março 13, 2018

O Pearl Jam anunciou que lançará um novo disco ainda em 2018. A confirmação veio com o single “Can't Deny Me”, lançado exclusivamente para os membros do fã-clube da banda norte-americana e que, segundo o press release oficial enviado para a imprensa, é a primeira prévia do novo álbum do grupo.

O trabalho, ainda sem título definido, será o primeiro do Pearl Jam em cinco anos, desde Lightning Bolt (2013). Como o single foi produzido por Brendan O’Brien, ele também deve ser o provável produtor do novo disco.

Ouça "Can't Deny Me" abaixo:

Rockpalast produz documentário sobre o Orphaned Land

terça-feira, março 13, 2018

O clássico programa de TV alemão Rockpalast produziu um documentário de quase uma hora de duração com a banda israelense Orphaned Land. 

O vídeo traz os caras no palco ao lado do Carcass e entrevistas com os músicos e equipe.

Todo em inglês, o doc pode ser assistido abaixo e é uma ótima oportunidade de conhecer mais sobre o Orphaned Land:

12 de mar de 2018

HQ de Deuses Americanos será publicada no Brasil

segunda-feira, março 12, 2018

A adaptação para os quadrinhos de Deuses Americanos, best seller de Neil Gaiman, chegará ao Brasil em abril pela Editora Intrínseca. O livro foi adaptado em três graphic novels, e o primeiro deles, intitulado Sombras, chegará às bancas e livrarias brasileiras no dia 9 de abril. 

A trama, que também foi adaptada para uma série de TV pela Amazon Video, conta a disputa pela reverência dos fiéis atuais entre os deuses tradicionais e os novos deuses, personificados em entidades como a internet, a mídia, o dinheiro e outros, tudo isso com inúmeras referências à mitologia e fantasia. Os personagens principais, Shadow e Mr. Wednesday, conduzem a trama.

O ilustrador Scott Hampton (Sandman, Batman, Viúva Negra) e o roteirista e ilustrador P. Craig Russell (Fábulas, Hellboy, Demolidor) assinam a graphic novel, que conta com capas criadas por nomes como Glenn Fabry e Fábio Moon.


Abaixo está o release da Editora Intrínseca:

Em Sombras, Shadow Moon está completamente perdido. Recém-saído da prisão, o homem descobre que sua esposa morreu em um trágico acidente de carro. No caminho para o funeral, ele conhece o enigmático Senhor Wednesday e embarca em uma viagem tumultuada e reveladora por cidades inusitadas dos Estados Unidos. É nesses encontros e desencontros que o protagonista se depara com os deuses — os antigos (que chegaram ao Novo Mundo junto dos imigrantes) e os modernos (o dinheiro, a televisão, a tecnologia, as drogas) —, que estão se preparando para uma guerra que ninguém viu, mas que já começou. O motivo? O poder de não ser esquecido.

O livro foi feito em parceria com Scott Hampton e P. Craig Russell, dois dos quadrinistas mais conceituados da atualidade.

Além disso, o volume traz extras para nenhum fã botar defeito, como esboços dos quadrinhos e estudos de personagens, layouts originais e também capas de artistas renomados , como Fábio Moon, David Mack, Becky Cloonan e Glenn Fabry.

Iron Maiden chega a acordo em processo de plágio de “Hallowed Be Thy Name”

segunda-feira, março 12, 2018

O Iron Maiden chegou a um acordo no processo contra a banda devido a um suposto plágio entre a clássica “Hallowed Be Thy Name” e a faixa “Life's Shadow”, do grupo inglês Beckett.

O processo foi movido pelo manager aposentado Barry McKay e acusou a semelhança entre “Life's Shadow” e um dos maiores hinos do Iron Maiden. A canção, presente no disco de estreia do Beckett, foi composta por Brian Quinn e Robert Barton. Ela está no primeiro e único LP do Beckett, lançado em 1974. 

O fato curioso da história é que o Beckett era empresariado por Rod Smallwood, que alguns anos mais tarde assumiria a administração do Iron Maiden e foi um dos grandes responsáveis, ao lado de Steve Harris, por transformar o sexteto britânico em uma potência do rock. Harris também se pronunciou no processo, admitindo que conhecia o disco do Beckett e que o álbum era um dos seus favoritos na época em que foi lançado. Vale lembrar que “Hallowed Be Thy Name” foi lançada oito anos depois, em 1982, fechando o terceiro disco do Iron Maiden, o icônico The Number of the Beast.

A imprensa chegou a noticiar que o acordo entre ambas as partes obrigaria Steve Harris e Dave Murray a pagarem algo em torno de 1,25 milhão de dólares referentes aos danos e custos do processo, porém uma fonte próxima ao Maiden afirmou que o acordo saiu mais em conta, aproximadamente 765 mil dólares.

Todo esse processo fez com que o Iron Maiden retirasse “Hallowed Be Thy Name” do setlist de seus shows, deixando a música de fora de toda a turnê realizada durante 2017.

Eric Clapton, uma vida em 12 compassos

segunda-feira, março 12, 2018

Eric Clapton é uma das principais razões porque eu gosto de rock. O vi na primeira vez em uma danceteria de bairro, durante o segundo grau (ensino médio), no telão da playhouse da Praça Seca, quando descansava de tentar dançar new wave e ritmos afins. Já era roqueiro desde 1984-1985 pelo menos quando fui iniciado pela minha saudosa mãe na arte de gostar de Beatles e Elvis Presley. Mas solos de guitarra e blues somente quando comecei a escutar Dire Straits, Led Zeppelin e The Doors, já com uns 15 anos.

Mas ver aquele cara branco, magro e elegante, estilo clássico, empunhando uma fender strato preta em um palco japonês (local onde ele mais tocou), por quase duas horas, tocando blues rocks envenenados e emocionantes como "Blues Power", "Tulsa Time", "After Midnight” e "Rambling on My Mind”, além do clássico "Cocaine", não teve preço para mim. Foi uma aula de blues e rock clássico de um dos maiores guitarristas de todos os tempos. Já estava viciado naquilo, blues-rock na veia!

Alguns anos depois e três shows do deus da guitarra no currículo, dá uma tristeza vê-lo acusando o golpe da idade, das dores nas mãos e pés (neuropatia periférica) e se aposentando dos palcos, já gravando pouco (e não tão bem como antes). Mas Clapton, hoje com 72 anos, deixou um legado enorme aos fãs de rock e qualquer outra música de qualidade (até mesmo os jazzistas como Wynton Marsalis gravaram com ele).


E para celebrar esse legado a Showtime produziu o documentário Eric Clapton: Life in 12 Bars, que estreou em fevereiro de 2018, dirigido por Lili Fini Zanuck, produtora do filme Conduzindo Miss Daisy (1989), ganhadora do Oscar de melhor filme em 1989. Participou o produtor John Battsek, ganhador do Oscar de melhor documentário de longa-metragem do excelente Searching for Sugar Man, contando na edição de Chris King do mesmo filme.

Eric Clapton disponibilizou seu arquivo pessoal para a realização do documentário, com fotografias, vídeos, cartas escritas à mão, desenhos e até passagens de diários que contam sua infância sofrida pelo abandono da mãe, sua fuga na adoração ao blues e à música em geral, ascensão como o 'deus da guitarra', amizades e inúmeras bandas (super bandas) que participou, além do conturbado romance com a esposa na época de George Harrison, seu melhor amigo, que ajudou a amplificar seu vício em heroína e álcool que quase destruiu sua carreira nos anos 1970.



"Eu não sei como sobrevivi – aos anos 1970, especialmente. Como estou recuperado do alcoolismo e do vício, acho uma coisa incrível estar vivo, 
afinal. Pela lógica, eu deveria ter batido as botas muito tempo atrás. Por alguma razão, fui tirado nas garras do inferno e recebi uma nova chance"

Através de materiais de arquivo e imagens nunca antes vistas pelo público, esta é uma análise minuciosa sobre os ápices e as tragédias que marcaram a carreira de Eric Clapton, conhecido como o maior guitarrista de todos os tempos ao lado de Jimi Hendrix. Em 2017, o filme foi selecionado para a o Festival Internacional de Cinema de Toronto.


"Eu sabia que era diferenciado.”

O doc tem imagens de arquivo inéditas e sensacionais dos Yardbirds, de John Mayal & the Bluesbreakers, com narração do próprio 'Ric' (como os avós que lhe criaram lhe chamavam) - assim como em seu livro de memórias, e os depoimentos de amigos de bandas, de sua avó e outros músicos como Roger Waters, e tem imagens incríveis como a de Bob Dylan assistindo os Bluesbreakers em um programa de televisão.

O filme passa pelo Cream, Blind Faith (em um show ao vivo no filme), pela ascensão de Clapton e o seu blues-rock no cenário mundial, mostrando Hendrix 'cortejando' Clapton, e mostra uma jam session de Eric e Aretha Franklin no estúdio da Atlantic Records. Aretha ri das roupas psicodélicas de Eric e imediatamente para de rir quando Eric toca. "Ela sacou que a coisa era real agora”, diz o dono/fundador da Atlantic, Ahmet Ertegun, sobre o episódio.


Life in 12 Bars tem a participação do saudoso e grande B.B. King que, em determinado momento do filme, confessa que "a América branca não se importava com o blues, mas graças à Eric, as portas se abriram pra nós”, e mostra a relação de Clapton com King (que rendeu um baita CD e várias parcerias em shows). 

Marcante também é a história de Pattie Boyd e ele, com depoimentos da mesma com o fundo das fotos e vídeos dos casais na época (Clapton e sua namorada, George e Patttie) em puro desconforto. O filme passa pela a rejeição da mãe dele quando pequeno,  o processo de composição de "Layla" tendo Pattie como inspiração e sobre a dor que ele sentiu ao abrigar uma paixão longa, principalmente não correspondida pela esposa de seu melhor amigo, George Harrison. O clímax do álbum, "Layla", certamente uma das grandes músicas de todo o cânone de rock, foi derivado da história persa de Layla e Majnun, uma tragédia romântica famosa. O amor de Clapton por Pattie tem todas as características da tragédia, mas ele conseguiu transformá-lo em uma ótima arte. O seminal álbum que contém a música, Layla and Other Assorted Love Songs, é um dolorido clássico na obra de Eric, ganhando ainda relevo com a  entrada de Duane Allman (que fala no doc) na banda dos Dominos (Delaney and Bonnie), depois de Eric assistir a um  show dos Allman. Aqui o filme tem imagens inéditas de Duane solando em “Layla" … sensacional!


No fim é difícil ver o doloroso período de 1971 em diante, com auge em 1974, quando ele retorna ao vício em álcool, mostrando imagens de shows em que ele fez bêbado, fazendo meia hora de show com contrato de uma hora e meia. E após a tragédia (mais uma) de seu filho Connor - morto por acidente com apenas 4 anos de idade ao cair da janela de um prédio em Nova York - mostra como Eric se cercou de seus amigos e música no Crossroads Festival e na caridade em seu projeto de recuperação do vício em drogas e álcool, fazendo música em alto nível como o Unplugged MTV e outros, ganhando Grammys para esquecer ou transformar a dor em algo positivo. FILME IMPERDÍVEL PARA O FÃ DE CLAPTON OU NÃO.


ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE