Review: Baroness – Gold & Grey (2019)



Gold & Grey é o quinto álbum da banda norte-americana Baroness e foi lançado na metade de junho. O disco é o sucessor de Purple (2015) e marca a estreia em estúdio da guitarrista Gina Gleason, no quarteto desde 2017. Gold & Grey vem com dezessete faixas e foi produzido por Dave Fridmann, que já havia trabalhado com o grupo no disco anterior.

Antes de falar sobre o álbum, já quero iniciar este review abordando um ponto polêmico e que tem gerado várias discussões entre os fãs: a produção. Gold & Grey intensifica os timbres e a sonoridade suja, que em diversos momentos parece estar em baixa resolução, e que foi apresentada em Purple. A abordagem de Fridmann é inegavelmente controversa, e a opção da banda por esse aspecto mais cru e longe do som cristalino e pesado dos três primeiros álbuns divide os fãs. Pessoalmente, faço parte da turma que não compartilha o pensamento dos músicos e de Dave Fridmann, pois me parece que uma banda com uma musicalidade tão intensa e cheia de detalhes como é o caso do Baroness necessita de uma produção que torne ainda mais evidentes e claras qualidades como essas. O som sujo incomoda em algumas canções e em outras não é uma questão tão importante assim, mas quem acompanha a trajetória do quarteto liderado pelo vocalista e guitarrista John Baizley há um certo tempo certamente sentirá uma diferença nada agradável.

Contando com Baizley, Gleason, o baixista Nick Jost e o baterista Sebastian Thomson, o Baroness segue a sua evolução em Gold & Grey. Classificar a banda apenas como heavy metal deixou de fazer sentido no fenomenal Yellow & Green (2012), e neste novo trabalho a banda segue partindo da música pesada na maioria das vezes e chegando nos mais diversos caminhos sonoros. Essa variedade de opções e a imprevisibilidade que ela proporciona é um dos pontos que sempre me fez admirar o grupo, e continua sendo um destaque em Gold & Grey. É possível ouvir elementos de rock progressivo, jazz-rock, pop, metal mais extremo e uma gama variada de influências.

O outro ponto que diferencia o Baroness e que é, muito provavelmente, a sua principal característica, é o apelo emocional de suas músicas. Não no sentido de elas significarem algo para a vida dos ouvintes – o que realmente significam, sem dúvida, e cada fã possui uma relação individual com aquilo que ouve -, mas sim na forma como elas são construídas. O Baroness trabalha costumeiramente com estruturas harmônicas e com arranjos ascendentes, que fazem as faixas partirem de um ponto e irem crescendo até chegarem ao seu ápice. A chegada de Gina Gleason parece ter evidenciado ainda mais esse ponto. A opção por vocais dobrados na maioria das músicas também é um ingrediente recorrente, e que intensifica ainda mais esse “arrepiamento” que a música do Baroness proporciona ao ouvinte. Em uma comparação rápida, é a técnica executada com perfeição pelo Fleetwood Mac no clássico Rumours (1977) aplicada ao metal, com um resultado igualmente arrebatador.

Um outro apontamento necessário de se fazer em relação a Gold & Grey é que John Baizley encontrou a sua parceira ideal em Gina Gleason. A interação entre as guitarras, que sempre foi um ponto forte da banda, aqui é ainda mais explorada. Bases, harmonias, melodias e solos executados de maneira simultânea pelos dois fazem com que o termo “guitarras gêmeas” adquira outra definição, em uma interação não menos que brilhante.

Uma banda com um aspecto emocional tão forte quanto o Baroness possui características que, ao mesmo tempo em que agradam os convertidos, afastam aqueles que não batem com a proposta dos norte-americanos. O afastamento gradual das fórmulas empregadas no heavy metal faz com que essa rejeição ganhe novos contornos, o que a produção “low resolution” não colabora em nada para aplacar. Então, esse parágrafo acaba com uma recomendação: se você curtiu o Baroness de Yellow & Green e Purple, e também dos iniciais Red Album (2007) e Blue Record (2009), principalmente pela forma inovadora de tocar heavy metal e por tirar o estilo de sua zona de conforto, muito provavelmente Gold & Grey não será para os seus ouvidos.

Agora, se você sempre curtiu o temperamento aventuresco da banda, Gold & Grey é um passo lógico nessa história. Como já dito, o Baroness está cada vez mais distante do metal e caminha sem cerimônias por estilos variados, incluindo na receita inclusive uma aproximação com o cenário do rock alternativo. Isso tudo faz de Gold & Grey um disco ainda mais desafiador do que o ponto de interrogação tradicional encontrado nos álbuns da banda.

Concluindo, a minha opinião a respeito de Gold & Grey é que trata-se de uma obra pretensiosa como sempre, mas que não alcança o resultado dos dois discos anteriores. Não há neste novo trabalho canções cativantes como “Take My Bones Away”, “March to the Sea” e “Eula”, responsáveis por colocar Yellow & Green acima das nuvens, e nem jornadas melódicas como “Chlorine & Wine”, “Shock Me” e “Morningstar”, do fortíssimo Purple. A produção é um problema crucial em Gold & Grey e, infelizmente, puxa o disco para baixo, prejudicando um álbum que possui inegáveis qualidades mas que foram soterradas, em grande parte, pela sonoridade crua que ele apresenta.

Mesmo com tudo isso, o Baroness ainda vale um tempo no seu dia. Pare, respire fundo e ouça Gold & Grey sem pressa. Afinal, atrás desse denso muro construído de maneira equivocada pela banda, existe um belo jardim esperando por você.

Comentários

  1. Cheguei a conclusão que com a saída do antigo guitarrista ( Peter Adams ) o Baroness perdeu características impostantes que estavam funcionando nos álbuns anteriores e que se ausentaram no Gold. Achei o novo álbum bom, mais inferior aos anteriores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente, Jurandy. Gold é um ótimo disco, mas parece ter perdido a essência em termos melódicos (que fundida às pedradas stoner, deu uma sonoridade muito própria ao Baroness nos dois álbums anteriores), e tb atribuo isso à saída de Adams (não desmerecendo a bela atuação de Gina). Soa mais cru e menos emocional. Outra coisa que também não me agradou foi a repetição dos temas (líricos, conceituais e estéticos), o que deixou o álbum um pouco cansado. E concordando com o artigo, realmente, algumas faixas seriam magníficas não fosse a opção pelo som mais sujo. Enfim, é um bom trabalho, mas que deixou aquela sensação de faltou algo, em consonância com os trabalhos anteriores e a expectativa daqueles fãs que conheceram a banda através de Yellow e Purple como eu. Abraço!

      Excluir
  2. Eu gostei bastante. Continua um grande banda. Ótimo review..e comentários dos usuários do site.
    Abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.