Review: Ozzy Osbourne – Ordinary Man (2020)



Primeiro álbum solo de Ozzy Osbourne em uma década, Ordinary Man é o sucessor de Scream (2010) e traz o Madman acompanhado de uma banda formada pelo guitarrista Andrew Watt (que tocou ao lado de Glenn Hughes no California Breed e também é o produtor do disco), pelo baixista Duff McKagan (Guns N’ Roses) e pelo baterista Chad Smith (Red Hot Chili Peppers, Chickenfoot). O trabalho conta também com participações de Slash (em “Straight to Hell” e “Ordinary Man”), Elton John (que toca piano e divide os vocais na faixa que batiza o disco) e Tom Morello (em “Scary Little Green Men”), além dos rappers Post Malone (em “It’s Raid” e “Take What You Want”) e Travis Scott (em “Take What You Want”). Ao todo são onze canções inéditas em 49 minutos.

Ainda que seja louvável ouvir Ozzy ativo e produtivo aos 71 anos, depois de diagnosticado com Mal de Parkinson e adiando a turnê de lançamento do trabalho contínuas vezes por problemas de saúde, é inegável que Ordinary Man é um álbum irregular. E não teria como ser diferente, já que ele reflete o momento do cantor. Quedas domésticas, doenças crônicas e problemas neurológicos depreciativos fazem parte do cotidiano atual de Ozzy, infelizmente, e são questões impossíveis de fugir. Elas impactam a produção criativa do eterno vocalista do Black Sabbath, que mesmo assim preferiu não se esconder atrás do mito que é, vindo à tona com um novo álbum quando ninguém mais ainda esperava por isso.

A primeira parte de Ordinary Man soa exatamente como o Ozzy pós-No More Tears (1991), e canções como “Straight to Hell” e “Goodbye”, e principalmente o trio de arrepiantes baladas “All My Life”, “Ordinary Man” e “Under the Graveyard”, vêm acompanhadas por uma carga autobiográfica e emocional gigantesca nas letras. É Ozzy olhando para a sua vida, refletindo sobre a sua trajetória e concluindo a sua história. Essas cinco faixas são o ponto forte do trabalho e estão entre as melhores que o vocalista gravou em quase trinta anos. 

Ecos de Black Sabbath podem ser sentidos desde a introdução da primeira música, com os clássicos “Allright, now!” e “Come on, now!”, na homenagem consciente à clássica “Iron Man” no início de “Goodbye” e no resgate da harmônica de Ozzy, eternizada em “The Wizard” e ressuscitada aqui em “Eat Me”. “Today is the End” soa como pai olhando para o filho, com Ozzy aproximando-se do Metallica dos tempos de Load. “Scary Little Green  Men” e a Beatle “Holy for Tonight” fecham algo que poderia ser chamado de “tracklist normal” de Ordinary Man, e a conclusão após ouvir essas nove faixas é que o disco mantém a média de Ozzy a partir de Ozzmosis (1995). Ou seja: um trabalho mediano com algumas canções marcantes, mas que não compromete a trajetória de um dos maiores personagens da história do rock.

A discussão principal está nas duas últimas canções, que trazem Ozzy ao lado dos rappers Post Malone (cuja carreira conta com Watt como produtor) e Travis Scott. A primeira é uma espécie de punk rock repleto de energia e que, apesar de não possuir nada em comum com a sonoridade do Madman, não chega a comprometer – ainda que o clima juvenil na linha Green Day não seja necessariamente um elogio. A coisa sai realmente dos trilhos em “Take What You Want”, onde Ozzy serve apenas de escada para uma canção que está totalmente alinhada com o universo sonoro de Post Malone e conta com Travis Scott como convidado especial. Se estivesse em um disco de Post Malone, não geraria discussão. Em um álbum de Ozzy ela soa totalmente deslocada, ainda mais porque o Madman é um coadjuvante na canção, que tem claramente Malone como protagonista. Talvez “Take What You Want” chame a atenção de uma nova geração de ouvintes para o trabalho de Ozzy, já que Post Malone é um dos nomes mais populares do pop atual, mas o fato é que a canção soa totalmente à parte de tudo que veio antes em Ordinary Man.

Um ponto que precisa ser mencionado é que a produção é muitas vezes exagerada, com timbres plastificados e artificiais, e o vocal de Ozzy soa quase como uma caricatura em diversos momentos. Porém, devido à toda contextualização sobre o momento atual do vocalista, Ordinary Man me parece muito mais como um grito de “ei, ainda estou vivo e produtivo” do que um disco que chegaria para bater de frente com obras inquestionáveis como Blizzard of Ozz (1980), Diary of a Madman (1981) e No More Tears (1991).

Ainda que irregular e com falhas claras, Ordinary Man mostra que Ozzy segue como pode e do jeito que dá. E, a essa altura do campeonato e com tudo que está acontecendo em sua vida, isso é o mais importante.

Comentários

  1. É por ai mesmo. Gostei do disco, apesar das escorregadas. Só de conter umas cinco ou seis faixas que não fazem feio frente ao catalogo clássico já é um triunfo, visto a condição no qual o CD foi gravado. Eu até achei o experimento realizado na ultima faixa interessante, mas concordo que soa estranho. Abração.

    ResponderExcluir
  2. a ultima musica, take what you want, é na verdade uma musica do Post Malone com participação do Ozzy e foi colocada como bonus track.. Por isso soa tão fora de mão

    ResponderExcluir
  3. Poderia e deveria ter sido lançado como EP e ficaria muito melhor sendo 4 ou 5 faixas, seria muito mais justo com todos, como um album achei um dos mais fracos de sua discografia. E este Past Malone é um bosta, deveriam ter escolhido outro produtor, seria muito melhor.

    ResponderExcluir
  4. Andrew Watt é um ótimo músico e compositor. Pena que a sua parceria com Glenn Hughes tenha sido muito curta.

    ResponderExcluir
  5. Olha. Entendo e respeito a crítica. E mesmo sendo um grande fã do trabalho do Osbourne de toda a carreira solo/BS, achei sua crítica exagerada. Eu gostei das músicas com post e travis. Acho legal tentar trazer o público jovem para o metal. Dentro das possibilidades gosto de post Malone e acho o trabalho dele interessante.

    ResponderExcluir
  6. Achei um álbum ótimo, mesmo sem considerar o momento delicado que atravessa o Madman. E como, a maioria, acho bem equivocadas as famigeradas faixas com o Post Malone. No entanto, com um legado desse porte, Ozzy pode escorregar sem culpa. Mas, como dizem meus amigos, minha opinião não vale, pois meu álbum favorito do homem é o Ozzmosis... kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eeeeeeeeepaaaaaaaa! Mais um! Acho demais aquele álbum, e aquela line-up, Zakk, Dean Geezer, além do Wakeman! Ótimas baladas, refrães fortes, e... Perry Mason, Thunder Underground! Valeu Cadão!

      Excluir
    2. Sou mais um que gosta do Ozzmosis.

      Excluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.