Review : Heavy Feather - Débris & Rubble (2019)


No rock atual, uma banda ter como seu país natal a Suécia já chama a atenção de quem está ligado no que melhor rola no gênero. O Heavy Feather é mais um fruto do país escandinavo e não é uma exceção. Débris & Rubble é o disco de estreia do quarteto e foi lançado em abril de 2019 na Europa. E, para alegria de quem curte os bons sons, ganhou edição nacional pela Hellion Records.

A coisa já chama a atenção pelo vocal de Lisa Lystam e pelo mergulho nos mares setentistas guiado por Matte Gustavsson (guitarra), Morgan Korsmoe (baixo) e Ola Göransson (bateria). As onze faixas do álbum trazem uma sonoridade orgânica e clara, que não escondem a inspiração no clima da década de 1970. O quarteto tem momentos em que foca sua criatividade no rock, em outras soa como um ótimo blues rock, e por aí vai entregando canções que cativam o ouvinte. As influências passam por Cream, Free e Blues Pills, o que faz da banda uma ótima pedida pra quem curte um rock atual que não tem a menor vergonha de soar como clássico.

Os destaques vão para a potente voz de Lisa e para a guitarra malandra de Matte, que conduz as canções de maneira firme e certeira. A dupla baixa e bateria vem com muito groove e balanço, com mãos e dedos soltos. O tracklist impressiona com uma coleção de canções bastante sólida, o que esconde o fato de estarmos ouvindo uma banda estreante. Entre elas, adorei o groove de “Waited All My Life”, a energia de “Higher”, o balanço de “Long Ride”, “Please Don’t Leave” e “Where Did We Go”.

O Heavy Feather é uma grande dica pra quem procura um som honesto e com vida, que olha para o passado com carinho e entrega de presente para o ouvinte uma música bem feita e que toca o coração de quem é fã dos incríveis anos 1970.

Belo disco, ótima estreia!

Comentários

  1. Gostei muito da indicação. Vale a pena conferir. Acho que talvez a maior influência seja do Rival Sons.

    ResponderExcluir
  2. Uma ótima banda da Suécia é a Bridge to Mars, liderada pelo guitarrista J.J.Mars que tocou muito tempo com Glenn Hughes. Ele tb tem um ótimo disco solo.
    Fica a dica.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Banda muito boa. Paixão à primeira audição foi inevitável. Uma pena que o encarte do cd veio sem as letras.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.