27 de fev de 2017

O rock, a música e a vida


Em 13 de julho será comemorado mais um Dia Mundial do Rock, data criada na década de 1980 em homenagem ao Band Aid, iniciativa idealizada pelo músico Bob Geldolf e que reuniu diversos grandes nomes do rock inglês no single beneficente “Do They Know It’s Christmas?”, lançado em 1984 e o precursor das reuniões de artistas em prol de uma causa - o USA for Africa e seu “We Are the World” chegaram às lojas um ano depois, em 1985.

Inspirado pela data, olhei para o passado e mergulhei fundo na memória buscando lembranças, experiências e momentos que explicam a minha relação com o rock. E fazendo esse exercício consegui pinçar aquelas que foram as bandas e artistas mais importantes na minha imersão seguida de paixão à primeira vista e convertida, rápida e definitivamente, em amor para toda a vida.

O relato a seguir não possui nenhum valor científico, tampouco busca ser minimamente definitivo, afinal, como você bem sabe, música é algo subjetivo, que está ligado intimamente à memória afetiva e às experiências de cada um. Pra mim foi assim, mas para você, tenho certeza, foi ou será diferente.

Quando era adolescente, eu só ouvia heavy metal. Aí conheci os Beatles e percebi que havia muito mais além daquele mundo cercado por peso e camisetas pretas. John, Paul, George e Ringo me apresentaram um novo mundo, onde não havia limites entre gêneros e estilos. Assim, ainda em choque, bati de frente com o Led Zeppelin e os poucos preconceitos que ainda tentava conservar com afinco caíram por terra e nunca mais voltaram a ver a luz do dia. A banda era tão intensa, tão forte, que durante anos e ainda hoje, ao escutar seus discos, sinto um pontapé violento no peito. Sensação semelhante a que me foi proporcionada ao ouvir pela primeira vez o Black Sabbath ainda com o rosto cheio de espinhas, e ficar fascinado por aquele mundo construído por riffs contagiantes e por uma voz desafinada, mas cheia de carisma. Se o heavy metal continua fazendo parte dos meus dias no alto dos meus mais de 40 anos, eis aí os culpados.

Então, como um sopro de renovação e uma cachoeira multi-colorida, mergulhei no oceano sem fundo do Pink Floyd, entrando em transe e liberando doses maciças de dopamina a cada audição. Bem estar que foi intensificado ao conhecer, meio sem querer mas sem querer abrir mão desde então, o rock de cabaré movido a piano e exageros de Freedie Mercury e o Queen. Quem nunca se emocionou ao ouvir “Bohemian Rhapsody” jamais experimentou o poder inebriante da música.

Força essa responsável não apenas por manter os Rolling Stones na estrada desde o início dos tempos, como também o combustível que queima e mantém aceso infinitamente o apelo cativante das canções destes ingleses há séculos. Experimente mostrar “Satisfaction” para uma criança e você verá. Jagger e Richards deram ao mundo a mais perfeita definição do rock and roll, ainda que os irmãos Young e seu AC/DC há tempos dividam o posto e são merecedores da mesma definição que acabei de atribuir a Mick e Keith.

Mas, sem aviso e de surpresa, Eric Patrick Clapton repentinamente revelou que as seis cordas da guitarra poderiam fazer surgir sons impossíveis, característica que seu fã, um jovem negro norte-americano chamado James Marshall Hendrix, levou muito além, colocando o mundo aos seus pés com experimentos e um talento único e jamais visto desde então.

E tudo não estaria completo sem uma viagem pelas estradas norte-americanas, partindo da Califórnia e chegando na Flórida, mais precisamente à pequena Jacksonville, terra natal de uma das mais emblemáticas bandas e do mais impressionante trio de guitarras já visto nesse e em todos os outros mundos. É claro que estou falando do Lynyrd Skynyrd e suas imortais criações como “Free Bird”, “Simple Man”, “Sweet Home Alabama” e “That Smell”.

E no caminho, parando para comer algo e beber a sempre bem-vinda cerveja gelada, cruzamentos marcantes com gênios como Elton John, David Bowie, Bob Dylan, Chuck Berry, Elvis Presley e Neil Young, além de diversão infinita com nomes que fazem parte da minha, da sua e da vida do inconsciente coletivo como The Who, The Doors, The Byrds, Creedence Clearwater Revival, Allman Brothers, Deep Purple, Eagles e mais um monte de gente boa.

Sem aviso e sempre refrescantes, os desvios e atalhos que surgiram pelo caminho me levaram para outros universos que hoje soam indispensáveis e complementares uns aos outros, como o jazz de um certo Miles, o blues certeiro do amigo Muddy, o funk de Herbie e o soul de Sam, Otis, Wilson e Aretha.

O bom disso tudo é que a estrada está longe, bem longe, de terminar. Há apenas um belo e longo horizonte à frente, me levando em alguns momentos para o futuro, em outros para o passado, mas sempre naquela que parece não apenas a direção certa, mas a sonoridade que a minha vida e o meu espírito precisam ouvir naquele período.

Por tudo isso e mais um pouco, a música é a companhia constante, a amiga presente, a conselheira experiente, a amante insaciável, o beijo arrebatador e o colo reconfortante. Sem ela os dias ficariam sem graça e o mundo não faria sentido.

Em apenas uma frase, tudo e nada além: MÚSICA É VIDA.

8 comentários:

Vagner Carvalho disse...

Este amigo que vos escreve...que iniciou sua jornada com o Zeppelin de Chumbo...nao poderia deixar de postar um comentario parabenizando e celebrando esse belissimo texto sobre a nossa companheira inseparavel, amiga de todas as horas.
Musica de qualidade vai bem sempre...
Valeu Ricardo.

Grande Abraco !!!

Vagner NC

Almada disse...

...''MÚSICA É VIDA'' ... Vida é movimento... E música tá eternamente em vida, VIVO!PULSANDO! em gerundio. Parabéns caro Ricardo (C#R) Seelig por + um texto n ROLL! ROCKnize-SE.

Fábio RT disse...

Belo texto !!!
Comecei com o Arise do Sepultura e a discografia do Iron Maiden...mas rapidamente fui conquistado pelo Trio de ferro dos 70: LED,SABBATH e PURPLE ...tanto que passei muitos anos achando que a música que prestava era SÓ desta década. Ainda bem que isso passou...ouço muita coisa e de diferentes estilos hj em dia e para mim todos os anos são ótimos. Música e preconceito não combinam....arte é pra abrir a cabeça e não fechar.

Joao Marcelo Villanova disse...

Que belo texto! Foi divertido lê-lo!!!
E pensar que já fui do "Necroticism: Descanting The Insalubrious" do Carcass ao "Aqualung" do Jethro Tull sentindo o mesmo arrepio na pele!

Viva o Rock!!! Viva o Metal!!! Viva a Música!!! Viva a Vida!!!

FabioRuas disse...

Excelente texto!! Escorreu suor dos olhos aqui.

Minha iniciação no Rock n' Roll também foi com o Led Zeppelin e depois Sabbath e Deep Purple, a partir de então o Rock passou de algo ocasional para algo fundamental em minha vida, e com o passar do tempo, novos sons e novos horizontes foram se abrindo, indo de Mpb, jazz e blues ao Metal Extremo.

Enfim, tudo se resume ao amor pela boa música que nos traz sentimentos insubstituíveis e deixa nossa vida muito melhor.

Abraço!!

Unknown disse...

Belo texto. Ainda tenho lembranças de como propriamente comecei a mergulhar no rock. A paixão começou quando eu colocava um show do Iron Maiden pra tocar alto na sala de estar. E fui conhecendo grandes clássicos... expandi os horizontes e fiquei quase 4 anos ouvindo apenas heavy metal, do power ao brutal death/black. Hoje, me libertei de qualquer preconceito (ou quase todo) que eu julgava importante ter, e como foi dito no texto, hoje escuto o que o meu espírito inquietante anseia. O amor à música é implacável!

Luiz Rodrigo disse...

Comecei quando um tio mudou-se para minha casa.

Tinha uns 30 LPs de rock. Led Zep, Rush, Stones, Purple, AcDc, Aerosmith, Rory Gallagher e mais alguns.

Detestava aquele tipo de música barulhenta. Tinha 10 anos.

O Zeppelin me chamou a atenção. Quando ouvi pela primeira vez detestei. Ouvi pela segunda odiei.

Ouvi pela terceira vez e me apaixonei. Hoje tenho todos os vinis, cds e etc.

O meu tio se mudou um ano depois para estudar em uma universidade perto da cidade aonde eu estava e deixou os discos comigo. Estão comigo até hoje e os meus amigos o conhecem como "tio Zep". Rsrsrs

FabioRuas disse...

Outra coisa que me lembro:
Quando eu tinha uns 16 ou 17 anos eu ouvia todos os dias um programa chamado "old Frinds" que passava na rádio rock aqui de Ctba, a 91 Rock, só tocava Rock clássico. Isso foi essencial para que eu descobrisse novos sons, Led, Sabbath, Purple, Lynyrd Skynyrd, Jimi Hendrix, The Doors, só coisa fina, deu até uma nostalgia, bons tempos.

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE