18 de fev de 2017

Novo documentário conta a história do black metal norueguês

sábado, fevereiro 18, 2017

Será lançado dia 11 de abril pela Soundview Media Partners o documentário Blackhearts. O material conta a história da influente e polêmica cena black metal norueguesa, e será disponibilizado em DVD e em formato digital.

Blackhearts é focado na vida de três fãs apaixonados pelo black metal, e segue o trio enquanto conta a história da cena que surgiu na Noruega no final da década de 1980 e início dos anos 1990 e ficou famosa pela associação direta ao satanismo, queima de igrejas e pela morte de pelo menos 25 pessoas. 

O trio é formado pelo iraniano Sina, pelo colombiano Hector e pelo grego Kaiadas, que viajam e se encontram na Noruega, a meca do gênero. Sina é o único músico iraniano de black metal conhecido. Hector é um devotado satanista que organiza um ritual para vender sua alma ao diabo. E Kaiadas é um cara de extrema-direita que conseguiu um assento no parlamento grego de dia, enquanto toca na banda Near Mataron à noite. O grego já foi condenado a vinte anos de prisão por estar ligado a uma organização criminosa. 

Enquanto conta a ascenção e auge da cena norueguesa, o documentário mostra a relação dos três personagens principais com o estilo, em uma abordagem bastante interessante para quem se interessa pelo gênero. 


O filme ganhou o prêmio de Melhor Documentário Internacional na última edição do festival Sound on Screen, além de ter recebido menção honrosa do júri do festival Nordic/Docs de 2016 e outros prêmios.

Assista ao trailer de Blackhearts abaixo:

17 de fev de 2017

Papa Emeritus fala sobre o novo disco do Ghost e a provável troca de todos os integrantes

sexta-feira, fevereiro 17, 2017

Em entrevista ao Metal Wani, Tobias Forge, o vocalista por trás do Papa Emeritus do Ghost, revelou que a banda sueca passará grande parte de 2017 gravando o seu novo disco, que deverá ter um direcionamento mais sombrio. O álbum começará a ser gravado em agosto, logo após o final da atual turnê dos mascarados.

Sobre o novo disco, Papa revelou: “As ideias para o novo disco apontam um direcionamento mais sombrio, porque estamos indo por um caminho e uma temática diferentes. É uma pegada mais soturna. Meliora supostamente refletia uma espécie de utopia/distopia sobre a sociedade moderna, enquanto este novo disco será um pouco mais apocalíptico, com um retorno aos tempos medievais - o que, obviamente, é algo associado à escuridão. No metal e e no metal extremo você tem uma miríade de discos que exploram temas relacionados à Idade Média, mas a ideia para este novo álbum é combinar as coisas. Então, onde a maioria desses discos explora liricamente a morte e assuntos relacionados à ela, o nosso foco será na sobrevivência. Trabalhar constantemente com esses temas contrastantes será a diferença. Se você encontra um álbum de metal que é sobre a peste negra e a morte, você ouvirá apenas sobre a morte - tudo fica muito no preto e só nele. Considero que uma das minhas forças motrizes para escrever um disco com um tema sobre esse é justamente o oposto: a sobrevivência. Será um disco sombrio. Será mais pesado que os últimos? Não sei ainda. Mas sempre temos melodias e canções que não são tão pesadas. Do meu ponto de vista, vendo tudo do lugar onde estou e sabendo o que vem por aí, posso dizer que vai ter esses dois aspectos da nossa sonoridade. Será um disco pesado, com muitos elementos de metal, e também teremos canções mais lentas e leves”.

Sobre o crescente rumor de que todos os músicos do Ghost serão demitidos após a atual turnê, restando apenas o vocalista, Tobias “Papa Emeritus” Forge afirmou: “De um ponto de vista prático, você está interessado, por um lado, em preservar a sua sonoridade e os elementos que compõe o seu som. E, obviamente, quer progredir dentro desse universo. Eu acho que um dos segredos por trás de nossa musicalidade é não ter que manter, necessariamente, sempre as mesmas seis pessoas, o que ajuda. É sempre uma benção e uma maldição quando você tem essas bandas clássicas ao longo da história do rock, onde é preciso que os quatro indivíduos originais estejam reunidos para que o som soe exatamente como precisa - se um não está presente, as coisas acabam não saindo como deveriam. Felizmente, nós não temos esse problema. Porque a performance do Ghost em cima de um palco e a gravação dos discos do Ghost em estúdio nunca foram realmente a mesma coisa. Para que possamos preservar o nosso som não precisamos necessariamente da presença de um ou outro músico. Não precisamos confiar em alguém específico, as pessoas vêm e vão. E isso é bom. No Queens of the Stone Age é a mesma coisa: tudo gira em torno de Josh Homme, então tudo soa como Queens of the Stone Age, independentemente de quem esteja na banda naquela momento. Acho que a nossa situação é semelhante”.

Estão dizendo que Papa Emeritus demitiu todos os músicos do Ghost

sexta-feira, fevereiro 17, 2017

O fato de os músicos do Ghost serem completos anônimos aos olhos populares faz com que a banda possa mudar seus integrantes quando bem entender. Rumores apontam que a próxima turnê deve marcar o início de uma nova fase. 

Especula-se que apenas Tobias Forge, o homem que interpreta as diferentes encarnações do Papa Emeritus, permanece no lineup. “Há grupos que precisam manter os elementos originais para preservar o som. Em nosso caso, isso não acontece. É como o Queens of the Stone Age. Estando Josh Homme, soa como deve”, disse o frontman ao Metal Wani.

Dimmu Borgir solta prévia de novo DVD ao vivo

sexta-feira, fevereiro 17, 2017

O Dimmu Borgir divulgou a versão ao vivo de “Mourning Palace” gravada ao lado da Norwegian Radio Orchestra em 2011, com 53 músicos e mais 30 integrantes do coro da Schola Cantorum. A íntegra do show estará em Forces of the Northern Night, novo DVD dos noruegueses, que chegará às lojas dia 14 de abril pela Nuclear Blast.  O vídeo trará também o show completo realizado pela banda no Wacken Open Air 2012.

Vale lembrar que a banda está atualmente em estúdio gravando o sucessor de Abrahadabra, lançado em 2010.

Assista à bela versão ao vivo de “Mourning Palace” abaixo:

Incubus divulga música inédita (e ela é legal pra caramba!)

sexta-feira, fevereiro 17, 2017

Sem lançar um álbum inédito desde 2011 - ok, em 2015 os caras soltaram o EP Trust Fall (Side A), mas só com quatro faixas -, o Incubus surpreendeu todo mundo ao divulgar uma canção inédita sem nenhum aviso prévio.

A faixa tem o título de “Nimble Bastard” e é legal pra cacete! A música estará no novo álbum dos californianos, que provavelmente se chamará apenas 8 e será lançado na primavera norte-americana - também conhecida como outono por nós que vivemos aqui no hemisfério sul - pela Island Records.

Ouça abaixo:

Coletivo de arte faz performance de dança em homenagem ao Meshuggah

sexta-feira, fevereiro 17, 2017

O Careless Motion, um coletivo de arte contemporânea, lançou um vídeo em tributo à banda sueca Meshuggah. Intitulado “Dance on Meshuggah”, o vídeo mostra as integrantes em uma performance de dança e expressão, tudo sobre uma releitura de uma das canções do grupo - “Lethargica”, presente no álbum ObZen (2008). 

Destaque para a inserção de violinos e para a interpretação vocal visceral, que contrasta com a dança que surge a cada frame.

O projeto foi criado em 2016 pela dupla Violette Wanty e Alexandra Laya, e tem o objetivo de produzir trabalhos em conjunto com artistas do universo do metal.

Assista abaixo:

Legal pra caramba: bloco de carnaval de São Paulo vai tocar clássicos do Metallica

sexta-feira, fevereiro 17, 2017

Essa é pra deixar os mais radicais de cabelos em pé: um bloco de carnaval de São Paulo vai sair ao som de clássicos do Metallica. O bloco Quero Morrer Amigo vai pular pelas ruas da capital paulista tocando sons como “Seek and Destroy”, “Enter Sandman”, “One”, “The Unforgiven” e outras, em releituras cheias de ritmo e malemolência. As versões inserem elementos de samba, maracatu, chorinho e outros gêneros musicais brasileiros ao metal da banda norte-americana.

O bloco se apresentará dia 26/02, domingo, a partir das 15h, no número 62 da Rua 24 de Maio, bem em frente à Galeria do Rock. A banda responsável pela performance é a Drunk’ Em All, com regência do maestro Cadu Byington.

Deixe a carranca e o preconceito, compre uma cerveja gelada, pegue a família e os amigos e vá curtir e se divertir.


Adoramos e apoiamos mais iniciativas como essa!

Midnight Oil anuncia cinco shows no Brasil

sexta-feira, fevereiro 17, 2017

O Midnight Oil anunciou uma mini-turnê pelo Brasil no final de abril e início de maio. Serão cinco shows nas cidades de Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Os concertos fazem parte da The Great Circle 2017 Tour, que passará também por mais treze outros países.

Abaixo estão as datas e locais das apresentações:




16 de fev de 2017

Novo álbum de Roger Waters vem aí

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Roger Waters confirmou o lançamento de seu novo disco de estúdio para este ano. O primeiro álbum de rock do músico inglês em 25 anos tem o título de Is This the Life We Really Want? e será lançado nos próximos meses. Este será o primeiro trabalho de estúdio do músico desde Amused to Death, lançado em 1992 - Ça Ira, que chegou às lojas em 2005, era uma ópera que trilhava os caminhos da música clássica.

Is This the Life We Really Want? virá acompanhado de uma nova turnê mundial, cujo setlist, nas palavras de Waters, “será formado por uns 75% de material antigo e uns 25% de novas canções. Será espetacular, como os shows devem ser”.

Roger Waters liberou um teaser promovendo seu novo disco, que você pode assistir abaixo:

Anthrax dá mais detalhes sobre novo DVD ao vivo

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

O Anthrax divulgou mais detalhes sobre o DVD ao vivo cuja gravação foi realizada ontem, 15/02, em Glasgow, na Escócia. O material é o registro da Among the Kings, primeira turnê europeia da banda norte-americana em uma década, e traz o quinteto tocando o clássico Among the Living (1987) na íntegra. O vídeo será lançado no final do ano pela Megaforce.

Foram utilizadas dezessete câmeras para a captação das cenas, incluindo cinco Go-Pros e uma grua, que registraram mais de duas horas de show. Além das canções de Among the Living, outros clássicos como “Madhouse”, “Be All, End All”, “Breathing Lightning” e “A.I.R.” estiveram presentes no setlist. O DVD virá também com material extra trazendo entrevistas, imagens do backstage e coisas do tipo. 

A direção e produção é de Paul Green, que já dirigiu materiais semelhantes para o Opeth, The Damned, Gary Numan e outros artistas.


Ozzy sairá em turnê solo, mas quem será o seu guitarrista?

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Com o fim do Black Sabbath, Ozzy Osbourne está retomando a sua carreira solo. O vocalista será o headliner do Moonstock Festival, que acontecerá em Illinois entre 18 e 21 de agosto. Ozzy tocará dia 21/08 e executará o álbum Bark at the Moon (1983) na íntegra durante o eclipse solar que ocorrerá na data.

A banda que acompanhará Ozzy a princípio deverá ser formada pelo baixista Rob “Blasko" Nicholson e pelo baterista Tommy Clufetos, ambos já integrantes do time de Osbourne há um longo tempo - Clufetos inclusive tocou na turnê de despedida do Black Sabbath. Mas e o guitarrista, quem será?

Não há nenhuma menção oficial a Gus G, nenhum material citando o nome do guitarrista que tocou no último álbum de estúdio de Ozzy Osbourne, Scream (2010), e saiu em turnê com o Madman deste então. Inclusive, após um hiato de cinco anos sem material inédito, o Firewind, banda original de Gus, soltou neste início de 2017 o seu novo disco, Immortals.


Rumores apontam para dois possíveis candidatos: Billy Morrison e Steve Stevens. Stevens é conhecido pela sua carreira com Billy Idol e já colaborou com Ozzy inúmeras vezes, entretanto o vocalista já declarou que ele não faz parte de sua banda.

Já Morrison fez parte do The Cult e também já colaborou com Ozzy. Ele é inglês e também já tocou com Billy Idol, além de passar pelo Circus Diablo, Stimulator, Into a Circle e Royal Machines. O cara também apresentou o programa de rádio Indie 103.1 com Dave Navarro (Jane’s Addiction, Red Hot Chili Peppers) até o final do mesmo, em 2008. O guitarrista é inclusive citado na autobiografia do Madman, Eu Sou Ozzy, como “um grande amigo”. Morrison também atua com ator e já participou da série Californication, além de diversos filmes.

Seria ela o novo guitarrista de Ozzy?

Aguardando as cenas dos próximos capítulos ...

Ouça “April Showers”, nova música do Royal Thunder

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

A banda norte-americana Royal Thunder lançará dia 7 de abril o seu novo disco. Wick é um trabalho conceitual que conta a história de um cara que parte em uma vingança contra mafiosos russos que mataram seu animal de estimação. Sim, isso mesmo que você leu.

Em “April Showers” temos uma prévia do que vem por aí, com um som enfumaçado e que traz como destaque a poderosa voz de Mlny Parsonz. 



Linkin Park: saiba tudo sobre o novo disco e ouça o novo single

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

O Linkin Park lançará dia 19 de maio o seu sétimo álbum, One More Light. O disco traz dez novas músicas. O primeiro single, “Heavy”, conta com a participação especial da pop star Kiiara e já está disponível no lyric video abaixo.

Segundo o vocalista Chester Bennington, “o álbum traz canções que não falam especificamente sobre situações do cotidiano, mas sim mais de coisas como ‘que merda é essa que está acontecendo na minha cabeça’. Estamos tentando nos conectar com as pessoas e tentando fazer um álbum com canções estelares, com as quais as pessoas possam se identificar o tempo todo”. Questionado sobre como o álbum soa, Mike Shinoda foi misterioso: “Não posso dizer como é, só posso adiantar que as pessoas ficarão surpresas. Não esperam nada parecido ao que vocês já ouviram antes”.

Abaixo está o tracklist de One More Light:

1. Nobody Can Save Me
2. Good Goodbye
3. Talking to Myself
4. Battle Symphony
5. Invisible
6. Heavy
7. Sorry for Now
8. Halfway Right
9. One More Light
10. Sharp Edges

Quadrinhos: Xampu Volume 2, de Roger Cruz

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Dando sequência à história contada no primeiro volume de Xampu, lançado no segundo semestre de 2016 pela Panini em parceria com o Stout Club, chegou às bancas de todo o Brasil nas últimas semanas Xampu Volume 2. Na história, escrita e desenhada por Roger Cruz, seguimos acompanhando as aventuras de uma turma de amigos na São Paulo da virada dos anos 1980 para os 1990, todos apaixonados por rock e vivendo as experiências marcantes daquela época em que a gente não sabe direito se ainda é adolescente ou já pode ser considerado um adulto.

Cruz já fez trabalhos para as grandes editoras norte-americanas como Marvel, DC e Image, e na série Xampu (que deve ter mais um volume, ainda sem data de lançamento) conta uma história meio autobiográfica, colocando nas páginas da HQ os causos vividos por ele e sua turma de amigos. As referências à música são onipresentes, bem como à cultura pop. Todos são apaixonados por metal e vivem essa paixão de maneira intensa. Isso faz com que a HQ caia no gosto de fãs de música de maneira quase instantânea.


Neste segundo volume, o arco principal conta a viagem de dois integrantes da turma para assistirem ao Rock in Rio 2, que rolou em 1991 e teve shows de bandas como Guns N’ Roses, Judas Priest, Queensrÿche, Megadeth e Sepultura. A arte primorosa e com estilo próprio de Roger Cruz deixa tudo ainda mais vívido, enquanto o texto é direto ao ponto e usa uma linguagem fácil e autêntica.

Xampu Volume 2 é, assim o primeiro volume da série, uma declaração de amor ao rock, ao metal e aos quadrinhos, com relatos transparentes e que transbordam autenticidade sobre uma época que marcou as vidas de quem hoje está na casa dos 40 anos.

Pra ler em alto e bom som!

Casal boliviano explica decisão de batizar filho como Iron Maiden

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

O pequeno Iron Maiden Durán Ruiz nasceu em 1 de fevereiro de 2017 em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia. E, com um nome como esse, logicamente atraiu atenção imediata. O pai do menino é César Durán Alpiri, um grande fã da banda inglesa, que disse que batizou o filho com esse nome inspirado pelo mascote do Maiden, Eddie.

César justificou a escolha: “Tem muito a ver com Eddie. Eu quero que meu filho tenha essa força, essa energia. Para ele lutar pelo que deseja, ter atitude e ser, acima de tudo, mentalmente forte”.

Duas coisas: se a inspiração foi o Eddie, seria mais fácil batizá-lo como … Eddie! E, com um nome desses, o garoto vai precisar mesmo ser mentalmente forte, né não?

Abaixo você assista a uma entrevista com César e família, com a participação do pequeno Iron Maiden:

Anthrax grava novo DVD ao vivo na Escócia

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

O Anthrax gravou ontem, dia 15 de fevereiro, um novo DVD ao vivo durante o show realizado em Glasgow, na Escócia. O concerto aconteceu no Barrowlands, uma das mais tradicionais casas de shows da maior cidade do país.

A apresentação faz parte da atual turnê do Anthrax, intitulada Among the Kings, que celebra os trinta anos do clássico Among the Living, terceiro disco do grupo, lançado em 22 de março de 1987 e que traz hinos como “Caught in a Mosh”, “I Am the Law”, “Indians" e a faixa-título. O álbum está sendo tocado na íntegra nos shows atuais.

Ainda não há data definida para o lançamento do DVD, mas ele deve chegar ao mercado este ano.

Novo DVD do Backyard Babies

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Será lançado dia 24 de fevereiro Live At Cirkus, novo DVD ao vivo do Backyard Babies. O material foi gravado em 10 de fevereiro de 2016 e contém a íntegra do show dos suecos no Cirkus, em Estocolmo. O DVD traz versões ao vivo para os singles “Th1rt3en or Nothing”, “Brand New Hate” e  “Minus Celsius”.

O registro também documenta a reunião da banda, que voltou à ativa em 2014 depois de um período de cinco anos de hiato. Four by Four, disco de estúdio mais recente do grupo, foi lançado em 2015.

A capa e o trailer de Live At Cirkus podem ser conferidos abaixo:


15 de fev de 2017

Republicanos cogitam indicar Kid Rock como candidato ao Senado dos Estados Unidos

quarta-feira, fevereiro 15, 2017

A disputa para o Senado dos Estados Unidos já começou. No estado do Michigan, a candidata Democrata Debbie Stabenow parece estar na dianteira, mas os Republicanos não querem perder o posto e cogitam indicar Robert Ritchie para a disputa.

Tá, mas e daí, quem é esse tal de Ritchie? Ele mesmo: Kid Rock. O rapper declarou o seu apoio ao Partido Republicano nas duas últimas eleições presidenciais, fazendo elogios a Mitt Romney e Donald Trump. O rumor sobre essa improvável candidatura tem crescido bastante nas últimas semanas, e, por mais estranha que ela possa parecer em um primeiro momento, tudo é possível. 

Sites como o FoxNews, um dos principais e mais tradicionais apoiadores das ideias do partido Republicano, publicaram matérias sobre o assunto e com um ponto de vista favorável a uma possível candidatura de Kid Rock.

Aguardamos cenas dos próximos capítulos.

Andi Deris fala sobre Michael Kiske e a reunião do Helloween

quarta-feira, fevereiro 15, 2017

Andi Deris deu um entrevista para Tony Webster do The Metal Command, onde falou sobre a turnê de reunião do Helloween. Abaixo estão os principais pontos abordados pelo vocalista.

Sobre a reunião: “A ideia surgiu quando o Gamma Ray estava abrindo para o Helloween em 2008. Não foi nada programado, aconteceu tudo mais ou menos acidentalmente. Nós nos encontramos em Hamburgo e Kai disse: ‘Acabamos de terminar o nosso álbum’. Ao que eu e Weikath respondemos: ‘Também acabamos de finalizar o nosso disco. Por que não fazemos uma turnê juntos pela primeira vez? Isso seria ótimo para os fãs e eles iriam ficar loucos se você se juntasse à gente no palco para tocar uma ou duas canções, como nos velhos tempos’. Isso acabou sendo um grande espetáculo para os fãs, eles adoraram. O passo seguinte foi bastante claro: perguntar a Michael Kiske se ele gostaria de se juntar à turma e fazer uma reunião de verdade. A ideia nunca foi acabar com a banda atual, mas trazer todo mundo para um show com entre duas horas e meia e três horas de duração, onde eles veriam trinta anos de metal com o vocalista original e comigo representando os tempos mais recentes, fazendo de tudo um grande acontecimento. Funcionou tão bem com Kai, que o próximo passo era reunir a banda toda novamente”.

Sobre sua relação com Michael Kiske: “Acho que ele gosta de mim, e eu gosto dele. Acho ele um cara bem legal. Ele é muito descontraído, então deve ser uma pessoa com quem eu possa passar bons momentos junto. Estamos realmente emocionados só de imaginar os fãs vê-lo cantar as músicas mais antigas, e em seguida até junto comigo em uma ou duas canções do meu tempo na banda. Colocando dessa maneira, de um ponto de vista de ego, estou feliz em não ter que cantar todas essas músicas agudas do tempo de Kiske. Estou tão aliviado que ele está de volta à banda que posso me concentrar nas minhas coisas agora. Isso deve funcionar muito”.

Sobre qual vai ser o papel de Kai Hansen nos shows: “Se você prestar atenção, verá que há várias faixas que possuem três guitarras em suas versões de estúdio, então isso será legal ao vivo. Nós vamos conseguir reproduzir no palco, de maneira mais fiel, o que os fãs ouvem nos discos. Para o resto das canções que tem apenas duas guitarras, acho que será ótimo para um desses caras dar uma parada e acender um cigarro (rs). Essa é a maneira como vejo as coisas. Eu finalmente vou ter uma pausa durante os shows, um tempo pra tomar um vinho ou fumar um cigarro enquanto assisto os caras tocarem. Isso é realmente interessante, porque é algo que nunca tive antes. O mesmo vale para Kiske. Que eu me lembre, sempre que falamos sobre isso a sua resposta foi: ‘Isso é legal. Depois de 10 ou 15 minutos eu tenho uma pausa, e você vai lá e canta'. É diferente, mas pode ser interessante não apenas para os fãs, mas para a própria banda. Os únicos pelos quais estou um pouco assustado são Markus e Dani, pois eles terão que tocar por umas três horas sem parar. Espero que isso não seja um problema, e os dois já responderam que não será um problema. Depende muito como você monta o setlist. Não dá pra tocar ‘Push' e ‘Eagle Fly Free’ sem uma música mais lenta no meio, porque senão os dois provavelmente estarão mortos depois (rs). Pessoalmente acho que será uma grande aventura, não só para os fãs mas também para mim e para a banda”.

E fechando, Andi Deris respondeu se o Helloween está compondo novas faixas com todos reunidos: “Não há nada planejado, pelos não conscientemente. Estamos todos sentados no sofá coletando ideias. No final do dia, quando você está sentando em frente à sua sua TV, é normal pegar o violão e experimentar novas ideias. Mas não há nada planejado nesse sentido”.

Gary Clark Jr. anuncia álbum ao vivo

quarta-feira, fevereiro 15, 2017

O novo disco de Gary Clark Jr. será ao vivo e tem o título de Live North America 2016. O álbum foi gravado durante a turnê do último álbum de estúdio do bluesman, The Story of Sonny Boy Slim (2015), e será lançado dia 17 de março.

O disco traz duas faixa inéditas: "Honest I Do" e "My Baby's Gone", versões para canções de Jimmy Reed e Elmore James, respectivamente. 

Abaixo está o tracklist do álbum e o vídeo de "The Healing", cujas animações foram feitas pelo estúdio brasileiro Inhamis, de Juiz de Fora:

1 Grinder
2 The Healing
3 Our Love
4 Cold Blooded
5 When My Train Pulls In
6 Down to Ride
7 You Saved Me
8 Shake
9 Church I Am
10 Honest I Do
11 My Baby’s Gone
12 Numb

Review: Nick Lera - Nick Lera III (2017)

quarta-feira, fevereiro 15, 2017

Ao pensarmos no rock gaúcho, os primeiros nomes que surgem são Engenheiros do Hawaii, Garotos da Rua, DeFalla, Replicantes e alguns outros que vieram na segunda geração de bandas reveladas pelo estado e que conquistaram o Brasil - pega aí: Nenhum de Nós, Papas da Língua, Acústicos & Valvulados, Júpiter Maçã e Cachorro Grande.

No entanto, ao mensurar a influência que a geração de bandas surgida nos anos 1980 teve sobre a maneira de se fazer rock and roll no Rio Grande do Sul, uma banda está no topo e até hoje serve de referência maior pra todo mundo: o TNT. Formada em Porto Alegre em 1984 e contando com músicos como Charles Master (vocal e guitarra), Luís Henrique “Tchê" Gomes (guitarra), Márcio Petracco (guitarra), Felipe Jotz (bateria), Flávio Basso (vocal e guitarra,  futuro Júpiter Maçã), Nei Van Soria (guitarra) e outros, o quarteto construiu todos os arquétipos que são associados até hoje com o rock vindo do sul. Canções com estrutura básica, grande influência de rock inglês, refrãos fortes, o riff de guitarra como eixo principal, letras diretas e descomplicadas e inspiração clara em nomes como Beatles, Rolling Stones, The Who, The Kinks e toda a turma responsável pela invasão britânica de meados da década de 1960.

Esse legado é levado adiante por bandas como o Nick Lera. O trio formado por Fernando K. B. Lera (guitarra e vocal), Matheus Signor (baixo e vocal) e Mateus Spada (bateria e vocal) chega ao seu terceiro disco mantendo o melhor de sua identidade, mas também arriscando em novos caminhos sonoros. As dez faixas do trabalho trazem os integrantes se revezando nos vocais principais, ainda que o predomínio seja de Fernando na maioria das faixas. O rock direto e contagiante na linha de TNT dá o tom na maioria das canções, que trazem letras que falam principalmente sobre relacionamentos. Com essa pegada, os destaques vão para a grudenta “Vai Embora”, a melodia fácil de “Todas as Noites”, “O Meu Lugar” e “Hey Man”.


Como já havia feito no disco anterior, a banda varia o tom ao apostar em baladas bem construídas e que exploram uma ar mais contemplativo, como podemos ouvir na dobradinha “Sem Você” e “A Sua Ausência”. E ainda temos “Tão Feio”, que trilha as estradas do country rock com influência direta dos Cowboys Espirituais (não por acaso, liderada pelo ex-TNT Márcio Petracco).

Gostei muito do contraste entre as vozes de Fernando e Mateus. Enquanto o guitarrista segue mostrando diferentes nuances de seu timbre, o baterista conseguiu incluir uma dinâmica muito interessante com a sua voz, que possui um tom mais alto e vem com uma interpretação forte e com personalidade.

Ainda que pequenas variações na produção e nos timbres dos instrumentos sejam percebidos em uma ou outra faixa, Nick Lera III mostra uma banda seguindo atrás do seu sonho. Em um mundo que a cada dia exige mais de cada um de nós e em troca vai comendo o aspecto lúdico e sonhador tão fundamental para seguirmos em frente, ver o esforço de uma banda como Nick Lera em acreditar no seu propósito mesmo estando longe demais das capitais é inspirador. 

Rock direto ao ponto, honesto e verdadeiro: para alguns isto pode soar fora de moda, mas basta ouvir este novo álbum do Nick Lera para vermos o quanto ele ainda faz uma diferença danada em nossas vidas.


14 de fev de 2017

Arch Enemy está em estúdio, e novo disco deve ser lançado em setembro

terça-feira, fevereiro 14, 2017

O Arch Enemy começou a trabalhar no sucessor de War Eternal (2014), disco que marcou a estreia de Alissa White-Gluz nos vocais substituindo Angela Gossow. A banda já está em estúdio gravando o novo álbum, que, segundo o guitarrista Michael Amott, deve chegar às lojas lá por setembro.

Além de ser o segundo trabalho de estúdio com Alissa, o novo disco do Arch Enemy será interessante pois será o primeiro a contar com a contribuição do guitarrista Jeff Loomis (ex-Nevermore) nas composições. 

War Eternal já foi um CD muito bom, e a participação de Loomis nas composições - vale lembrar que ele teve papel fundamental na construção da sonoridade do infelizmente finado Nevermore - tem tudo para fazer do novo disco um dos grandes momentos da carreira da banda sueca.

Vale lembrar que o Arch Enemy lançará dia 31 de março o CD/DVD As The Stages Burn!, registro da turnê mais recente do grupo. O material traz o show realizado pelo quinteto no Wacken de 2016 e é o primeiro lançamento oficial a contar com Jeff Loomis.


Para Lars Ulrich, Lady Gaga é perfeita para o Metallica

terça-feira, fevereiro 14, 2017

Em entrevista à Rolling Stone, Lars Ulrich deixou claro a sua opinião sobre a relação do Metallica com Lady Gaga e em como a parceria deve se repetir no futuro. Segundo o baterista: "Já estamos avançando rapidamente para o próximo capítulo, quando poderemos fazer mais coisas juntos. Não é um daqueles casos em que vinte advogados, managers e estrategistas sentam ao redor da mesa e discutem como forçar duas pessoas de mundos diferentes a fazerem algo em rede nacional. De ambos os lados, tanto do Metallica quando de Lady Gaga, o que está rolando é algo autêntico e orgânico como nunca houve antes. Estamos apenas começando".

Lars foi inclusive além, declarando sem meias palavras que considera Lady Gaga como “o quinto integrante perfeito para o Metallica”: “Sua voz, sua atitude, sua visão de tudo, são impressionantes. A sua performance foi tão natural e orgânica e ela tem o espírito do hard rock e do metal fluindo en suas veias. É realmente fácil para ela fazer algo nessa linha. Não há nada artificial, ela só tem essa energia super quente e natural”.

Sobre a tão falada falha no microfone de James Hetfield no início de “Moth Into Flame”, canção que a banda tocou em parceria com Gaga no palco do Grammy 2017, declarou: "Foi apenas uma pequena falha técnica, mas de qualquer modo isso é algo sobre o qual não há muito o que fazer. Você precisa aprender a lidar com situações como essa. No ano passado aconteceu com Adele, esse ano foi a nossa vez”.

Nergal revela mais uma música de seu projeto com John Porter

terça-feira, fevereiro 14, 2017

O primeiro álbum do projeto Me and That Man, que reúne o vocalista, guitarrista e líder do Behemoth, Nergal, e o músico e produtor inglês/polonês John Porter, será lançado dia 24 de março. Com o título de Songs of Love and Death, o trabalho traz uma sonoridade totalmente diferente daquela que é associada ao Behemoth, com influências de gêneros como blues, country e folk dando o tom das canções.

Predominantemente acústico, o disco trilha por um universo sonoro sombrio que tem como principais referências nomes como Leonard Cohen, Johnny Cash, Nick Cave e Danzig.

John Porter teve uma longa associação com Bryan Ferry e o Roxy Music, e inclusive é o baixista do álbum For Your Pleasure, de 1973. Como produtor, assinou discos de artistas como The Smiths, B.B. King, Buddy Guy, Ryan Adams, Taj Mahal, John Mayall, John Lee Hooker e Carlos Santana, entre outros.


Abaixo estão os clipes das duas primeiras canções divulgadas do Me and That Man, “Ain't Much Loving” e “My Church is Black”.

A capa de Songs of Love and Death foi criada pelo artista Daniel P. Carter, e o disco traz as seguintes faixas:

1. My Church is Black
2. Nightride
3. On the Road
4. Cross My Heart and Hope to Die
5. Better the Devil I Know
6. Of Sirens, Vampires and Lovers
7. Magdalene
8. Love & Death
9. One Day
10. Shaman Blues
11. Voodoo Queen
12. Get Outta This Place
13. Ain't Much Loving

Show tributo a Keith Emerson acontecerá em julho

terça-feira, fevereiro 14, 2017

Celebrando a vida, a carreira e o legado de Keith Emerson, acontecerá dia 28 de julho em Birmingham o Keith Emerson: A Musical Celebration of Life. O evento será realizado no Birmingham’s Symphony Hall e contará com diversos músicos convidados, além da presença de uma orquestra completa.

Já foram confirmadas as participações de Rick Wakeman, da jovem pianista californiana Rachel Flowers, do músico francês Thierry Eliez e do Noddy’s Puncture, banda tributo ao Emerson, Lake & Palmer. Novas atrações serão anunciadas nas próximas semanas.

Alex Skolnick, guitarrista do Testament, publica longo texto defendendo a parceria entre o Metallica e Lady Gaga

terça-feira, fevereiro 14, 2017

O guitarrista do Testament e companheiro da cena da Bay Area do Metallica, Alex Skolnick, postou em seu Facebook um longo texto defendendo a parceria entre o Metallica e Lady Gaga, que sacudiu o palco do Grammy 2017.

Abaixo estão as palavras do músico:

Na teoria, é uma grande ideia, e deveria significar uma espécie de home run para todas as idades. Infelizmente, será eternamente ofuscada pelos problemas com o microfone de James e pela falha na intro - por favor, organização, favor conferir se todos os apresentadores fizeram o seu dever de casa antes de subirem ao palco, ok?

Vi alguns comentários falando que Gaga deixou James largado no palco enquanto ocorriam os problemas com o microfone, que ela poderia ter ajudado e não veio ao seu encontro salvar o dia. Todos estão errados: ela (e todos no palco) usam monitores de ouvido, o que - como qualquer um que já teve a experiência de usá-los pode afirmar - fornece uma mixagem diferente daquela que é entregue ao público. Você não ouve mais nada além daquilo. A primeira coisa que você pensa quando não escuta um vocal ou qualquer outro instrumento é que supostamente ele está lá e que é apenas um problema com os monitores relacionados ao equipamento que você leva na orelha, o que pode acontecer às vezes.


Em outras palavras, ela não tinha ideia do que estava acontecendo e apenas fez os seus vocais. Então, resumindo para quem não curte o trabalho de Gaga e está usando a internet para espalhar xingamentos e ódio, acho que você tem que olhar para alguns pontos:

A) Que outro superstar do pop se atreveria a subir em um palco, ainda por cima do Grammy, com o Metallica ou qualquer outra banda de metal?

B) Quem mais poderia sair de um disco ao lado de Tony Bennett para tocar com o Metallica no momento seguinte, demonstrando amor, respeito e apreço por ambos?

C) Claro, a sua performance talvez tenha sido um pouco exagerada para aqueles que só se interessam pelo Metallica. Mas, novamente, ela é Lady Gaga, afinal das contas

D) Sim, ela faz muito teatro, mas ela também é uma artista que pode te conquistar apenas com sua voz e piano

E) Dado o interesse que Lars tem por ela e pela arte, e de fazer o inesperado na música, faz absolutamente sentido que eles colaborem um com o outro

F) Ela se deu bem na melodia e nos vocais se você deixar as imagens e apenas ouvir o que está acontecendo? Claro que sim! E a música foi muito bem escolhida, também.

A única coisa que eu mudaria além dos acidentes - que foram acidentais, é preciso frisar - é esta: por que pareceu que estava rolando uma aula de zumba lá em cima? De quem foi essa ideia? Colocar verdadeiros fãs em cima do palco, como o Metallica já fez em diversos shows, e não um monte de bailarinas, me parece uma ideia melhor. E o fato de todas as bailarinas estarem vestindo um ‘guarda-roupa de metal’ também ajudou a deixar as coisas meio caricatas. Dito isso, são pequenos ajustes que precisam ser feitos, e tenho certeza que o Metallica e Lady Gaga vão fazer isso novamente.

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE