28 de fev de 2017

Comunicado aos leitores

terça-feira, fevereiro 28, 2017

Por questões profissionais, a Collectors Room deixará de ser atualizada a partir de hoje. Até segunda ordem, o site entrará em um hiato sem previsão de volta. A razão é simples e direta: incompatibilidade de tempo para levar este projeto tão legal em frente junto com a minha atividade profissional. E como a grana que paga as contas não vem daqui, a escolha - apesar de dolorida - foi óbvia. 

Pensei em simplesmente parar de atualizar o site e não falar nada a respeito, mas acho que devia uma explicação aos leitores.

Já fizemos duas pausas antes. A primeira após eu encher o saco do povo do jornalismo musical e decidir que queria algo mais sadio para a minha cabeça. Depois de um tempo, voltamos. A segunda quando passei por um sério problema familiar e que acabou levando ao falecimento do meu pai. No fim, voltei de novo. Dessa vez, as coisas podem mudar novamente, mas não há uma previsão a curto prazo para que isso aconteça, infelizmente.

Peço desculpa aos leitores e aos colaboradores por ter que tomar essa decisão, mas é o que precisa ser feito. No entanto, são várias as qualidades que ninguém tirará da Collectors Room: a postura independente; a relação transparente com os leitores, com as bandas/artistas, com os selos e com o mercado; a veracidade e o sentimento à flor da pele de cada texto e de cada análise publicados neste site em mais de oito anos de vida; e a relação prazerosa com você aí do outro lado, com quem dividi a minha paixão enorme e sempre presente pela música durante todos estes anos.

Para quem quiser seguir acompanhando, tanto as minhas redes sociais quanto as do site continuarão ativas.

Obrigado por tudo, e vamos ver se as coisas mudam no futuro.

Pra fechar, um recadinho: tem música de qualidade em qualquer gênero, é só manter o ouvido atento e a cabeça aberta pra descobrir.

Valeu :-)

27 de fev de 2017

O rock, a música e a vida

segunda-feira, fevereiro 27, 2017

Em 13 de julho será comemorado mais um Dia Mundial do Rock, data criada na década de 1980 em homenagem ao Band Aid, iniciativa idealizada pelo músico Bob Geldolf e que reuniu diversos grandes nomes do rock inglês no single beneficente “Do They Know It’s Christmas?”, lançado em 1984 e o precursor das reuniões de artistas em prol de uma causa - o USA for Africa e seu “We Are the World” chegaram às lojas um ano depois, em 1985.

Inspirado pela data, olhei para o passado e mergulhei fundo na memória buscando lembranças, experiências e momentos que explicam a minha relação com o rock. E fazendo esse exercício consegui pinçar aquelas que foram as bandas e artistas mais importantes na minha imersão seguida de paixão à primeira vista e convertida, rápida e definitivamente, em amor para toda a vida.

O relato a seguir não possui nenhum valor científico, tampouco busca ser minimamente definitivo, afinal, como você bem sabe, música é algo subjetivo, que está ligado intimamente à memória afetiva e às experiências de cada um. Pra mim foi assim, mas para você, tenho certeza, foi ou será diferente.

Quando era adolescente, eu só ouvia heavy metal. Aí conheci os Beatles e percebi que havia muito mais além daquele mundo cercado por peso e camisetas pretas. John, Paul, George e Ringo me apresentaram um novo mundo, onde não havia limites entre gêneros e estilos. Assim, ainda em choque, bati de frente com o Led Zeppelin e os poucos preconceitos que ainda tentava conservar com afinco caíram por terra e nunca mais voltaram a ver a luz do dia. A banda era tão intensa, tão forte, que durante anos e ainda hoje, ao escutar seus discos, sinto um pontapé violento no peito. Sensação semelhante a que me foi proporcionada ao ouvir pela primeira vez o Black Sabbath ainda com o rosto cheio de espinhas, e ficar fascinado por aquele mundo construído por riffs contagiantes e por uma voz desafinada, mas cheia de carisma. Se o heavy metal continua fazendo parte dos meus dias no alto dos meus mais de 40 anos, eis aí os culpados.

Então, como um sopro de renovação e uma cachoeira multi-colorida, mergulhei no oceano sem fundo do Pink Floyd, entrando em transe e liberando doses maciças de dopamina a cada audição. Bem estar que foi intensificado ao conhecer, meio sem querer mas sem querer abrir mão desde então, o rock de cabaré movido a piano e exageros de Freedie Mercury e o Queen. Quem nunca se emocionou ao ouvir “Bohemian Rhapsody” jamais experimentou o poder inebriante da música.

Força essa responsável não apenas por manter os Rolling Stones na estrada desde o início dos tempos, como também o combustível que queima e mantém aceso infinitamente o apelo cativante das canções destes ingleses há séculos. Experimente mostrar “Satisfaction” para uma criança e você verá. Jagger e Richards deram ao mundo a mais perfeita definição do rock and roll, ainda que os irmãos Young e seu AC/DC há tempos dividam o posto e são merecedores da mesma definição que acabei de atribuir a Mick e Keith.

Mas, sem aviso e de surpresa, Eric Patrick Clapton repentinamente revelou que as seis cordas da guitarra poderiam fazer surgir sons impossíveis, característica que seu fã, um jovem negro norte-americano chamado James Marshall Hendrix, levou muito além, colocando o mundo aos seus pés com experimentos e um talento único e jamais visto desde então.

E tudo não estaria completo sem uma viagem pelas estradas norte-americanas, partindo da Califórnia e chegando na Flórida, mais precisamente à pequena Jacksonville, terra natal de uma das mais emblemáticas bandas e do mais impressionante trio de guitarras já visto nesse e em todos os outros mundos. É claro que estou falando do Lynyrd Skynyrd e suas imortais criações como “Free Bird”, “Simple Man”, “Sweet Home Alabama” e “That Smell”.

E no caminho, parando para comer algo e beber a sempre bem-vinda cerveja gelada, cruzamentos marcantes com gênios como Elton John, David Bowie, Bob Dylan, Chuck Berry, Elvis Presley e Neil Young, além de diversão infinita com nomes que fazem parte da minha, da sua e da vida do inconsciente coletivo como The Who, The Doors, The Byrds, Creedence Clearwater Revival, Allman Brothers, Deep Purple, Eagles e mais um monte de gente boa.

Sem aviso e sempre refrescantes, os desvios e atalhos que surgiram pelo caminho me levaram para outros universos que hoje soam indispensáveis e complementares uns aos outros, como o jazz de um certo Miles, o blues certeiro do amigo Muddy, o funk de Herbie e o soul de Sam, Otis, Wilson e Aretha.

O bom disso tudo é que a estrada está longe, bem longe, de terminar. Há apenas um belo e longo horizonte à frente, me levando em alguns momentos para o futuro, em outros para o passado, mas sempre naquela que parece não apenas a direção certa, mas a sonoridade que a minha vida e o meu espírito precisam ouvir naquele período.

Por tudo isso e mais um pouco, a música é a companhia constante, a amiga presente, a conselheira experiente, a amante insaciável, o beijo arrebatador e o colo reconfortante. Sem ela os dias ficariam sem graça e o mundo não faria sentido.

Em apenas uma frase, tudo e nada além: MÚSICA É VIDA.

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE