Review: Ozzy Osbourne – Ozzmosis (1995)



Em 1992, Ozzy Osbourne foi diagnosticado com esclerose múltipla e isso foi suficiente para anunciar sua aposentadoria e encerrar precocemente a turnê do álbum No More Tears (1991). Como consequência, ocorreu a dissolução de sua banda de apoio, que era formada por Randy Castillo, Mike Inez e Zakk Wylde. Quando Ozzy descobriu que foi diagnosticado erroneamente e que, na verdade, ele tinha a raríssima Síndrome de Parkin (problema genético com sintomas semelhantes aos do Mal de Parkinson), ele decidiu voltar à ativa e precisou montar novamente uma banda para gravar um novo álbum.

Sétimo disco gravado pelo Madman, Ozzmosis (1995) é o primeiro registro de estúdio da carreira solo do músico a contar com seu ex-companheiro de Black Sabbath, Geezer Butler, no baixo. Completam o time o então já consagrado Zakk Wylde nas guitarras(recrutado novamente para o posto), Deen Castronovo na bateria (Journey, The Dead Daisies) e Rick Wakeman nos teclados (Yes).

O disco conta com a produção - também teclados em algumas faixas - de Michael Beinhorn, que até então havia produzido Mother’s Milk (1989) do Red Hot Chili Peppers e Superunknown (1994) do Soundgarden, entre outros. Originalmente, as gravações começaram com o produtor Michael Wagener (Extreme, Skid Row, Dokken), mas após a gravação de algumas faixas a gravadora não gostou do estilo da produção e Wagener foi substituído por Beinhorn, que trouxe uma sonoridade mais moderna, característica que seria seguida em todos os álbuns a partir deste. Alice in Chains, Stone Temple Pilots e Nirvana estavam em alta na época, e isso pode ter contribuído para a sonoridade mais alternativa encontrada em Ozzmosis.

Repetindo o que havia ocorrido no antecessor, o álbum traz uma faixa composta por Ozzy e Lemmy, a ótima “See You on the Other Side”, que compõe a dupla das melhores canções do disco junto com a pesadíssima faixa de abertura, “Perry Mason”.

Única parceria da carreira com o guitarrista Steve Vai, a balada “My Little Man” soa deslocada nesse álbum. Tem letra que parece uma canção de ninar destinada a Jack Osbourne, então com 10 anos e para quem a música foi composta. Pouco antes gravar Ozzmosis, Ozzy e Vai juntaram-se em um projeto chamado X-Ray, que acabou não evoluindo. A dupla escreveu várias músicas, dentre elas “My Little Man”, único fruto dessa empreitada a entrar em Ozzmosis e que conta com Zakk tocando cítara na introdução. Outra parte dessas canções apareceu em Fire Garden (1996), de Steve Vai.

“I Just Want You”, co-escrita por Jim Vallance (parceiro de composição de Bryan Adams nos seus maiores hits) também é uma das melhores, com o vocalista alcançando notas altas no final. Em “Tomorrow”, que pelo andamento poderia estar em um velho disco do Sabbath, Ozzy surge cantando de maneira rasgada, o que possivelmente resultou em alguns dias sem voz após a gravação. O excesso de baladas atrapalha o fluxo do disco, que encerra com “Old L.A. Tonight”. Esta, juntamente com “Denial”, é uma das músicas mais fracas do trabalho.

Relançado em 2002 com as canções extras “Whole World’s Fallin’ Down” (que poderia tranquilamente estar na versão original) e “Aimee”, Ozzmozis é um disco digno que marca o início de uma nova sonoridade para um velho ícone do heavy metal. O problema é que, depois dele, Ozzy entrou em uma zona de conforto e passou a se repetir álbum após álbum.

Por Diego Colombo

Comentários

  1. Vou tomar umas pedradinhas, mas é meu disco favorito da carreira solo do Madman até hoje!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos dividir essas pedradas então... meu também!!! Único que tenho o CD!!!

      Excluir
  2. Pra mim, o melhor disco solo do Ozzy! Esse álbum não mão do Black Sabbath ia ser um choque!

    ResponderExcluir
  3. Reouvindo esse clássicáço. Obrigado!!

    ResponderExcluir
  4. Um disco maravilhoso , com uma produção certeira, musicos certos na hora certa e canções carregadas de influência de Beatles, talvez por isso se justifica a presença de mais baladas. Tenho um sentimento especial por esta obra por me fazer lembrar minha adolescência.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.