Um guia pelas curiosidades da capa de Somewhere in Time, clássico do Iron Maiden


Somewhere in Time
, sexto disco do Iron Maiden, trouxe uma mudança na sonoridade da banda inglesa ao incluir guitarras sintetizadas e explorar um som mais progressivo e ainda mais requintado que os trabalhos anteriores, que tinham uma sonoridade mais metálica, áspera e pesada. Na época em que foi lançado o álbum dividiu a opinião dos fãs, com muita gente não digerindo muito bem essas inovações. E há também quem pensa que o Maiden inseriu teclados nas músicas de Somewhere in Time, mas isso só aconteceria no disco seguinte, Seventh Son of a Seventh Son – o som similar a teclado que se ouve em SiT vem das guitarras sintetizadas.

Com o passar dos anos o álbum foi sendo entendido pelos admiradores da banda e hoje é reconhecido como um dos melhores trabalhos do na época quinteto, com clássicos e canções incríveis do porte de “Wasted Years”, “Heaven Can Wait”, “Stranger in a Strange Land” e “Alexander the Great”.

No entanto, um dos pontos que sempre chamou a atenção em Somewhere in Time foi a sua capa. Criada pelo artista inglês Derek Riggs, autor de toda a concepção visual do Iron Maiden nos anos 1980, a arte traz inúmeras referências e curiosidades relacionadas à história da banda e à cultura pop. Para desbravar esse universo, segue abaixo um guia com os principais pontos dessa odisseia visual. 

Na capa:

- à direita de Eddie, a placa na esquina diz Acacia (a palavra está parcialmente escondida), uma referência à canção "22 Acacia Avenue" do álbum The Number of the Beast (1982)

- abaixo desta placa está um cartaz com o Eddie do primeiro álbum, onde se lê a pixação "Eddie lives" (“Eddie vive”). Esse tipo de cartaz, com aparência usada e pequenos rasgos, está presentes também nas capas dos singles "Sanctuary" e "Women in Uniform"

- um banner com a frase “this is a very boring painting” ("esta é uma pintura muito chata") é exibido ao contrário no saguão do Bradbury Towers Hotels International. Isso pode ser visto à esquerda da perna direita de Eddie

- bem no centro, logo acima da placa Department e atrás do cabo que leva à arma do ciborgue, há uma pequena frase vertical em neon vermelho onde se lê "Меня Рвёт", que em russi significa algo como "está me destruindo ", dependendo do contexto. Esta frase parece ser uma reclamação de Derek Riggs ao trabalho que ele próprio se propôs a fazer na capa do disco

- um letreiro de néon com o Olho de Hórus está no topo de um edifício, uma referência à música "Powerslave",  do álbum de 1984 com o mesmo nome e que cita o "Eye of Horus" em sua letra

- abaixo do Olho de Hórus está o nome "Websters", uma homenagem a Charlie Webster, diretor de arte da EMI, gravadora da banda na época

- à direita da perna esquerda de Eddie há uma lata de lixo presa a um poste de luz, e ela é idêntica à vista na capa do primeiro álbum do Iron Maiden, lançado em 1980

- o gato preto com um auréola na cabeça, presente na contracapa do duplo ao vivo Live After Death (1985), está na calçada atrás de Eddie

- o símbolo da assinatura artística de Derek Riggs pode ser visto no peito de Eddie. Ele está presente em todas as capas que o artista criou para o Iron Maiden

Na contracapa:

- um relógio marca 23h58, referência a "2 Minutes to Midnight", um dos maiores hits do Maiden e que está presente no disco anterior a Somewhere in Time, o clássico Powerslave (1984)

- abaixo do relógio está uma placa que diz Phantom Opera House, em referência à música "Phantom of the Opera" do primeiro álbum da banda

- um prédio do lado esquerdo traz a placa Aces High Bar, uma referência à música de mesmo nome que abre o disco Powerslave

- voando sobre o Aces High Bar está o Spitfire da capa do single "Aces High"

- à esquerda do Aces High Bar estão quatro letras em amarelo e verde. Estas são letras hebraicas que soletram o nome de Deus (יהוה, Jeová / Yahweh)

- abaixo do Aces High Bar está uma placa que diz Sand Dune em referência à música "To Tame a Land", de Piece of Mind (1983), baseada no romance Duna, de Frank Herbert

- muitas pirâmides aparecem no fundo, uma referência ao álbum Powerslave

- entre as pirâmides está um ceifador semelhante ao que aparece na contracapa de Live After Death

- a marquise do cinema mostra Blade Runner, o filme que inspirou Derek Riggs a criar a capa de Somewhere in Time. Nessa mesma marquise também está a inscrição Live After Death, título do álbum ao vivo lançado pelo Maiden em 1985 e que é o antecessor imediato de Somewhere in Time

- o cinema se chama Philip K. Dick Cinema em homenagem ao famoso escritor de ficção científica Philip K. Dick, autor de clássicos como O Homem do Castelo Alto (que foi adaptado em uma excelente série da Amazon Prime) e Andróides Sonham com Ovelhas Elétricas?, livro que inspirou o filme Blade Runner

- à direita do relógio está um letreiro de néon com Ancient Mariner Seafood Restaurant, referência à canção "Rime of the Ancient Mariner" do álbum Powerslave

- no lado esquerdo inferior da capa está o The Ruskin Arms, pub inglês famoso por ser um dos primeiros locais em que o Iron Maiden se apresentou

- no segundo andar do edifício Ruskin Arms vemos uma mulher sentada em uma sala iluminada de vermelho, alusão à prostituta Charlotte, personagem presente em diversas canções da banda

- logo acima do The Ruskin Arms está um letreiro que diz Rainbow, outro local famoso na história do Iron Maiden, onde a banda gravou um show ao vivo em dezembro de 1980 e que foi lançado em vídeo maio de 1981

- no telhado deste mesmo edifício está a TARDIS, máquina do tempo da série de TV inglesa Doctor Who, produzida pela da BBC


- acima do letreiro de néon da Bradbury Towers vemos Ícaro em chamas caindo do céu, no mesmo estilo da capa do single "Flight of Icarus", de 1983. De acordo com Riggs, ele desenhou Ícaro de modo semelhante ao anjo do logotipo usado pela Swan Song Records, gravadora criada pelo Led Zeppelin

- na passarela acima do relógio há uma placa que informa: "ÚLTIMOS RESULTADOS ....... WEST HAM 7 ........ ARSENAL 3". Essa é uma brincadeira/homenagem a Steve Harris, que é um torcedor fanático do West Ham, time londrino que tem entre seus principais rivais o Arsenal, também um clube de Londres

- à direita das pirâmides está uma placa onde se lê Long Beach Arena, localizada na California e onde a maior parte do álbum ao vivo Live After Death foi gravada

- o letreiro de neon acima da banda diz Maggies Revenge e refere-se à Primeira-Ministra britânica Margaret Thatcher, que aparece na capa dos singles "Sanctuary" e "Women in Uniform"

- um dos edifícios é rotulado como Asimov Foundation, uma referência à série de livros Fundação, do escritor russo naturalizado norte-americano Isaac Asimov

- um personagem vestindo uma grande capa está acima do lado direito da passarela, e Riggs afirmou que ele é o Batman

- no canto inferior direito todos os cinco membros da banda estão alinhados. Bruce Dickinson está segurando um cérebro, uma alusão ao álbum Piece of Mind, enquanto Nicko McBrain está usando óculos de aviador (ele tinha licença de piloto nessa época, muito antes de Bruce conduzir a banda pelo mundo no Eddie Force One)

- à direita da Long Beach Arena está uma placa que diz Hammerjacks, que era uma boate e casa de shows em Baltimore frequentada pela banda

- abaixo dos Hammerjacks está uma placa que diz Tehe's Bar, local em que os vocais do coral de "Heaven Can Wait", música presente em Somewhere in Time, foram gravados

- à esquerda do relógio está uma placa que diz Herbert Ails, uma referência ao autor Frank Herbert, autor do livro Duna, no qual "To Tame a Land" se baseia. Herbert também morreu naquele mesmo ano, explicando a palavra "Ails" (“aflições”). A referência também se refere à resposta hostil que a banda recebeu de Herbert, transmitida através de seu agente, em relação à permissão para usar "Dune" como o título da música

- abaixo da placa da Phantom Opera House há uma placa que diz EMI REC. Todos os álbuns do Maiden até aquele momento haviam sido lançados pela EMI Records

Somewhere in Time foi gravado no Compass Pont Studio, nas Bahamas, e chegou às lojas em 19 de setembro de 1986. O disco rendeu dois singles – “Wasted Years” e “Stranger in a Strange Land” – e alcançou a posição número 11 no Billboard 200, além do terceiro lugar na Inglaterra. Nos Estados Unidos foram vendidas 1 milhão de cópias do álbum, e estima-se que o disco tenha alcançando a marca de aproximadamente 2 milhões e todo o planeta.

Comentários

  1. Amo esse disco. Sabia de algumas coisas aí, mas aprendi muitas! Herdei esse vinil do meu irmão mais velho. Ele está vivo, ainda bem, mas a pickup dele não. Ele também estava sem espaço no apartamento em que estava morando e quem saiu ganhando nessa fui eu! Ganhei muitos vinis, hehe!

    ResponderExcluir
  2. O meu preferido da Donzela de Ferro e "Sea Of Madness" é a melhor música do Iron Maiden!

    ResponderExcluir
  3. Logo acima do placar de futebol, há um prédio escrito "Tyrell Corp." A empresa Tyrell corporation é que produz os humanóides conhecidos como replicantes no filme Blade runner.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.