O heavy metal e o preconceito sexual

Há cerca de cinco anos atrás, o mundo do heavy metal foi sacudido,mais uma vez, por uma revelação bombástica. Gaahl, vocalista do Gorgoroth, anunciou aos quatro ventos sua opção sexual, se declarando gay. Em pleno século XXI, uma declaração como essa deveria passar batida, afinal cada um é livre para seguir a sua própria orientação sexual. Mas, no cenário do heavy metal, ela causa comoção.

Para quem nunca ouviu falar do Gorgoroth, vale um breve histórico a respeito do grupo. A banda foi fundada em 1992 na cidade norueguesa de Fjaler. Seu line-up original contava com Hat nos vocais, Infernus na guitarra, Samoth no baixo e Goat Pervertor na bateria. O grupo foi um dos principais nomes da chamada segunda geração do black metal, que teve o seu berço na Noruega no início dos anos noventa e ficou conhecida por três fatores: a qualidade inegável e influência gigantesca de bandas como Mayhem, Burzum, Darkthrone, Immortal, Emperor e o próprio Gorgoroth, entre outros; o surgimento do Inner Circle, grupo fechado encabeçado por Euronymous, guitarrista e líder do Mayhem, que causou controvérsia por promover a queima de igrejas históricas norueguesas; e, por último, o desentendimento entre Euronymous e Varg Virkenes, líder do Burzum, que culminou com o assassinato do primeiro pelo segundo, com Virkenes sendo condenado à uma longa temporada na prisão, e onde saiu somente recentemente.

O Gorgoroth, em sua carreira, gravou alguns álbuns clássicos do black metal como Pentagram de 1994, Antichrist de 1996 e Under the Sign of Hell de 1997, que ajudaram a definir a estética sonora do estilo, com os instrumentos soando propositadamente abafados e mal mixados, vocais urrados e bateria à velocidade da luz. 

Gaahl entrou no grupo em 1998, e com sua postura radical foi um dos principais responsáveis pelo acentuamento da visão radical da banda, uma das mais controversas do metal extremo, e que sempre fez questão de deixar clara a sua crença no satanismo. Por fim, um dos shows mais controversos que o metal já teve notícia foi uma apresentação do Gorgoroth na cidade polonesa de Cracóvia, em 2004, onde a banda tocou coberta por sangue de animais, além de trazer diversas mulheres nuas presas em cruzes e cabeças decapitadas de porcos e bodes por todo o palco, fatos esses que chocaram os poloneses, um dos povos mais católicos do mundo.

Ou seja, estamos falando de um dos ícones do black metal, e que finalmente resolveu assumir ao público a sua opção sexual. Não há mal nenhum nisso, muito pelo contrário. Rob Halford já havia causado debate semelhante quando, no início dos anos 1990, resolveu sair do armário. Aliás, aqui cabe um comentário: Halford, à frente do Judas Priest, foi uma das figuras fundamentais não só na evolução e definição do que hoje conhecemos como heavy metal, mas também, e principalmente, foi um dos artífices do modo de vestir dos headbangers ao redor do planeta, que copiaram seus trajes de couro sem perceber que, na verdade, aquelas roupas usadas por Rob eram inspiradas no visual gay sadomasoquista e não em algo supostamente másculo, como os mais desavisados acreditam até hoje.

Esses dois exemplos, infelizmente, são exceções. Não há notícia de muitos artistas de heavy metal que vieram a público revelar as suas opções sexuais, o que é uma pena. Em um país como o Brasil, onde cada vez mais a política se mistura - e se confunde, no mal sentido mesmo - com a religião, gerando figuras totalmente dispensáveis como os Felicianos da vida, exemplos de ídolos que não tem medo de expor o que fazem em suas vidas privadas seriam muito importantes. A opção sexual de cada pessoa é individual, e diz respeito somente a ela. Se alguém é heterossexual, gay, lésbica ou o que mais der na telha, isso diz respeito somente a esse indivíduo e a mais ninguém. É preciso respeitar as individualidades e as escolhas dos outros, postura, infelizmente, cada vez mais rara nesse país tropical.

O que me diverte nisso tudo é ver, por exemplo, bandas como Manowar serem endeusadas por meia dúzia de descerebrados. Além de produzirem uma música com qualidade pra lá de questionável, os músicos do grupo ainda se vestem com roupas mínimas que tem o único objetivo de expor os seus bem torneados músculos e corpos. Esse visual Conan pode ser tudo, menos algo que atraia garotas. Já garotos sedentos, é outro caso :-) E a lista pode ser facilmente aumentada com nomes como Venom, Bathory e outros - vão, joguem as pedras e me amaldiçoem nos comentários, sem problemas.

Concluindo: é preciso ter coragem para se expor como Rob Halford e Gaahl fizeram, deixando a confortável posição de ícones incontestes de um gênero musical para serem questionados sobre suas escolhas. E é inacreditável que, no mundo em que vivemos, a revelação da opção sexual de uma pessoa ainda cause tanta discussão, interferindo na avaliação de sua obra artística.

Vamos em frente, livres como sempre!

Por Ricardo Seelig

Comentários

  1. Vixi...
    Essa vai dar o que falar hein!

    ResponderExcluir
  2. Vixi...
    Essa vai dar o que falar hein!

    ResponderExcluir
  3. essa revelaçao foi muito inesperada mesmo, o cara mo pinta de malvadão... e foi se juntar com um estilista... pra mim isso foi comico...com relação ao texto, achei ótimo o assunto foi bem abordado, sem preconceito... bem profissional. parabens ao autor

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. A entrevista do cara pra Rock Hard (olha só a ironia) é uma das matérias do ano… e teu texto também ficou excelente (pra variar), brother!

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Cara corajoso, tem que ser muito "homem" para assumir num meio como o Black Metal.

    ResponderExcluir
  8. Não sou nem de longe fã de metal e muito menos do black metal, mas ao ler esse texto foi impossível não me manifestar. Acho todos estes terrenos extremamente perigosos, queimar igrejas, assassinatos, crucificações. O que esse pessoal quer chegar com isso? simplesmente chocar as pessoas, tal qual os terroristas? o que eles reivindicam? Basta lembrar uma das maiores verdades deste mundo, violência gera violência. Este vocalista hoje é algoz da própria geração de malucos radicais que ele alimentou e que demonstram altas doses de intolerâncias em vários campos. Meus respeitos aos fãs da música black metal, mas esse tipo de comportamento discriminante é digno de pena.

    ResponderExcluir
  9. Com o lobby gay atual as portas de todos ou da grande maioria dos armários estão escancaradas.

    ResponderExcluir
  10. Ok, o lobby gay está em alta. Mas, na vida real, aquela do dia a dia, o preconceito ressoa alto. O que é mais legal é a ironia, que vem como um balde d'água na cara dos radicalistas.
    Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  11. Parabéns a qualquer gay, no meio metálico ou não, que não tem vergonha de assumir o que é. Repúdio aos idiotas do mundo inteiro que vivem e morrem sem abandonar a mediocridade de suas piadas de mau gosto. O show de Cracóvia foi asqueroso. Exaltação à prostitutas e crueldade contra animais. Acredito que atitudes assim alimentam o que há de pior nos seres humanos. Não causa nenhuma espécie o fato de pessoas que apreciam tais extremos serem algozes de Gaahl.

    ResponderExcluir
  12. Parabéns a qualquer gay, no meio metálico ou não, que não tem vergonha de assumir o que é. Repúdio aos idiotas do mundo inteiro que vivem e morrem sem abandonar a mediocridade de suas piadas de mau gosto. O show de Cracóvia foi asqueroso. Exaltação à prostitutas e crueldade contra animais. Acredito que atitudes assim alimentam o que há de pior nos seres humanos. Não causa nenhuma espécie o fato de pessoas que apreciam tais extremos serem algozes de Gaahl.

    ResponderExcluir
  13. Bom Texto.

    Se Tem Uma palavra que tem que ser usada e aplicada hoje em dia é ''Respeito'' , respeitar os gostos e escolhas de cada um , sejam escolhas do meio : Sexual (Gay Ou Não) , Musical , Esporte , Politica , Religião , Etc, Etc ,Etc...

    ResponderExcluir
  14. Ser gay virou moda além de contra-cultural. Não sei se é tão sofrimento assim, pois hoje vc não é só o "pervertido" ou o "semi-mulher" ou coisas pejorativas. Antes de tudo, como bem avaliaram o unknown e Pedro, o tal do lobby gay junta isso no politicamente correto, dentre outras valorações positivas (como "tem que ser muito homem pra se assumir no metal"). Daí, vc posa de cidadania e nobre, além de corajoso. Então, não esqueçamos que não se trata mais de uma questão privada (sexualidade), mas de uma pauta política e cívica (lobby). Além de uma questão de imagem, marketing e discurso do momento. No início dos anos 2000, tudo era negro ... e já não é mais. Tem também a sexualidade atrelada a um dado tempo. Com certeza, quem se assumiu gay nos anos 60, 70, 80 e 90 é diferente dos 2000 e dos 2010.

    Não estou falando de hetero e homo, ok? Foda-se o pau e o cu de cada um. Cada um tem o seu cu e sabe o que faz (ou não) com ele.

    O lance que digo é que: como o rock sempre se posicionou como contra cultural, até nas bases da ideologia da tríade SEXO, DROGAS E ROCKNROLL, a sexualidade como espada da contra-cultura de ataque ao que entendemos como status quo é naturalmente válida. Todos percebem que o metal sempre foi afetuoso com o ateísmo, anti-religiosismo, anti-cristianismo, machismo, dentre outras coisas. Mas, de tempos pra cá, como a sociedade absorveu muitas coisas contra-culturais dos anos 60, 70 e 80 ... meio que esse ideário contra-cultural do rock se esvaziou. Até o anti-materialismo hippie também, pois o rock e o metal nada mais são do que consumo. O roqueiro já brincou muito com a identidade de gênero com homens de cabelo comprido, mulher com cabelo joãozinho, homens feministas, sexo sem compromisso e tudo mais. Tudo isso vem lá do hippie, sempre re-editado por aí, mas com menos força, como é o caso do anti-materialismo.

    Antes, não se admitia uma banda como empresa, mas somente como arte e ideologia. O que é absurdamente ilógico, pois os caras são agenciados por EMPRESÁRIOS (do radical "empresa") e não por artesãos, curadores artísticos, ideólogos e coisas tais, somente. O Metallica foi o olho do furacão com essa mudança de mentalidade do metal ideologia anti-materialista do marxismo econômico (60, 70 e 80) para o politicamente correto do marxismo cultural (90) quando lançou o album preto. Ali, os metaleiros pararam um pouco com lance de ideologia e anti-materialismo.

    ResponderExcluir
  15. Olha esses vídeos do RIR 1, em 1985, e olha como o comportamento do roqueiro era de ideologia e ser "contra o sistema". Hoje, a logica é outra: vc reclama de serviços sob a ótica de direitos do consumidor ("não tem lixeira", "banheiros estava sujos", "atrasou o horário", "muitas filas", "comi pizza de microondas").

    Da época que se falava 'conjunto musical" e não banda. hehe
    Divirtam-se com a fase que ser "metaleiro" era contra-cultural:

    Jornal Hoje - Dia de Heavy Metal no Rock In Rio (19/01/1985)
    http://www.youtube.com/watch?v=vgFW4cBMm7A

    [Rock in Rio, 1985] Globo Reportagem Metal Rita Moraes
    http://www.youtube.com/watch?v=H-qhxxXaalg

    Primeiro Dia: Definição de Metaleiro - Rock in Rio 1985
    http://www.youtube.com/watch?v=bjrweld5GwM

    Rock in Rio 1985 - Debaixo de chuva
    http://www.youtube.com/watch?v=h04sQwkACf4

    Primeiro Dia - Rita Lee tece comentários - Rock in Rio 1985
    http://www.youtube.com/watch?v=4jzbUzNOY4o

    [Rock in Rio, 1985] Globo Acampamento Abertura Portões Atrações
    http://www.youtube.com/watch?v=FwbWYVCuv-s

    Fora da Cidade do Rock Linguagem do Rock - Rock in Rio 1985
    http://www.youtube.com/watch?v=N3wgQJ3MmX8

    Rock in Rio - Saldo Final (1985)
    http://www.youtube.com/watch?v=RggU2L83fa4

    Penetras no Rock in Rio - Show de Rita Lee - 1985
    http://www.youtube.com/watch?v=F9L9nN_25mY

    Rock in Rio 1985 - Tudo Mega
    http://www.youtube.com/watch?v=jvK2WXYCCGk

    Rock in Rio 1985 - Foi bom demais
    http://www.youtube.com/watch?v=1gjpI3Jsm94

    [Rock in Rio, 1985] Globo Erasmo Baby Pepeu Ney
    http://www.youtube.com/watch?v=WcPootW9-g8

    Chegada do Queen à Cidade do Rock - Rock in Rio 1985
    http://www.youtube.com/watch?v=VvCHdBHiQzk

    ResponderExcluir
  16. Essa imagem representa muito a trajetória do Metallica e dos roqueiros nisso:

    No one shops harder than James Hetfield
    http://www.holytaco.com/no-one-shops-harder-than-james-hetfield/

    James Hetfield evolution
    http://9gag.com/gag/3087572

    Lembramos que na promoção do Load e Reload, o Lars e Kirk, faziam na estratégia de marketing da banda toda a dramaturgia da androgenia e da homossexualidade que pegou mais corpo no Marilyn Manson passando depois pro Emo, Indie e chegando ao Pop com a Lady Gaga. Mas Lars e Kirk não eram homo de fato. Entretanto, já naqueles idos de 1996 a 1999, mostravam que ser gay friendly como marketing não era a coisa mais perigosa no mundo do metal. Lembro em 1997 do Type O'negative com o clipe das 2 minas se pegando ou as modelos no Metallica do Whiskey Jar ... e a galera já ficando friendly das lésbicas ... o que era só um passo até chegar aos gays.

    Ser gay, hoje, no meio do metal não é tão difícil, pois ser ateu, anti-religião, anti-cristianismo, free sex (sexo sem compromisso) dentre outras ideologias, foram esvaziadas. Só sobrou mesmo a sexualidade homo como contracultura. Por isso, ela é bem aceita e até se torna marketing pra uns, identidade pra outros (artistas). Também se torna importante cada metaleiro revelar a sua opinião de aprovação ou condenação a homossexualidade, se posicionando como revolucionário (contra-cultural) ou conservador (status quo).

    A homossexualidade já foi tabu pra roqueiros e metaleiros ...mas, hoje, só é uma ferramenta ou bandeira contra-cultural, até porque ela bate de novo na família, na religião, no mercado, no estado ... como toda contra-cultura faz e fez. Mas vai chegar a hora que a homossexualidade vai ser absorvida pela sociedade em algum nível que vai tirar o aspecto de choque, ruptura, revolução, contra-cultura da sexualidade. A hiper exposição ajuda nisso, como as novelas da Globo que tem agora a cota racial e a cota sexual, né? Lembro que, nos anos 80 e 90, a mesma rede Globo fazia lavagem cerebral de espiritismo nas novelas. Hoje, já caminha pra ter sua cota de personagens evangélicos. Então, as coisas vão mudando. Quem não se lembra do Phil Anselmo com todo aquele problema de suposto racismo? Foi absorvido pelo rock, tanto que tem bandas com negões à frente como Sepultura, que chocam menos que o Body Count, com o Ice Cube (que era meio que chocante aquela fusão). Bem, os discursos e lobbys mudam. Daqui a pouco, vai ser outra coisa que vai ser contra-cultural. Outras coisas é que vão chocar. Hoje, o ateísmo, satanismo, anti-religiosismo, anti-cristianismo, anti-materialismo já não chocam mais, não é? Os metaleiros já são feministas, gay friendly, miscigenados, consumistas ... e até coisas fora do padrão atual, como anti-drogas ... até as drogas não são muito mais uma coisa de chocar ou contra-cultura hoje em dia. As mulheres no metal também não chocam mais. E, se pensarmos bem, a homossexualidade sempre foi mais difícil de ser assimilada que o travestismo por exemplo, pois o Kiss, Marilyn Manson e similares não são diferentes de Elke Maravilha, Lady Gaga, travestis.... são? Também acho que quando é uma coisa (roupa, acessório, imagem) é mais fácil de assimilar e aceitar do que alguém (comportamento, ideologia, pensamento, discurso). Por isso, a sexualidade homo é mais tensa do que essa imagem semi-travesti ou semi-dragqueen. E a androgenia é algo inerente ao rock. Também é contra-cultural não ser homem e mulher padrão. Mick Jagger é prova viva disso, muito antes do David Bowie, Boy George ou da maquiagem "leve" do Robert Smith do Cure (que usava batom vermelho e sombra nos olhos).

    ResponderExcluir
  17. Essas imagens dão muito o tom da coisa.
    O chifrinho na mão do roqueiro (ideologia) agora é só o registro do instagram (consumo, entretenimento)

    http://society6.com/warsstar/Rock-Evolution_Print

    http://www.ebaumsworld.com/pictures/view/363712/

    http://s3.amazonaws.com/rapgenius/1360255598_the_evolution_of_rap_by_angeldriver-d4v93qv.jpg

    http://www.positiwitty.com/rock-concert-audience-evolution/

    A arte, como contra-cultura, sempre vai precisar chocar. Sempre!
    Há quem aposte na arte abraçando a misantropia (desprezo ao ser humano) e o ambientalismo (estima à natureza e animais). Há quem diga que o futuro é um extremismo contra-cultural anti-humanista: valorizando a religião, fauna e flora e atacando o humanismo. Tudo o que for humano é sem valor e o que não for (animais e transcendente) terão valor. Meio como é documentado no filme Mad Max, onde os humanos são responsáveis pela destruição de tudo e Deus/animais é que são coisas raras, especiais e dignas de admiração. Exitem sérias apostas no ambientalismo, direitos dos animais e anti-humanismo como ideologias contra-culturais pro futuro, aliadas à uma fraternidade ampla e um sentimento misantropo muito forte.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Ambientalismo

    http://es.wikipedia.org/wiki/Antihumanismo

    http://es.wikipedia.org/wiki/Misantropia

    Muito complexo tudo isso.
    Boa discussão se levarmos pro lado da cultura, contra-cultura, música, lobby, política, comportamento ... mas sobre preconceito ... já deu, né? Deixemos a rede globo falar de preconceito ... isso é um papo antigo.
    Vamos pra próxima. E que todos vivam aí suas sexualidades devidas nos seus bate-coxas aí da vida.
    Abraços

    ResponderExcluir
  18. Legal a ideia do texto. Irônico que um cara tão preconceituoso com a Igreja prove do próprio veneno quanto à sua opção sexual.

    ResponderExcluir
  19. Discutir preconceito é uma coisa do passado, pois quem faz isso hoje é a rede globo (retaguarda).
    Os artistas (vanguarda) estão à frente do seu tempo e já discutem outras coisas.

    Se observarem bem, o futuro já está no discurso da andreia.
    Achei interessante a fala dela e como já demonstra uma mudança de orientação pro futuro.
    Estou dando ela como exemplo, elogiando-a até.
    Mas isso é um discurso difuso e perceptível na sua roda de amigos, facebook, bar, família e balada.
    Veja:

    Gay Friendly = Parabéns a qualquer gay, no meio metálico ou não, que não tem vergonha de assumir o que é.
    Politicamente Correto = Repúdio aos idiotas do mundo inteiro que vivem e morrem sem abandonar a mediocridade de suas piadas de mau gosto.
    Ambientalismo e direitos dos animais = Exaltação à prostitutas e crueldade contra animais.
    Misantropia = Acredito que atitudes assim alimentam o que há de pior nos seres humanos.
    Anti-humanismo = Não causa nenhuma espécie o fato de pessoas que apreciam tais extremos serem algozes de Gaahl

    A andreia significa o futuro e personifica bem no discurso dela o contra-cultural do futuro.
    A moda do veganismo ("não como animais por amor aos animais") também já é esse contexto sendo desenhado.
    Só faltou alguma coisa de fraternidade universal (globalização dos povos e não somente das pátrias, nacionalidades) e uma religiosidade universal que salve o homem de si mesmo. A misantropia é o caminho da solidariedade, religiosidade e fraternidade universal.

    O próprio Billy Corgan dos Smashing Pumpkins já disse que o futuro do rock é Deus:

    Billy Corgan sobre o futuro do rock: Deus
    http://www.oesquema.com.br/trabalhosujo/2013/09/02/billy-corgan-sobre-o-futuro-do-rock-deus.htm

    Billy Corgan faz declaração e diz que o futuro do rock é Deus
    http://www.feemjesus.com.br/noticia/billy-corgan-faz-declaração-e-diz-que-o-futuro-do-rock-é-deus

    Melhor exemplo de politicamente correto da música hoje:

    http://www.rdtgaga.com/2013/08/lady-gaga-publica-mensagem-no-tumblr-da.html

    Os jovens eram levados à rebeldia e liberdade ... estão caminhando pra igualdade, solidariedade e fraternidade.
    Sentiu a mudança de ideologia e de eixo? Isso é o futuro da contra-cultura.

    Aqui, um exemplo de que falar de preconceito é coisa de povão e do passado ... e não do artista e do futuro:
    No trecho "Sobre a mensagem de “Born This Way”"

    http://www.rdtgaga.com/2013/09/as-pessoas-pensam-que-eu-estou-acaba.html

    ResponderExcluir
  20. Cara, você tem um sério problema com Manowar... Mas quanto ao texto eu endosso o coro.

    ResponderExcluir
  21. "Esses dois exemplos, infelizmente, são exceções. Não há notícia de muitos artistas de heavy metal que vieram a público revelar as suas opções sexuais, o que é uma pena."


    Uma pena ? Na verdade eu estou me lixando para isso rsss. Não estou preocupado se fulano é gay, se não é, se deveria sair do armário ou não. Isso não muda minha vida em nada, ainda mais em se tratando de músicos, dos quais muitos eu nunca vi pessoalmente.

    ResponderExcluir
  22. Engraçado, sempre pensei que preconceito é uma coisa horrível em qualquer esfera, mas parece que contra gays é horrendo, contra católicos e a igreja é permissível.

    Se esse vocalista tem essa opção, para mim não faz diferença nenhum, ele foi, é e continuará sendo um tremendo babaca.

    Espero que meu comentário não seja deletado.

    ResponderExcluir
  23. Ser homossexual não é uma "opção". O termo correto é ~orientação~

    ResponderExcluir
  24. Olha como o homo é a contra-cultura e é adotado pra chocar hoje. Não quer dizer que as pessoas aprovem ou não (comportamento). Não estou falando sobre isso em momento algum. Estou falando de cultura e contra-cultura (discursos).

    The Irrepressibles - In This Shirt (2010)
    http://www.youtube.com/watch?v=l_2AgaZJWro

    Katy Perry - Peacock (2010)
    http://www.youtube.com/watch?v=S3bRPHPQsOs

    Isso, pra ficar só em 2 exemplos dos quais lembrei. Impossível ver isso e não ficar de cara, assim como antigamente o ateísmo, satanismo, dentre outras tantas coisas do rock serviram de base pra contra-cultura bater na cara da sociedade (cultura vigente).

    ResponderExcluir
  25. Realmente não dá para entender o motivo de a orientação sexual ou qualquer outra particularidade de alguém gerar tanta comoção. Não sendo algo que cause prejuízo a terceiros, há que ser aceito sem ressalvas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.