Review: Joe Bonamassa – Royal Tea (2020)


Não é exagero apontar Joe Bonamassa como o principal nome do blues neste século. O vocalista e guitarrista norte-americano nasceu em New Hartford, no estado de Nova York, em 1977, e desde cedo foi um prodígio, abrindo mais de vinte shows de B.B. King quando tinha apenas 12 anos.

Tanto pela qualidade quanto pela produtividade, a obra de Bonamassa é impressionante. Sua discografia conta com 14 discos de estúdio e 17 álbuns ao vivo, isso sem contar participações em bandas como o Black Country Communion e outros projetos, como a excelente parceria com a cantora Beth Hart. O cara é uma máquina criativa do mais elevado nível musical.

Royal Tea, seu mais novo disco, acaba de ser lançado e traz uma mudança na abordagem de Joe, que decidiu compor um álbum explorando a sonoridade e as particularidades do blues inglês. Obviamente, ele alcançou seu objetivo de maneira belíssima. Gravado no lendário estúdio Abbey Road e com participações de músicos britânicos como Bernie Marsden (ex-Whitesnake), Pete Brown (letrista do lendário supergrupo Cream) e Jools Holland (pianista e apresentador), o disco traz Bonamassa ao lado de uma banda formada por Reese Wynans (teclado), Michael Rhodes (baixo) e Anton Fig (bateria).

O álbum já abre de maneira espetacular com “When One Door Opens”, que possui uma passagem central que me remeteu à clássica “Child in Time”, do Deep Purple. A música título é de uma beleza e um groove contagiantes, enquanto “Why Does It Take So Long to Say Goodbye” aposta na sutileza como fio condutor. Em termos de estilo a maioria das faixas se aproxima bastante do rock, característica essa evidenciado pelo peso dos instrumentos e pela intensidade da performance. “Lookout Man!” é um exemplo perfeito disso, enquanto “I Didn’t Think She Would Do It” soa como uma road song feita sob medida pra pegar a estrada. No outro lado da moeda, “Lonely Boy” se inspira nas big bands da década de 1920 e é uma das melhores do trabalho.

Tocando com a classe, a técnica e a inspiração de sempre, Bonamassa entrega riffs e solos sensacionais, não economizando momentos que conquistam o ouvinte. Outro ponto alto, como sempre, é a sua voz, com um timbre pra lá de agradável e interpretações sanguíneas.

Se por algum acaso do destino você ainda não acompanha a carreira de Joe Bonamassa, aproveite mais um disco sensacional e conheça um dos maiores músicos desta geração.

Comentários

  1. Vou "correr" para ouvir", ainda não tinha conhecimento desse lançamento de Bonamassa.

    ResponderExcluir
  2. Bonamassa mantém uma qualidade excepcional em todos os seus trabalhos, um artista que "não tem álbum ruim"!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Você pode, e deve, manifestar a sua opinião nos comentários. O debate com os leitores, a troca de ideias entre quem escreve e lê, é que torna o nosso trabalho gratificante e recompensador. Porém, assim como respeitamos opiniões diferentes, é vital que você respeite os pensamentos diferentes dos seus.