Livro: Andre Matos – O Maestro do Heavy Metal, de Eliel Vieira e Luis Aizcorbe (2020, Estética Torta)


A história do heavy metal brasileiro ainda está sendo escrita. Todas as horas. Todos os dias. Agora mesmo. Porém, ela é pouco documentada. Existem poucos livros e documentários contando a trajetória do gênero no Brasil. Esse é só um dos pontos que faz da obra que conta a vida de Andre Matos um item essencial para qualquer pessoa que queira entender os caminhos que o metal trilhou nesse nosso imenso país tropical.

Andre Matos – O Maestro do Heavy Metal, escrito por Eliel Vieira e Luis Aizcorbe (476 páginas, capa dura) é um livro esplêndido em todos os aspectos. A concepção gráfica e o cuidado da editora Estética Torta já impressionam positivamente o leitor ao ter a obra em mãos. O livro vem com uma luva protetora em acetato onde estão impressos o títulos da capa e lombada, além das informações da contracapa. Isso faz com que, ao retirar essa proteção, tenhamos apenas a bela foto de Andre e toda a direção de arte do material intocada.

A obra cobre toda a vida de Andre, do nascimento até a morte repentina em 8 de junho de 2019, aos 47 anos. A idolatria ao vocalista, notadamente após a sua partida, transformou um dos músicos mais talentosos que o Brasil já ouviu na figura mais icônica do metal brasileiro. Andre Matos é, com justiça, a maior lenda da música pesada produzida em nosso país, e a sua triste e precoce partida apenas evidenciou isso. Transformou o homem em ícone.

Com uma escrita bastante fluída, narrativa descomplicada e capítulos no tamanho certo (são 23 ao todo), o livro aborda todas as bandas e fases musicais de Andre Matos, esmiuçando cada uma de suas jornadas musicais: Viper, Angra, Virgo, Shaman e carreira solo. A bem sacada ideia de utilizar QR codes faz com que a leitura seja ainda mais imersiva, já que podemos conferir na hora o vídeo, a música, o álbum e as situações que estão sendo contadas. E elas são muitas.

O Viper é tratado com a forma reverencial que merece, como um dos nomes pioneiros da cena metal brasileira e que, mesmo naquele período pré-histórico da cena aqui no Brasil e com os músicos no auge da adolescência, fazia um som contemporâneo a bandas que possuem um reconhecimento muito maior, como Helloween e outros nomes europeus. Os dois discos que Andre Matos gravou com a banda – Soldiers of Sunrise (1987) e, principalmente, Theatre of Fate (1989) -, são álbuns que anteciparam tendências e influenciaram profundamente o então nascente power metal.

O Angra é abordado com profundidade e revelações muito interessantes. Banda que tornou Andre conhecido em todo o mundo, sempre esteve cercada de mal entendidos e confusões, e aqui ficam claros muitos dos motivos que levaram a isso. Toninho Pirani, dono da Rock Brigade e da Rock Brigade Records e empresário da banda por anos, é retratado da forma que quem acompanha a cena metal brasileira sempre soube, mas não podia falar: o vilão da história toda, responsável por piratear CDs da banda que era manager, apresentar prestações de contas confusas e outras questões mal resolvidas e pouquíssimos profissionais, e que foram decisivas para o rompimento da primeira formação e levaram à crise da segunda, quando Aquiles Priester deixou o grupo - e a banda conseguiu, então, se livrar do seu encosto em forma de empresário. Infelizmente, Pirani não quis participar das entrevistas do livro, o que só atesta um velho ditado que todo mundo conhece: “onde tem fumaça, há fogo”. Ainda falando sobre a banda, é revelado que Andre e Rafael Bitencourt não se falavam desde o início do grupo, e que o contato entre os dois principais compositores do quinteto sempre foi meramente profissional. Outro fator mencionado é a similaridade nas personalidades de Andre e Kiko Loureiro, ambos muito fechados em seus próprios mundos e pouco abertos a suas vidas pessoais.

Em relação ao Shaman, a avalanche que foi o início da carreira da nova banda formada por Andre, Luis Mariutti e Ricardo Confessori após o trio deixar o Angra é retratada com riqueza de detalhes. E é importante mencionar que, musicalmente, tanto Ritual (2002) quanto Reason (2005) estão entre os melhores discos que Andre gravou na vida – o álbum de estreia do quarteto, que era completado por Hugo Mariutti e trazia também o tecladista Fábio Ribeiro, na minha opinião foi o ápice da musicalidade de Andre junto com Holy Land, lançado pelo Angra em 1996.

Há muita informação sobre a carreira musical de Andre, obtida através de um trabalho de pesquisa exemplar e que é a espinha dorsal do livro. O outro ponto de destaque é a luz que lança sobre a vida pessoal do vocalista, que sempre foi muito discreto e fechado em relação à sua famíia. A relação com a ex-esposa Sara, o nascimento do filho Adrian e a descoberta da paternidade, o contato muito próximo com o irmão Daniel e o primo Eco, o olhar protetor sobre a irmã Helena e o avô Ary, e o orgulho da mãe Sônia, além de diversos outras pessoas que conviviam com Andre longe dos palcos, mostram um indivíduo tímido, inteligente e apaixonado pelo que fazia. Um músico completo, que amava a música de maneira profunda e trilhou por vários caminhos desse amor, indo do metal à música erudita.

A morte de Andre é contada com aspectos que muita gente talvez não tenha tido acesso, com depoimentos emocionantes da família e revelações que ajudam a esclarecer como um cara de apenas 47 anos partiu de maneira tão repentina.

Andre Matos – O Maestro do Heavy Metal é uma obra monumental e uma leitura obrigatória para qualquer pessoa que queira entender como o heavy metal se desenvolveu no Brasil. Para os fãs do vocalista, então, nem se fala. Apesar de pequenas falhas na revisão – que não comprometem a leitura e devem ser corrigidas nas edições futuras -, tudo está absolutamente perfeito.

Sempre consumi muitas biografias sobre músicos, e essa, ao lado de Quando os Gigantes Caminhavam Sobre a Terra (bio do Led Zeppelin escrita pelo jornalista inglês Mick Wall), é a melhor e mais completa que já li.

E para você também ter essa experiência fantástica, a Collectors Room e a Estética Torta estão oferecendo um desconto especial de 20% na compra do livro através deste link. Mas corra, porque a tiragem inicial já está chegando ao fim e você não irá querer ficar sem esse livro na estante.


Comentários