29 de nov de 2013

Top 2013 Collectors Room: os melhores do ano na opinião de João Renato Alves, da Van do Halen

sexta-feira, novembro 29, 2013
Criado e editado por João Renato Alves, a Van do Halen é hoje o site de notícias mais ágil do Brasil quando o assunto é hard rock e metal. Com um trabalho incansável, João mantém milhões de fãs de música atualizados e bem informados em todo o país.

Parceiro de longa data da Collectors, João Renatto não poderia ficar de fora do nosso Top 2013 - e não ficou. Abaixo você confere quais foram, em sua opinião, os dez melhores discos do ano, além de mais uma coisinhas.



The Winery Dogs – The Winery Dogs

O trio mais arrasador surgido nos últimos tempos merece o topo da lista. A técnica usada em favor da música, longe de exibições firulentas. Que se faça justiça a Richie Kotzen, que não merece passar a vida no anonimato.



Black Sabbath – 13

O retorno de uma das maiores bandas da história com ¾ de sua formação original acabou gerando algo até melhor que o esperado por parte dos fãs. Sem medo de investir nas raízes, o grupo mostrou o que sabe fazer de melhor. Se esse for o fim, é um trabalho digno para tal função.



Sepultura – The Mediator Between Head and Hands Must Be the Heart

Quem implica, continuará assim. Mas o novo Sepultura, que já tinha feito o excelente Kairos, ficou ainda melhor neste disco de título quilométrico. Flertes com o que há de mais pesado no ramo e a velha categoria.


Paul McCartney – New

A humanidade deveria ser eternamente grata por esse ser de luz ter vindo parar neste planeta. Só Paul McCartney é capaz de fazer uma ideia simples ganhar grandiosidade infinita sem o menor esforço. Mais uma pérola para sua preciosa discografia.


Carcass – Surgical Steel

Com a carnificina usual, os ingleses fizeram um dos melhores discos de retorno dos últimos anos. Unindo elementos de várias fases, Jeff Walker e companhia registraram mais um trabalho para a posteridade.



David Bowie – The Next Day

O melhor álbum do camaleão em muito tempo – muito mesmo! Transpirando emoção pelos alto-falantes, Bowie mostra que a espera valeu a pena e comove todo o mundo da música.



The Quireboys – Beautiful Curse

A velha fórmula dos britânicos ainda funciona. Misturando hard setentista e classic rock, guiados pela voz rouca de Spike, o grupo não desaponta sua pequena, porém fiel, legião de fãs.



Pretty Maids – Motherland

Se há uma coisa que os adeptos têm certeza é que o Pretty Maids nunca decepcionará. Heavy metal, hard rock e AOR se unem em mais um grande momento dos dinamarqueses.



Volbeat – Outlaw Gentlemen & Shady Ladies

Todo o estardalhaço em volta da banda é justificado. Com a entrada de Rob Cagianno, o Volbeat oferece mais uma séries de sons envolventes em seu ambiente fantasioso e obscuro, regado a tiroteios e whisky barato.



Children of Bodom – Halo of Blood

Apesar de ter continuado lançando bons discos, o grupo de Alexi Laiho vinha desapontando órfãos da fase inicial. Parte do prestígio foi resgatado neste play, que recupera influências extremas e mostra a banda em grande momento técnico.


Também merecem ser citados:

Fair Warning – Sundancer
Stryper – No More Hell to Pay
Elton John – The Diving Board
Diamond Dawn – Overdrive
Black Star Riders – All Hell Breaks Loose
Tom Keifer – The Way Life Goes
Reckless Love – Spirit
Powerwolf – Preachers of the Night
Voodoo Circle – More Than One Way Home


Decepção do Ano: Megadeth – Super Collider

Decepção acontece quando a gente esperava algo de bom e acaba não vindo. Portanto, o Bon Jovi está descartado, já que não dava para esperar nada mesmo. Sendo assim, escolho para o posto a pisada no freio de Dave Mustaine e sua trupe, com um trabalho bem abaixo dos que vinha fazendo desde o retorno da banda.


Melhor CD/DVD Ao Vivo: Judas Priest – Epitaph

Melhor Show: Black Sabbath (Estacionamento da FIERGS, 9 de outubro, Porto Alegre – RS) 

Relatório da Bolsa de Valores do Reino Unido aponta o Iron Maiden como uma das maiores empresas inglesas

sexta-feira, novembro 29, 2013
Sim, é isso mesmo que você leu. A Bolsa de Valores do Reino Unido publicou hoje, 29/11, o relatório intitulado 1.000 Empresas para Inspirar a Grã-Bretanha, onde o Iron Maiden é citado como uma das companhias musicais que mais crescem na Terra da Rainha.

Segundo o respeitado jornal The Guardian, a Iron Maiden LLP, empresa que administra todos os negócios e bens do grupo, é uma das seis dedicadas à música no país com faturamento superior a todas as outras do setor. De acordo com o site da Bolsa de Londres, a Iron Maiden LLP possui ativos no valor de £6,8 milhões (R$ 25,7 milhões) e patrimônio líquido de £11,4 milhões (R$ 43 milhões).

O relatório atribui o sucesso da banda à sempre crescente base da fãs em todo o planeta, com destaque para as informações que o grupo colhe em suas redes na internet e transforma em estratégias rentáveis. Nos 12 meses terminados em 31 de maio de 2012, a banda atraiu mais de 3,1 milhões de fãs nas mídias sociais, e durante a turnê mundial Maiden England, de junho de 2012 a outubro de 2013, a base de fãs online cresceu em cinco milhões, principalmente na América Latina, de acordo com dados da Musicmetric publicados pelo Guardian.

O Brasil, como não poderia deixar de ser, tem participação ativa em todo esse sucesso. Quem conta é Greg Mead, presidente da Musicmetric: “Dados de BitTorrent do Iron Maiden sugerem que o Brasil é uma grande base de fãs — e considerando que o Brasil é um dos países que mais compartilha músicas no mundo, esse é um forte indicador de popularidade. Com as turnês constantes, o relatório sugere que o Maiden teve sucesso em transformar gente que baixa arquivos de graça em fãs que compram ingressos para shows. Essa é uma prova clara de que fazer turnês mundiais pode valer a pena. E mostra como ter os dados sobre onde está sua base de fãs será cada vez mais vital.”

Se alguém ainda duvidava do tamanho e do que representa a banda liderada por Bruce Dickinson, Steve Harris e Rod Smallwood, aí está a prova definitiva.

Por Ricardo Seelig, com informações de O Globo

Os 10 melhores discos de metal de 2013 segundo a revista portuguesa Blitz

sexta-feira, novembro 29, 2013
A revista portuguesa Blitz, encontrada facilmente nas bancas das principais cidades brasileiras, elencou quais foram, na opinião da sua equipe, os dez melhores álbuns de metal de 2013.

Uma bela lista, com escolhas nada óbvias e que mostram, pela enésima vez, a alta qualidade da cena metálica atual.

Confira abaixo:

1 Deafheaven - Sunbather
2 Modern Life is War - Fever Hunting
3 In Solitude - Sister
4 Coliseum - Sister Faith
5 Nails - Abandon All Life
6 Watain - The Wild Hunt
7 Portal - Vexovold
8 Ghost - Infestissumam
9 Kvelertak - Meir
10 Windhand - Soma


Por Ricardo Seelig

28 de nov de 2013

Top Collectors Room 2013: os melhores do ano na opinião de Luiz Mazetto, do Intervalo Banger

quinta-feira, novembro 28, 2013
Quando se fala em heavy metal e sons mais extremos, o Intervalo Banger é, com sobras, um dos sites mais legais - e divertidos - do Brasil. No ar já há alguns anos, tem uma linha editorial que foge totalmente da mesmice e tradicionalismo das revistas, sites e blogs dedicados ao metal que temos em nosso país, e faz tudo isso com grande conhecimento de causa e uma linguagem única.

Luiz Mazetto é um dos cabeças do IB, e traz todo esse diferencial participando do nosso Top 2013. Veja abaixo quais foram os melhores álbuns do ano na opinião do Mazetto:


Coliseum - Sister Faith
 

Gosto quando as bandas conseguem se reinventar sem perder a identidade. E mais ainda quando elas ficam melhores do que costumavam ser, algo quase impossível, digamos. Mas foi exatamente isso que o Coliseum conseguiu nesse disco. Depois de começar como uma banda com um som mais pesado, que virou um crust/metal em No Salvation (2207), Ryan Patterson, “dono” da banda, resolveu mudar tudo no disco seguinte, House With a Curse (2010), e agora chegou no seu ápice, com fortes influências de Fugazi e uma pegada mais melódica. Apenas escute!

All Pigs Must Die – Nothing Violates This Nature
 

Foi muito difícil escolher qual seria o melhor disco do ano. Porque apesar de ter gostado (e ouvido) muito o Coliseum, o All Pigs Must Die evoluiu demais e entregou provavelmente a maior pedrada do ano nessa lindeza produzida por adivinha quem ...Mas o Kurt Ballou não é o único nome do Converge envolvido aqui, já que o batera Ben Koller também quebra tudo nesse disco, que está com uma pegada mais death metal.

Pelican – Forever Becoming
 

Fazia muito tempo que um disco do Pelican não me fazia ter vontade de passar da primeira música. Nesse já me fizeram escutar logo o álbum todo umas dez vezes na semana de tão inspirados que estavam. A saída do guitarrista Laurent Schroeder, que estava na banda desde o início, acabou sendo boa para os caras, já que deu um novo sopro de vida para o som. Tem tudo que você quer do Pelican num disco: riffs altamente inspirados e pesados do início ao fim, sem firulas ou chatices de bandas que acham que música instrumental só pode ser feita com pirulitagem o tempo todo.

Clutch – Earth Rocker
 

Não que os últimos discos do Clutch não estivessem pesados, longe disso. Mas os caras voltaram a pesar a mão pra fazer esse álbum novo, talvez em parte pela volta do produtor Machine, que também esteve à frente do já clássico Blast Tyrant, de 2004. Tem até uma música acústica lindona, no melhor estilo Kyuss.

Nails – Abandon All Life
 

Briga muito de perto com o All Pigs Must Die e o Rotten Sound pelo posto de “disco mais feio do ano”, daqueles que dá vontade de sair quebrando tudo quando começa a tocar. É o melhor trampo dos caras, que desde 2007 fazem essa massa sonora que mistura Unsane, death metal e Cro-Mags, entre outras lindezas, da melhor maneira possível. Um dos melhores discos de 2013 e um dos melhores shows que já vi.

Lee Ranaldo and The Dust – Last Night on Earth
 

Cada vez mais acho que o Sonic Youth fez a melhor coisa em acabar, já que eles não estavam mais tão inspirados como banda e liberaram o Thurstoon Moore e o Lee Ranaldo para se concentrarem nas suas carreiras solos. Depois do ótimo Between the Times and the Tides, o cara volta a fazer bonito nesse novo disco, que ainda com o Steve Shelley, também do Sonic Youth, na bateria.

Rotten Sound – Species at War (EP)
 

Disco mais curto da lista, com apenas 8 minutos espalhados em seis músicas, que parecem a trilha perfeita para o fim do mundo. Os caras aplicam a “fórmula” já consagrada desde Cycles (2008), mas de uma forma ainda mais intensa, já que as músicas são mais curtas, no geral, e, acredite se quiser, ainda mais agressivas. Disco de grind do ano, fácil.

Beastmilk - Climax
 

Ótima surpresa que ouvi esse ano. Conhecia bem pouco da banda, e o que tinha ouvido não tinha me chamado muito a atenção. Mesmo estando longe de ser a coisa mais original do mundo, é sempre bom ouvir uma banda que sabe fazer com propriedade um som na melhor vibe do Joy Division e The Cure, mas com uma pegada mais pesada, muito em parte pela produção do já citado Kurt Ballou.

Doomriders – Grand Blood
 

A espera realmente valeu a pena. Cerca de quatro anos depois do lindão Darkness Come Alive, o quarteto liderado pelo Nate Newton, do Converge, soltou o disco mais pesado e “feio” da sua carreira sempre calcada numa mistura de stoner, sludge e hardcore. Destaque para a faixa “Bad Vibes” e para a produção sempre acima da média do Kurt Ballou (Converge) no estúdio God City.

Mark Lanegan – Imitations
 

Discos de covers dificilmente me agradam (aliás, acho que ninguém gosta muito), com algumas poucas exceções, mas o Mark Lanegan não costuma errar e dessa vez ele acertou em cheio. A voz rouca e cheia do cara, que já esteve no Screaming Trees, QOTSA e Mad Season, canta aqui as músicas tristes favoritas dele. Tem desde Chelsea Wolfe até Frank Sinatra.

Os 20 melhores discos de 2013 segundo a Revolver Magazine

quinta-feira, novembro 28, 2013
A revista norte-americana Revolver traz em sua nova edição a lista com os melhores álbuns de 2013 segundo a sua equipe. Há grande destaque para a cena dos Estados Unidos, porém sem deixar de reconhecer o trabalho de alguns discos excelentes que saíram mundo afora.

O Black Sabbath ficou com a primeira posição e levou também o prêmio de banda do ano.

Abaixo, o top 20 de 2013 segundo a Revolver Magazine:

1 Black Sabbath - 13
2 Deafheaven - Sunbather
3 Avenged Sevenfold - Hail to the King
4 Kvelertak - Meir
5 Nails - Abandon All Life
6 Carcass - Surgical Steel
7 Ghost - Infestissumam
8 Windhand - Soma
9 Alice in Chains - The Devil Put Dinosaurs Here
10 Queens of the Stone Age - ... Like Clockwork
11 The Dillinger Escape Plan - One of Us is the Killer
12 Volbeat - Outlaw Gentlemen & Shady Ladies
13 KoRn - The Paradigm Shift
14 Stone Sour - House of Gold & Bones Part 2
15 Five Finger Death Punch - The Wrong Side of Heaven and the Righteous Side of Hell Volume 1
16 ASG - Blood Drive
17 Watain - The Wild Hunt
18 A Pale Horse Named Death - Lay My Soul to Waste
19 Rob Zombie - Venomous Rat Regeneration Vendor
20 Gorguts - Colored Sands


Por Ricardo Seelig

Os 10 melhores discos de 2013 segundo o Ultimate Classic Rock

quinta-feira, novembro 28, 2013
O site Ultimate Classic Rock publicou a sua lista com os melhores álbuns do ano - leia o post original aqui. Como sempre, o top 10 do UCR reflete a sua linha editorial e traz a predominância de nomes veteranos.

Curiosidade: sete dos dez discos  foram gravados por artistas solo, e não bandas.

Abaixo, o top 10 de 2013 segundo o Ultimate Classic Rock:

1 David Bowie - The Next Day
2 Bob Dylan - Another Self Portrait (1969-1971)
3 Paul McCartney - New
4 Elvis Costello and The Roots - Wise Up Ghost
5 Elton John - The Diving Road
6 Gov’t Mule - Shout!
7 Motörhead - Aftershock
8 Jimi Hendrix - People, Hell & Angels
9 Sound City: Real to Reel
10 John Fogerty - Wrote a Song for Everyone


Por Ricardo Seelig

27 de nov de 2013

Top 2013 Collectors Room: os melhores do ano na opinião de Thiago Cardim

quarta-feira, novembro 27, 2013
Como fazemos todos os anos, convidamos vários jornalistas e blogueiros de todo o Brasil para participarem do Top 2013 da Collectors Room. A partir de hoje, publicaremos as listas de cada um deles, construindo um painel heterogêneo do que de melhor aconteceu na música durante todo o ano. Você conhecerá as escolhas de pessoas ligadas aos mais variados gêneros, formando assim uma visão ampla e sem preconceitos sobre os sons que marcaram 2013.

Este ano, as coisas serão um pouco diferentes de 2012. Não teremos várias categorias como no ano passado. Nossos convidados listarão apenas aqueles que julgaram como os melhores discos do ano. Porém, nossa equipe irá um pouco mais além, com mais algumas categorias em suas listas.

No final de tudo, somaremos todos os votos dos participantes e aplicaremos uma metodologia para definir quais foram, na opinião da Collectors Room e de todos os participantes do nosso Top 2013, os melhores discos do ano.

Esperamos que vocês curtam essa saga de posts que publicaremos a partir de hoje, e que também compartilhem conosco as suas escolhas e opiniões sobre a música de 2013. E, claro, lembrem-se sempre: as listas mostram as escolhas pessoais de cada um dos participantes, que certamente serão diferentes das suas. Portanto, na hora de comentar cada uma delas, concorde ou discorde mantendo sempre o respeito.

Quem dá o pontapé inicial nessa grande e divertida brincadeira é o nosso colaborador Thiago Cardim. Pra quem não sabe, o Thiago, além de fazer parte da Collectors, também edita o Judão Música, escreve para o Whiplash e mantém o Observatório Nerd, que pode ser consumido em formato blog e Tumblr.

Somos todos tarados por listas como o personagem Rob Fleming, do livro Alta Fidelidade, do escritor inglês Nick Hornby. Acreditamos que você também seja, então vamos nessa juntos?


David Bowie - The Next Day

Indispensável. Se fosse necessário escolher um único adjetivo para definir o disco, seria este. Ouça sem moderação.


Black Sabbath - 13

Estes senhores britânicos não vieram dispostos a fazer uma mera cópia de seu passado – vieram, isso sim, provar que continuam sendo relevantes para o cenário da música pesada. E provaram.


Daft Punk - Random Access Memories

Delicioso disco retrô, que dialoga com os anos 1970 e 1980 e torna este novo trabalho um pouco mais acessível e, por que não dizer, pop. Genial e dançante ao mesmo tempo. :)


The Strokes - Comedown Machine

Pode se tratar de um susto para quem queria um novo Is This It. Mas é, de fato, uma grata surpresa para quem buscava boa música.


Queens of the Stone Age - ... Like Clockwork

Estamos diante de um álbum ao mesmo tempo muscular e envolvente, complexo mas repleto de harmonias que ajudam a torná-lo cool, cheio de estilo, único, gostoso de ouvir do início ao fim.


Paul McCartney - New

Uma surpresa mais do que grata, uma verdadeira aula de boa música pop. Paul não deixa o seu passado para trás. Só que isso não faz a obra chegar a soar como nostalgia pura e simples, essencialmente girando em volta do próprio umbigo.


The Winery Dogs - The Winery Dogs

Comendo pelas beiradas e desbancando muito medalhão, estes cães bêbados assumiram lugar definitivo na lista de melhores do ano. Uma das maiores surpresas do ano, daquelas que chega sem fazer muito barulho e te pega pelos calcanhares.


Rob Zombie - Venamous Rat Regeneration Vendor

Hellbilly Deluxe é a grande obra-prima da carreira de Rob Zombie pós-White Zombie. Venomous Rat Regeneration Vendor é, pelo menos até o momento, o seu melhor disco desde Hellbilly Deluxe. Diversão furiosa, na melhor acepção da expressão.


Sepultura - The Mediator Between Hands and Heart Must Be the Heart

Aqui tem o Sepultura de Chaos A.D.. Mas também tem o Sepultura de Roots. E muito mais. O Sepultura cria um ponto de ruptura perfeito. Aquele momento em que as viúvas dos Cavalera enfim vão abandonar o grupo. Ainda bem.


Nação Zumbi & Mundo Livre S/A - Embate do Século

Ambas as bandas mergulham de cabeça na missão e se arriscam a ponto de tornarem algumas das músicas praticamente irreconhecíveis e, ainda assim, tão deliciosas quanto as originais.


Retorno do Ano - David Bowie

Porque é difícil um sujeito sair da toca e provar assim, de maneira tão bela, que continua absolutamente em forma, tão afiado e relevante.

Disco Decepção - Bon Jovi - What About Now

Disco achatado, padrão, que segue igualzinho, produzido praticamente no piloto automático, do início ao fim. Não tem auge, não tem ápice. Não tem nada. 


Melhor CD/DVD Ao Vivo - The Rolling Stones - Sweet Summer Sun: Hyde Park Live

Uma banda memorável. Um lugar memorável. Uma apresentação memorável. 


Melhor livro - Freddie Mercury: A Biografia Definitiva, de Lesley Ann-Jones

Porque é um livro sobre o Freddie Mercury. E não precisa de nenhuma justificativa adicional. :)


Melhor Show - Bruce Springsteen em São Paulo

Como disse um grande amigo, é o tipo de apresentação que deveria servir como "template" para qualquer boa banda de rock nos próximos anos. 


5 Melhores Sites/Blogs Sobre Música

Tenho Mais Discos Que Amigos!
Scream & Yell
Whiplash!
Wikimetal
All Music

Os 40 melhores discos de 2013 segundo a Decibel Magazine

quarta-feira, novembro 27, 2013
Saiu a primeira lista com os melhores discos de heavy metal lançados em 2013. A revista norte-americana Decibel abriu os trabalhos com o seu top 40 do ano. Tem vários álbuns que não foram muito falados aqui no Brasil, então uma dica: use essa lista como guia para conhecer novas bandas e sons.

Abaixo, os 40 melhores discos de 2013 segundo a Decibel:

40. Batillus - Concrete Stain


39. Dark Tranquility - Construct

38. Corrections House - Last City Zero

37. Watain - The Wild Hunt

36. Aevangelist - Omen Ex Simulacra

35. Noctum - Final Sacrifice

34. Skeletonwitch - Serpents Unleashed

33. Cathedral - The Last Spire

32. Coliseum - Sister Faith

31. Portal - Vexovoid

30. Iron Reagan - Worse Than Dead

29. Craven Idol - Towards Eschaton

28. Anciients - Heart of Oak

27. Ulcerate - Vermis

26. Oranssi Pazuzu - Valonielu

25. Uncle Acid & the Deadbeats - Mind Control

24. Exhumed - Necrocracy

23. Immolation - Kigdom of Conspiracy

22. Kylesa - Ultraviolet

21. Antigama - Meteor

20. The Ruins of Beverast - Blood Vaults: The Blazing Gospel of Heinrich Kramer

19. Ihsahn - Das Seelenbrechen

18. Lycus- Tempest

17. Purson - The Circle and the Blue Door

16. Secrets of the Sky - To Sail Black Waters

15. Autopsy - The Headless Ritual

14. Inter Arma - Sky Burial

13. Nails - Abandon AllLife

12. Toxic Holocaust - Chemistry of Consciousness

11. Deafheaven - Sunbather

10. Tribulation - The Formulas of Death

9. Noisem - Agonies Defined

8. Darkthrone - The Underground Resistance

7. Melt-Banana - Fetch

6. Cult of Luna - Vertikal

5. Inquisition - Obscure Verses for the Multiverse

4. SubRosa - More Constant Than the Gods

3. Gorguts - Colored Sands

2. In Solitude - Sister

1. Carcass - Surgical Steel

Por Ricardo Seelig

Maratona Heavy Lero

quarta-feira, novembro 27, 2013
Preparamos uma maratona especial para você curtir o melhor programa sobre rock da internet brasileira. Abaixo, todos os episódios do Heavy Lero, apresentado por Gastão Moreira e Bento Araújo e dirigido por Edgard Picolli.

Assine também o canal do programa no You Tube e saiba em primeira mão as novidades do Heavy Lero.

Delicie-se com os vídeos abaixo:


Por Ricardo Seelig

Crítica do livro American Hair Metal, de Steven Blush

quarta-feira, novembro 27, 2013
Quem viveu, viu os anos 2000 promoverem um ascendente interesse no hard rock made in USA que dominou o mundo na década de 1980. Depois de férias forçadas impostas pela mesma mídia que outrora sustentou, o hair metal, como é frequentemente chamado, voltou com força total, impulsionado, sobretudo, pela cena escandinava. A fórmula do sucesso é antiga e os próprios grupos admitem que, sob vários aspectos, estão somente reproduzindo algo que já foi feito ou, para falar bonito, mostrando que a festa ainda não acabou, apenas fez uma pausa.

A estética do hair metal virou objeto de estudo. O way of life daquela turma que não estava nem aí para o governo Reagan prova que o hard rock oitentista ultrapassou os limites do som, tornando-se algo cultural. Uma nova aba foi aberta na ficha criminal do típico rockstar e as inovações tecnológicas asseguraram que tudo aquilo fosse ouvido em alto e bom som.

Conhecido pela obra American Hardcore, que recentemente virou documentário, Steven Blush se afundou em jornais, revistas e acervos pessoais de fotógrafos para traçar o perfil da cena hair metal estadunidense. Em American Hair Metal (2006), o autor define de maneira enxuta e com notável imparcialidade o movimento que dominou o país do Tio Sam num passado não muito distante. Seu texto é permeado por páginas e mais páginas de fotos e citações daqueles que construíram a cena e a viram ser esmagada pelo grunge com o lançamento de Nevermind, do Nirvana, em 1991. Há quem tome as permeações como excessivas — algumas críticas não pegaram leve no esculacho. Eu vejo isso como uma história sendo contada pelos próprios personagens. Um reconhecimento de firma em cartório.

Para Blush, tudo começou com o New York Dolls e a representação máxima do gênero é o Poison. A banda com mais citações ao longo do livro é o Mötley Crüe — há uma página com mais de dez atribuídas a Nikki Sixx —, mas Cinderella, Warrant e, surpreendentemente, Stryper, também marcam forte presença. Determinadas aspas são de rolar de rir, outras são simplesmente embaraçosas (farei uma compilação com as melhores em breve), mas todas depõem em prol do conceito de sexo, drogas e rock and roll levado às últimas consequências. Um detalhe interessante é o fato de o autor passar batido pelo Guns N' Roses, talvez por considerar o grupo uma exceção, já que seguiu faturando milhões em confronto direto com o grunge, até seu colapso em 1993. Outros aspectos, como a figura da groupie e o fortalecimento da imagem da mulher impulsionado pelo sucesso do Vixen, também fazem parte da mistura.

No terço final do livro, uma mini enciclopédia apresenta o que Blush entende como as principais bandas e inclui line-ups, canções fundamentais e curiosidades que mesmo eu, bom entendedor de hard rock, não fazia ideia. Como toda lista, esta aqui promete dividir opiniões — eu mesmo questionei algumas escolhas. O livro termina com menções honrosas a alguns grupos coadjuvantes e, novamente, as reações estão sujeitas a variação.

Como produto, American Hair Metal conta com um trabalho gráfico de primeira, com 280 páginas totalmente coloridas e capa metalizada. Fica bonito na estante e vale os 22 dólares pagos. Como objeto para pesquisa, a melhor opção ainda é o cada vez mais raro Hollywood Rocks!: The Ultimate Guide to the 1980's Hollywood, California Rock-N-Roll Music Scene, de Simon Toon.

Por Marcelo Vieira

Os 50 melhores discos de 2013 segundo a Amazon

quarta-feira, novembro 27, 2013
A Amazon também publicou a sua lista de melhores do ano. Há de tudo um pouco nas escolhas da gigante da internet, englobando vários estilos. Aos headbangers revoltados, vale o aviso, pela bilionésima vez: não trata-se de uma lista exclusiva de metal, ok?

Abaixo, os 50 melhores discos de 2013 segundo a Amazon:

1 Daft Punk - Random Access Memories
2 Vampire Weekend - Modern Vampires of the City
3 CHVRCHES - The Bones of What You Believe
4 Jason Isbell - Southeastern
5 Tegan and Sara - Heartthrob
6 Queens of the Stone Age - ... Like Clockwork
7 Lorde - Pure Heroine
8 Bastille - Bad Blood
9 The National - Trouble Will Find Me
10 Kacey Musgraves - Same Trailer Different Park
11 Drake - Nothing Was the Same
12 Arcade Fire - Reflektor
13 HAIM - Days Are Gone
14 The Civil Wars - The Civil Wars
15 Neko Case - The Worse Things Get ...
16 Deafheaven - Sunbather
17 Foals - Holy Fire
18 Miley Cyrus - Bangerz
19 Fitz & The Tantrums - More Than Just a Dream
20 Icona Pop - This is ... Icona Pop
21 Phoenix - Bankrupt!
22 Kanye West - Yeezus
23 Unknown Mortal Orchestra - II
24 Charli XCX - True Romance
25 Lucius - Wildewoman
26 Rhye - Woman
27 Franz Ferdinand - Right Thoughts, Right Words, Right Action
28 Jessie Dare - Devotion
29 Justin Timberlake - The 20/20 Experience
30 Disclosure - Settle
31 Atoms for Peace - AMOK
32 Royal Teeth - Glow
33 Cold War Kids - Dear Miss Lonely Hearts
34 The 1975 - The 1975
35 Tom Odell - Long Way Down
36 Portugal The Man - Evil Friends
37 BOY - Mutual Friends
38 Kurt Vile - Wakin on a Pretty Daze
39 Depeche Mode - Delta Machine
40 Local Natives - Hummingbird
41 Capital Cities - In a Tidal Wave of Mystery
42 Arctic Monkeys - AM
43 Volcano Choir - Repave
44 AlunaGeorge - Body Music
45 Russian Circles - Memorial
46 Hanni El Khatib - Head in the Dirt
47 Katy Perry - Prism
48 Pelican - Forever Becoming
49 Savages - Silence Yourself
50 Autre Ne Veut - Anxiety

Por Ricardo Seelig

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE