7 de set de 2018

Greta Van Fleet revela detalhes de novo disco e mostra música inédita

sexta-feira, setembro 07, 2018

O Greta Van Fleet lançará dia 19 de outubro o seu primeiro disco, Anthem of the Peaceful Army. O álbum foi produzido pelo trio Marlon Young, Al Sutton e Herschel Boone e teve as suas gravações registradas em Nasville e Royal Oak, cidade que fica no Michigan. O título é o sucessor de From the Fires, que saiu em 2017 e reuniu os dois primeiros EPs do quarteto.

A banda revelou também mais uma música inédita, a bonita balada "Watching Over", e a notícia é boa: a canção não lembra o Led Zeppelin, uma crítica comum ao trabalho do grupo. Ela faz parte do tracklist de Anthem of the Peaceful Army, que conta com dez faixas. Confira o tracklist  e ouça "Watching Over" abaixo:


1. Age Of Man 

2. The Cold Wind 
3. When The Curtain Falls 
4. Watching Over 
5. Lover Leaver (Taker Believer) 
6. You're The One 
7. The New Day 
8. Mountain Of The Sun 
9. Brave New World 
10. Anthem

Metallica anuncia edição de 30 anos de ... And Justice For All

sexta-feira, setembro 07, 2018

Celebrando os trinta anos de seu quarto disco, o Metallica anunciou o lançamento de uma edição especial e cheia de extras de ... And Justice For All. O material chegará às lojas dia 2 de novembro através da própria gravadora da banda, a Blackened Recordings. 

O álbum foi remasterizado por Greg Fidelman e será disponibilizado em diversos formatos: LP duplo 180 gramas, CD triplo, fita-cassete e em um box deluxe limitado, além das edições digitais. É no box que está o fino do material para os colecionadores, incluindo demos inéditas, mixes alternativos e faixas ao vivo nunca lançadas, além de um booklet com fotos inéditas de Ross Halfin. O conteúdo do box inclui o LP duplo, um picture disc com a arte do single "One", 3 LPs com músicas ao vivo gravadas em Seattle em 1989, 11 CDs, 4 DVDs , 4 patches, prints, um livro de 120 páginas e mais material adicional.


Todas as versões já estão em pré-venda no site do Metallica. E abaixo você confere o gigantesco tracklist da versão deluxe, bem como um vídeo em que Kirk Hammett apresenta o material:



LP 1 & 2: ...AND JUSTICE FOR ALL (REMASTERED)

SIDE ONE
Blackened
...And Justice for All

SIDE TWO
Eye of the Beholder
One

SIDE THREE
The Shortest Straw
Harvester of Sorrow
The Frayed Ends of Sanity

SIDE FOUR
To Live Is to Die
Dyers Eve

Remastered by Reuben Cohen at Lurssen Mastering, Los Angeles, CA
Vinyl lacquers by Chris Bellman at Bernie Grundman Mastering, Hollywood, CA

LP 3: "ONE" 10" PICTURE DISC

SIDE ONE
One

SIDE TWO
Seek & Destroy (Live at Reunion Arena, Dallas, TX – February 5th, 1989)

Artwork by Pushead
Remastered by Reuben Cohen at Lurssen Mastering, Los Angeles, CA

LP 4, 5 & 6: SEATTLE ‘89

SIDE ONE
The Ecstasy of Gold
Blackened (Live)
For Whom the Bell Tolls (Live)
Welcome Home (Sanitarium) (Live)

SIDE TWO
Harvester of Sorrow (Live)
The Four Horsemen (Live)
The Thing That Should Not Be (Live)

SIDE THREE
Bass Solo (Live)
Master of Puppets (Live)
Fade to Black (Live)

SIDE FOUR
Seek & Destroy (Live)
...And Justice for All (Live)
One (Live)

SIDE FIVE
Creeping Death (Live)
Guitar Solo (Live)
Battery (Live)

SIDE SIX
Encore Jam (Live)
Last Caress (Live)
Am I Evil? (Live)
Whiplash (Live)
Breadfan (Live)

Recorded live on August 29th and August 30th, 1989 at Seattle Coliseum in Seattle, WA
Mixed by Greg Fidelman
Mastered by Reuben Cohen at Lurssen Mastering, Los Angeles, CA
Vinyl lacquers by Chris Bellman at Bernie Grundman Mastering, Hollywood, CA

CD 1: ...AND JUSTICE FOR ALL (REMASTERED)
Blackened
...And Justice for All
Eye of the Beholder
One
The Shortest Straw
Harvester of Sorrow
The Frayed Ends of Sanity
To Live Is to Die
Dyers Eve

CD 2: INTERVIEWS
KSDT Interview with Jason
Circus Magazine Interview with James
KNAC Report from LA Monsters of Rock
KHDX Interview with Kirk
Metal Forces Magazine Interview with Lars

CD 3 & 4: RIFFS, JAMS & DEMOS

DISC ONE
Blackened (1987, From James’ Riff Tapes)
Blackened (1987, From James’ Riff Tapes II)
…And Justice for All (1987, From James’ Riff Tapes)
…And Justice for All (1988, From James’ Riff Tapes)
Eye of the Beholder (1987, From James’ Riff Tapes)
Eye of the Beholder (1987, From James’ Riff Tapes II)
One (1987, From James’ Riff Tapes)
The Shortest Straw (1986, From James’ Riff Tapes)
The Shortest Straw (1986, from James’ Riff Tapes II)
Harvester of Sorrow (1987, From James’ Riff Tapes)
The Frayed Ends of Sanity (1987, From James’ Riff Tapes)
To Live Is to Die (1986, From James’ Riff Tapes)
To Live Is to Die (1988, From James’ Riff Tapes)
Dyers Eve (1986, From James’ Riff Tapes)
Dyers Eve (1987, From James’ Riff Tapes)
Blackened (October 1987, Writing in Progress)
…And Justice for All (October 1987, Writing in Progress)
…And Justice for All (October 1987, Writing in Progress II)
One (October 1987, Writing in Progress)
The Shortest Straw (October 1987, Writing in Progress)
…And Justice for All (November 1987, Writing in Progress)
The Frayed Ends of Sanity (November 1987, Writing in Progress)
One (November 1987, Writing in Progress)
Dyers Eve (November 1987, Writing in Progress)
Eye of the Beholder (November 1987, Writing in Progress)
To Live Is to Die (November 1987, Writing in Progress)
The Shortest Straw (December 1987, Writing in Progress)
Harvester of Sorrow (December 1987, Writing in Progress)

DISC TWO
Blackened (November 1987 Demo)
…And Justice for All (November 1987 Demo)
Eye of the Beholder (November 1987 Demo)
One (November 1987 Demo)
The Frayed Ends of Sanity (November 1987 Demo)
Eye of the Beholder (January 1988 Demo)
The Shortest Straw (January 1988 Demo)
Harvester of Sorrow (January 1988 Demo)
Dyers Eve (January 1988 Demo)
To Live Is to Die (January 1988 Demo)

CD 5: ROUGH MIXES FROM THE VAULT
Blackened (Work in Progress Rough Mix)
…And Justice for All (Work in Progress Rough Mix)
Eye of the Beholder (Work in Progress Rough Mix)
One (Work in Progress Rough Mix)
The Shortest Straw (Work in Progress Rough Mix)
Harvester of Sorrow (Work in Progress Rough Mix)
The Frayed Ends of Sanity (Work in Progress Rough Mix)
To Live Is to Die (Acoustic Intro) (Work in Progress Rough Mix)
To Live Is to Die (Work in Progress Rough Mix)
Dyers Eve (Work in Progress Rough Mix)
Breadfan (Work in Progress Rough Mix)
The Prince (Work in Progress Rough Mix)

CD 6 & 7: LIVE AT THE TROUBADOUR, WEST HOLLYWOOD, CA - MAY 24TH, 1988 + B-SIDES

DISC ONE
Creeping Death (Live)
For Whom the Bell Tolls (Live)
Welcome Home (Sanitarium) (Live)
The Four Horsemen (Live)
Whiplash (Live)
Fade to Black (Live)
Seek & Destroy (Live)
Master of Puppets (Live)
Encore Jam (Live)
Last Caress (Live)
Am I Evil? (Live)
Battery (Live)

DISC TWO
Encore Jam #2 (Live)
Harvester of Sorrow (Live)
Leper Messiah (Live)
Blitzkrieg (Live)

B-Sides

Breadfan (Remastered)
The Prince (Remastered)
For Whom the Bell Tolls (Live) *
Welcome Home (Sanitarium) (Live) *
Seek & Destroy (Live) *
Creeping Death (Live) *
Harvester of Sorrow (Live) **
One (Live) **
Breadfan (Live) ***
Last Caress (Live) ***

* Recorded live at Reunion Arena, Dallas, TX on February 5th, 1989
** Recorded live at Seattle Coliseum, Seattle, WA on August 29th, 1989
*** Recorded live at Seattle Coliseum, Seattle, WA on August 30th, 1989

CD 8 & 9: LIVE AT THE HAMMERSMITH ODEON, LONDON, ENGLAND - OCTOBER 10TH, 1988 + RADIO EDITS

DISC ONE
Welcome Home (Sanitarium) (Live)
The Four Horsemen (Live)
Harvester of Sorrow (Live)
Eye of the Beholder (Live)
Bass Solo (Live)
Master of Puppets (Live)
Damage, Inc. (Live)
One (Live)
Seek & Destroy (Live)
…And Justice for All (Live)
*Note: there is a tape cut on this track

DISC TWO
Encore Jam (Live)
Creeping Death (Live)
Fade to Black (Live)
Guitar Solo (Live)
Battery (Live)
Encore Jam #2 (Live)
Last Caress (Live)
Am I Evil? (Live)
Whiplash (Live)

Radio Edits

Eye of the Beholder (Radio Edit)
One (Radio Edit)
...And Justice for All (Radio Edit)

CD 10 & 11: LIVE AT LONG BEACH ARENA, LONG BEACH, CA - DECEMBER 7, 1988 + MORE

DISC ONE
Blackened (Live)
*Note: there is a tape cut on this track
For Whom the Bell Tolls (Live)
Welcome Home (Sanitarium) (Live)
Leper Messiah (Live)
Harvester of Sorrow (Live)
Eye of the Beholder (Live)
Bass Solo (Live)
Master of Puppets (Live)
One (Live)
Seek & Destroy (Live)

DISC TWO
…And Justice for All (Live)
Encore Jam (Live)
Creeping Death (Live)
Fade to Black (Live)
Guitar Solo (Live)
Battery (Live)

Live at UIC Pavilion, Chicago, IL - November 18th, 1988

Last Caress (Live)
Am I Evil? (Live)
Whiplash (Live)

DVD 1: ...AND CAMCORDER FOR ALL & "ONE"

...AND CAMCORDERS FOR ALL
FEATURING PREVIOUSLY UNRELEASED FOOTAGE SHOT ON LARS' CAMCORDER
Intro
Barcelona
Leiden
San Francisco
San Antonio
Dallas
Philadelphia
Buffalo
Auckland
Osaka
Hoffman Estates
Richfield
Thornville
Greenville
Atlanta
Biloxi
Concord
Irvine (Night #2)
Irvine (Night #3)
São Paulo (Night #1)
São Paulo (Night #2)
"ONE"
2 of One Introduction with Lars
One
One (Jammin’ Version)
One (Live at the 31st Annual GRAMMY® Awards)
"ONE" B-ROLL
PREVIOUSLY UNRELEASED
Intro
Band
Lars
Kirk
James
Jason
More Band

DVD 2: LIVE AT SHORELINE AMPHITHEATRE, MOUNTAIN VIEW, CA - SEPTEMBER 15TH, 1989

PREVIOUSLY UNRELEASED
The Ecstasy of Gold
Blackened
For Whom the Bell Tolls
Welcome Home (Sanitarium)
Harvester of Sorrow
The Four Horsemen
The Thing That Should Not Be
Bass Solo
Master of Puppets
Fade to Black
Seek & Destroy
…And Justice for All
One
Creeping Death
Guitar Solo
Battery
Encore Jam
Last Caress
Am I Evil?
Damage, Inc.
Blitzkrieg
Breadfan

DVD 3: LIVE AT THE STONE BALLOON, NEWARK, DE - AUGUST 7TH, 1989
PREVIOUSLY UNRELEASED FAN-SHOT FOOTAGE

Backstage Shit
The Ecstasy of Gold
Creeping Death
For Whom the Bell Tolls
Welcome Home (Sanitarium)
The Four Horsemen
Harvester of Sorrow
Phantom Lord
Bass Solo
Master of Puppets
Fade to Black
No Remorse
Seek & Destroy
Last Caress
Am I Evil?
Motorbreath
Hit the Lights
Blitzkrieg
Damage, Inc.
Breadfan

DVD 4: JUSTICE ON WHEELS, MASA ITO INTERVIEWS, RAW LIVE FOOTAGE

JUSTICE ON WHEELS - A MUCHMUSIC DOCUMENTARY
Intro
The Road Crew
The Fans
The Band
The Video
MASA ITO INTERVIEWS
PREVIOUSLY UNRELEASED
Lars
James
Jason
Kirk
RAW LIVE FOOTAGE (LIVE AT JFK STADIUM, PHILADELPHIA, PA – JUNE 11TH, 1988)
PREVIOUSLY UNRELEASED
Whiplash
Fade to Black
Seek & Destroy
RAW LIVE FOOTAGE (LIVE AT RPI FIELD HOUSE, TROY, NY – MARCH 15TH, 1989)
PREVIOUSLY UNRELEASED
Master of Puppets
One
RAW LIVE FOOTAGE (LIVE AT COPPS COLISEUM, HAMILTON, ONTARIO – APRIL 8TH, 1989)
PREVIOUSLY UNRELEASED
Master of Puppets
One
Seek & Destroy

6 de set de 2018

O legado da Motown, a maior fábrica de hits da música norte-americana

quinta-feira, setembro 06, 2018

Fundada por Berry Gordy Jr. em 12 de janeiro de 1959 em Detroit, a Motown foi a maior e mais importante gravadora da música negra norte-americana, exercendo papel essencial na integração racial e na música popular dos Estados Unidos. O nome é a junção das palavras Motor e Town - motor e cidade, respectivamente -, em alusão ao apelido que Detroit possuía por ser o centro da indústria automobilística do país.

Durante a década de 1960, a Motown esculpiu, através de uma série de singles de sucesso, o que ficou conhecido como Motown Sound, que era um estilo de soul music com uma enorme pegada pop. As canções lançadas pelo selo, em sua maioria com 3 minutos de duração, eram compostas visando o sucesso junto ao público, porém sem abrir mão da qualidade e de experimentos sonoros. Para se ter ideia do impacto da Motown, entre 1960 e 1969 a gravadora colocou 79 músicas no top 100 da Billboard, um número sensacional para uma gravadora média e que concorria com gigantes da indústria fonográfica. Foram 57 singles em primeiro lugar na Billboard, em uma lista que começou em 1961 com “Please Mr. Postman”, das The Marvelettes, e foi até 1997, com “4 Seasons of Loneliness”, do Boyz II Men.



Por décadas, a Motown foi a empresa afro-americana mais bem sucedida dos Estados Unidos. Entre os nomes que fizeram parte do catálogo da gravadora estão ícones como Marvin Gaye, The Isley Brothers, Martha Reeves and The Vandellas, Smokey Robinson & The Miracles, The Supremes, Diana Ross, The Jackson 5, Stevie Wonder, The Commodores, Michael Jackson, Billy Preston, Rare Earth, Erykah Badu, Boyz II Men, Queen Latifah, Lionel Richie, Toni Braxton, entre outros.

Para quem quer conhecer mais sobre o selo, foram lançadas diversas compilações ao longo dos anos, com destaque para o box Hitsville USA: The Motown Singles Collection 1959-1971, com 103 faixas distribuídas em 4 CDs que repassam a história do período clássico da gravadora. Esta caixa saiu em 1992 mas ainda está em catálogo.


Celebrando o legado do selo, a Mojo publicou em sua edição 183, que chegou às bancas em fevereiro de 2009, uma lista chamada The 100 Greatest Motown Tracks, onde passou a limpo o catálogo da gravadora. Algumas curiosidades sobre essa lista: o artista com mais faixas presentes é o imortal Marvin Gaye, com 14 músicas incluídas. Na sequência temos Stevie Wonder (11), The Temptations (10), Smokey Robinson & The Miracles (8), Four Tops (5), The Supremes (5), Martha Reeves & The Vandellas (4), Diana Ross (3), The Jackson 5 (3), The Marvelettes (3), David Ruffin (2), Edwin Starr (2), Gladys Knight & The Pips (2), Jr. Walker & The All Stars (2), Tammi Terrell (2) e The Velvelettes (2). A música mais curta presente na lista é “Come to Me”, de Marv Johnson, com 2:20 de duração. Já a mais longa é “Keep on Truckin’”, de Eddie Kendricks.

Pra você conhecer mais sobre o trabalho e os artistas incríveis da Motown, a lista da Mojo está reunida em uma playlist especial em ordem decrescente. Ela inicia com a música número 100 - “Somebody's Watching Me”, de Rockwell - e chega até à primeira colocada - Martha Reeves & The Vandellas com a clássica “Dancing in the Street”.

Divirta-se, dance e emocione-se dando play abaixo:

3 de set de 2018

Thin Lizzy, a banda mais injustiçada do rock

segunda-feira, setembro 03, 2018

Quando penso em bandas injustiçadas, o primeiro nome que me vem à cabeça é o do Thin Lizzy. O quarteto liderado pelo vocalista e baixista Phil Lynott tinha tudo para ser gigante: ótimas músicas, instrumental requintado, melodias inspiradas, interpretações vocais cheias de personalidade e uma sonoridade original e cativante. Porém, tinha também um outro ingrediente: a instabilidade provocada pelo abuso de drogas, que marcou a carreira da banda de maneira não muito positiva.

Formado em Dublin em 1969, o Thin Lizzy sempre teve em Lynott o seu eixo principal. Era ao redor dele que tudo acontecia. Sua forma de cantar, meio falada e com a malícia das ruas, nunca encontrou algo semelhante. Suas composições, que sempre aliaram peso e uma onipresente pegada pop, em um mundo justo seriam conhecidas em todos os recantos do planeta. E ainda havia muito mais: o ataque faiscante das guitarras de Scott Gorham e Brian Robertson fez história e influenciou nomes que vão do Iron Maiden à toda a cena de power metal. E como cereja do bolo, por breves períodos o grupo ainda contou em suas fileiras com Gary Moore e John Sykes. E pra fechar, a bateria segura de Brian Downey, onde o chimbal exercia um papel de destaque.


A fase de ouro do Thin Lizzy durou seis anos e rendeu sete discos: Vagabonds of the Western World (1973), Nightlife (1974), Fighting (1975), Jailbreak (1976), Johnny the Fox (1976), Bad Reputation (1977) e Black Rose: A Rock Legend (1979), além de um antológico álbum ao vivo, Live and Dangerous, que chegou às lojas em 2 de junho de 1978. Os dois primeiros discos, Thin Lizzy (1971) e Shades of a Blue Orphanage (1972), mostravam uma banda ainda tentando encontrar a sua sonoridade. E a época final com Lynott, que abrange os álbuns Chinatown (1980), Renegade (1981) e Thunder and Lightning (1983), revelaram um grupo já debilitado pelas drogas enquanto buscava atualizar a sua música aproximando-se do heavy metal popular na época. A morte de Phil Lynott em 4 de janeiro de 1986, com apenas 36 anos devido a um colapso provocado pelo abuso de álcool e substâncias, encerrou de vez a era dourada do Thin Lizzy.

A banda, no entanto, seguiu em frente com encarnações distintas. John Sykes, que tocou nos últimos discos com Lynott, manteve o Thin Lizzy na ativa entre 1996 e 2010, enquanto Scott Gorham assumiu o comando a partir de 2010 com Ricky Warwick nos vocais. A iniciativa de Gorham agradou os fãs e o grupo decidiu então lançar material inédito, porém com outro nome para preservar o legado de Lynott. Nasceu então o Black Star Riders, que já deu ao mundo três bons discos que exploram o universo sonoro esculpido por Phil Lynott e sua turma: All Hell Breaks Loose (2013), The Killer Instinct (2015) e Heavy Fire (2017).


Toda essa trajetória foi marcada por música da mais alta qualidade, presentando os fãs com diversos hits e canções marcantes. Pelo menos um dos álbuns do Thin Lizzy, Jailbreak (1976), pode ser considerado um clássico inquestionável do hard rock. É nesse disco que está o maior hit da banda, “The Boys Are Back in Town”, que alcançou o primeiro lugar na Irlanda em 1976. Outros grandes êxitos comerciais do quarteto foram “Don't Believe a Word” (2ª posição, também na Irlanda, também em 1976), “Dancing in the Moonlight” (4º posto na Irlanda em 1977) e “Waiting for an Alibi” (6ª posição na Irlanda em 1979). Além disso, é do Thin Lizzy a gravação mais antológica da imortal “Whiskey in the Jar”, canção tradicional irlandesa que ganhou inúmeras interpretações ao longo dos anos - incluindo a do Metallica, em 1998, que apresentou a música para uma nova geração de ouvintes. Porém, a performance do Thin Lizzy, lançada em novembro de 1972 como single e incluída nas edições posteriores de Vagabonds of the Western World (1973), é de longe a mais marcante.

Agora que você já sabe mais sobre essa banda absolutamente incrível, delicie-se com a nossa playlist especial. Separamos 26 músicas do Thin Lizzy em quase duas horas de música, com as faixas mais conhecidas do quarteto de Lynott. E com um bônus delicioso: a arrepiante versão da linda “Still in Love With You”, uma das mais belas baladas já compostas, gravada ao vivo nos estúdio da BBC em 1974 para o programa do DJ John Peel e com Lynott dividindo os vocais com Gary Moore.

Viva o Thin Lizzy. Hoje e sempre!

Discoteca Básica Bizz #115: Fats Domino - My Blue Heaven: The Best of Fats Domino (1990)

segunda-feira, setembro 03, 2018

"Bem, vocês chamam isso de rock and roll. Tenho tocado isso lá em New Orleans por cerca de dez anos e sempre disse que isso era rhythm & blues”. Assim respondeu Fats Domino ao ser perguntado como surgiu o rock. O cantor, compositor e pianista foi um dos principais responsáveis pela tremenda transformação da música negra no novo ritmo consumido pela juventude.

Em termos de consumo, Fats Domino era mestre: o gordão foi simplesmente o terceiro maior artista em vendas na era de ouro do rock, só perdendo para Elvis Presley e Pat Boone, respectivamente em primeiro e segundo lugares. Entre 1949 e 1960, Fats chegou a lançar 23 singles, os quais conseguiram ultrapassar a marca de um milhão de cópias vendidas. O cara era um campeão!

Antoine "Fats" Domino nasceu em 10 de maio de 1929, em New Orleans. Ele logo cedo aprendeu a tocar piano e daí começou a fazer o circuito de clubes da cidade, onde se projetou rapidamente pelo seu balanço inconfundível. Em meados da década de 1940 veio a conhecer o bandleader, trompetista e também produtor Dave Bartholomew, com quem passou a ter uma parceria vitoriosa. Bartholomew conseguiu um contrato com a gravadora Imperial e passou a co-escrever e a arranjar todos os discos de Domino.

Em 1955 tudo estava preparado para o surgimento do rock and roll e Fats entrou com tudo, lançando a imortal "Ain't That a Shame". O pianista teve que enfrentar uma dura competição contra uma oportunista versão da mesma canção feita pelo crooner Pat Boone, um artista especializado em fazer covers de músicas de artistas negros.


Sem dúvida, 1956 foi o grande ano para Fats. Emplacou nas paradas músicas do calibre de ''I'm Not in Love Again", "When My Dreamboat Comes Home" e - principalmente - "Blueberry Hill", um standard que já tinha sido sucesso com o cantor Gene Autry. Mas a versão que Domino fez para a faixa tornou-se a definitiva e a mais conhecida, sem a menor dúvida.

Seu sucesso já era grande e continuou nos discos que ele gravou, em shows e também no cinema. Domino chegou a aparecer em vários filmes, tais como The Girl Can't Help It! (no Brasil, Sabes o Que Quero, 1956), The Big Beat (1956), Shake, Rattle and Roll (1956) e outros.

Os Beatles foram os responsáveis pelo resgate de Fats Domino ao lançar, em 1968, "Lady Madonna", paródia assumida do estilo do pianista. Com isso, Domino passou a ser figura sempre constante e idolatrada nos espetáculos de revival do rock and roll e até hoje atrai as multidões fascinadas pelo charme dos seus velhos e imbatíveis clássicos.

Texto escrito por Paulo Cavalcanti e publicado na Bizz #115, de fevereiro de 1995

2 de set de 2018

Novo álbum do AC/DC contará com Malcolm Young em todas as músicas

domingo, setembro 02, 2018

Essa é pra pegar muita gente de surpresa: segundo muitas fontes mundo afora, incluindo diversos sites respeitados de todo o planeta, o novo disco que o AC/DC está gravando em Vancouver, no Canadá, trará a banda em uma formação surpreendente.

O line-up que está gravando o novo CD do quinteto é formado por Brian Johnson, Angus Young, Malcolm Young, Cliff Williams e Phil Rudd. Sim, você leu bem: Malcolm Young, que faleceu no final de 2017, participa do álbum. E a razão disso é bem simples: o trabalho contará com guitarras que Malcolm deixou gravadas antes de morrer, já que ele e Angus tinham o hábito de registrar todas as suas ideias. E enquanto várias desses riffs e bases se transformaram em músicas do AC/DC propriamente ditas, outros tantos permanecem inéditos até hoje.

Então, a banda está trabalhando em músicas que partem de ideias já registradas por Angus e Malcolm no passado. Dessa maneira, o falecido guitarrista tocará em todas as faixas daquele que, muito provavelmente, será o último disco da carreira da lenda australiana. Pelo menos esse é o meu palpite: os caras reúnem a sua formação mais duradoura, mexem nos arquivos de Malcolm Young e gravam o último álbum da carreira como um tributo a um dos fundadores da banda.

O último disco do AC/DC, Rock or Bust, foi lançado em 28 de novembro de 2014 e contou com Stevie Young, sobrinho dos irmãos Young, no lugar de Malcolm, que na época já havia sido diagnosticado com demência. O último álbum a ter efetivamente a participação de Malcolm foi o excelente Black Ice, que saiu em outubro de 2008 e chegou ao primeiro lugar de nada mais nada menos que 29 países, incluindo o topo da Billboard. Black Ice alcançou vendas totais estimadas em 8 milhões de cópias em todo o planeta.

Ao que parece, o último capítulo de uma das maiores bandas da história do rock será emocionante e inesquecível.

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE