9 de jun de 2018

"Low", o novo clipe de Lenny Kravitz

sábado, junho 09, 2018

Raise Vibration, décimo-primeiro disco de Lenny Kravitz, será lançado dia 7 de setembro. O sucessor de Strut (2014) foi produzido pelo próprio artista e traz doze canções inéditas.


"Low", uma das faixas do disco, traz a voz de Michael Jackson em uma gravação em que Lenny trabalhou com o Rei do Pop, chamada "(I Can´t Make It) Another Day". O clipe traz cenas do arquivo pessoal do músico.


Assista abaixo:


Monster Truck anuncia novo disco e mostra música com participação de Dee Snider

sábado, junho 09, 2018

O quarteto canadense Monster Truck anunciou o lançamento de seu terceiro disco, True Rockers. O álbum virá ao mundo dia 14 de setembro e é o sucessor de Sittin´ Heavy (2016).


Duas das canções do trabalho já foram divulgadas, com destaque para "True Rocker", que conta com a participação do lendário vocalista do Twisted Sister, Dee Snider.


Ouça "True Rocker"  e "Evolution" nos player abaixo:


8 de jun de 2018

Documentário que conta a vida de Eric Clapton é lançado em home video

sexta-feira, junho 08, 2018

O documentário Life in 12 Bars, que conta a vida de Eric Clapton, foi lançado nesta sexta (08/06) em DVD e BVlu-ray pela Eagle Rock Entertainment. O doc também ganhou uma trilha sonora pela Universal Music, e que já estava disponível nos apps de streaming.

O filme foi bastante elogiado pela crítica e deve ganhar uma também uma edição nacional.

DevilDriver regrava clássico do country com Randy Blythe e filho de Johnny Cash

sexta-feira, junho 08, 2018

O DevilDriver lançará dia 6 de julho o disco de covers Outlaws ´Til the End: Vol. 1, onde faz releituras para clássicos do country. 

Uma das músicas regravadas é a icônica "Ghost Riders in the Sky", eternizada por bandas como o The Outlaws. A versão do DevilDriver conta com as participações especiais de Randy Blythe, vocalista do Lamb of God, e do filho de Johnny Cash, John Carter Cash, ao lado de sua esposa Ana Cristina Cash.


Assista ao vídeo de "Ghost Riders in the Sky" abaixo:


Pipoca & Nanquim lança A Arte de Charlie Chan Hock Shye, de Sonny Liew

sexta-feira, junho 08, 2018

Atualmente com 70 e poucos anos, Chan vem fazendo quadrinhos em Singapura desde 1954, quando ainda era um garoto de 16 anos. Conforme ele relembra sua carreira de mais de cinco décadas, vemos suas histórias se desdobrando em uma deslumbrante variedade de estilos e formatos, e o desenvolvimento delas ecoa a evolução do panorama político e social de sua terra natal e do próprio meio das histórias em quadrinhos.

Com A Arte de Charlie Chan Hock Chye, Sonny Liew, autor malaio vencedor do Prêmio Eisner, une com sua versátil arte uma miríade de gêneros em um trabalho impressionantemente engenhoso e engajado, no qual a linha entre verdade e imaginação às vezes é nebulosa, mas cuja história é sempre empolgante, levando-nos para dentro de uma jornada única, engraçada e instigante da vida de um artista e da história de sua nação. Parte graphic novel, parte livro de arte, parte ensaio narrativo, este livro é um olhar ímpar sobre Singapura, comentando acidamente sobre o passado e o presente do local enquanto presta homenagem à arte da narrativa sequencial. 



- Vencedor de três prêmios Eisner em 2017 (Melhor Roteirista/Desenhista, Melhor Edição Americana de Material Estrangeiro – Asiático e Melhor Design de Publicação)
- Best-seller do New York Times
- Melhor livro de 2016 para o The Washington Post
- Um dos melhores livros do ano para o The Economist, o New York Post, o Publishers Weekly e o NPR
- Vencedor do maior prêmio de literatura de Singapura

A edição da Editora Pipoca & Nanquim tem 320 páginas em papel off set, capa dura com relevo localizado, sobrecapa e lombada redonda.   

O quadrinho tem pré-venda exclusiva na Amazon, com um cupom que concede mais 15% de desconto, PN15 (válido até 17/06/2018). 




“Único e sem precedentes. Uma obra-prima. Este livro é lindo, alegre e com milhares de camadas – uma celebração dos quadrinhos, uma aula magna de técnica, uma viagem alucinante, um romance de formação e uma retrospectiva impecável da era pós-guerra-pré-moderna. Eu amo isto aqui e estou muito impressionado.”
Mike Carey, autor de Lúcifer e O Inescrito

“Uma delícia de ler. Sonny Liew costura magistralmente a história de Singapura com a história dos quadrinhos em algo nunca visto.”
Gene Luen Yang, autor de O Chinês Americano e Superman

“Uma graphic novel memorável. Simplesmente brilhante.” 
Peter Kuper, autor de Ruínas e Spy vs. Spy

“Prepare-se para ser completamente absorvido pela história de Singapura de uma maneira que jamais imaginou. Sonny Liew faz uma avaliação brilhante e ferozmente perceptiva desta notável cidade-Estado insular.”
Paul Gravett, autor de Mangá: Como o Japão Reinventou os Quadrinhos e 1001 Comics You Must Read Before You Die



Sonny Liew é quadrinista, ilustrador e pintor. Entre seus trabalhos está The Shadow Hero, uma parceria com Gene Luen Yang que se tornou best-seller do New York Times. Também fez My Faith in Frankie, com Mike Carey, Malinky Robot e a série do Senhor Destino, com Paul Levitz, para a DC Comics. Nascido na Malásia, ele mora em Singapura, onde dá aula sobre quadrinhos. 

FICHA TÉCNICA
Formato 17 x 25 cm
320 páginas
Miolo em papel off set 90g/m2
Capa dura com relevo e sobrecapa
1ª edição – junho/2018


Adiante, elogiado disco do Necro, ganha edição limitada em vinil

sexta-feira, junho 08, 2018

Para deleite dos amantes da bolacha, finalmente um dos discos mais aclamados da nova safra do rock psicodélico e progressivo brasileiro é lançado em vinil. Adiante, do power trio maceioense Necro, ganha a forma de 12" em uma edição nacional prensada pela Polysom em uma parceria entre a banda e os selos Abraxas e Baratos Afins. Garanta já o seu: https://tinyurl.com/adianteLP.  O vinil tem prensagem limitada e está disponível em kits especiais com pôster, camiseta e outros extras.

Adiante é o cultuado disco da banda alagoana Necro, lançado em dezembro de 2016 pela Abraxas Records, e que já conta com uma edição em CD. O álbum alçou a banda a um novo patamar no cenário musical brasileiro e, apesar de ter sido lançado no final de 2016, obteve destaque nas listas de melhores daquele ano e críticas mais que positivas da imprensa especializada, nacional e internacional, além de render ao grupo apresentações nos principais palcos do país. 


"Adiante", a segunda música do terceiro álbum da banda alagoana Necro, não só é a faixa-título como também pode ser entendida como um substrato de sua temática geral. Se por um lado o som do power trio remonta ao hard rock e à psicodelia dos anos 1970, dessa vez menos sombrio e mais calcado no blues-rock e o progressivo, as letras falam sobre pensar à frente." - Eduardo Ribeiro (Noisey)

 "Não se trata apenas do melhor disco dos alagoanos, mas é também como uma via de escapismo lisérgico, 'na transversal, equilibrado no meio-fio do que é real', tão necessário num ano tão complicado para que, enfim, sigamos adiante." - Fernando Yokota (Whiplash.net)

"Almost immediately, Adiante feels like a moment of arrival. (...) It’s the three-piece’s first record entirely in Portuguese, and it would seem to solidify the approach to classic heavy rock and boogie that the prior two outings and their 2015 split with Witching Altar hinted toward. (...) It’s a difficult balance to strike, but likewise, their take on familiar boogie rock tenets is presented with an entirely clearheaded take, and the results should catch the ears of even those jaded with ’70s worship or who think there’s nowhere left to go with a shuffling groove but in the same circles over and again." - J J Koczan (The Obelisk - EUA)

"El álbum consta de 7 piezas que juguetean libremente entre el rock progresivo, la psicodelia setentera y una amplia gama de sonidos afrobrasileños. Una fluida experimentación sonora que no pone  límites que predispongan al oyente. Acá está latente la música original en toda su expresión" - Roberto Fuentes (La Habitación 235 - Espanha)

"Este é um álbum de natureza imensamente charmosa e provocante que nos namora do primeiro ao derradeiro tema. Entrem em ebulição ao emocionante e voluptuoso som de Necro e comunguem um dos mais inflamantes discos do ano." - Nuno Teixeira (El Coyote - Portugal)

Novo álbum do Maestrick é destaque em revista japonesa

sexta-feira, junho 08, 2018

Espresso Della Vita: Solare, novo álbum do Maestrick, foi lançado no último dia 23 de maio em todo território asiático pela Marquee/Avalon, a maior gravadora do gênero no Japão e uma das mais importantes de todo mundo.

Sucessor do aclamado álbum de estreia, Unpuzzle! (2011), e do EP The Trick Side of Some Songs (2016), Espresso Della Vita: Solare é a primeira parte de um disco duplo conceitual e traz uma observação da vida humana pela perspectiva de uma viagem de trem. O álbum tem a produção de Adair Daufembach (Project46, John Wayne, Hangar), que também é o encarregado de gravar todas as guitarras do álbum.


Em menos de um mês de seu lançamento, o disco já começou a render frutos para o grupo na terra do sol nascente. O mais importante, até aqui, foi a ótima avaliação do trabalho feita pela internacionalmente renomada revista BURRN!. Em sua edição de junho, com David Coverdale na capa, a revista avaliou Espresso Della Vita: Solare com a nota 86/100 em sua seção de resenhas. Para quem acompanha a publicação, sabe que essa é uma nota bastante alta. Na mesma edição, discos de artistas renomados como Anthrax, Don Airey, Praying Mantis, Crematory, Axel Rudi Pell, Spock’s Beard, Dimmu Borgir, entre vários outros, não atingiram essa marca. O próprio novo álbum do Angra, Omni, que já é um grande sucesso, recebeu a nota 84/100.

Espresso Della Vita: Solare reúne as faixas “Origami”, “I a.m. Living”, “Rooster Race”, “Daily View”, “Water Birds”, “Keep Trying”, “The Seed”, “Far West”, “Across the River”, “Penitência”, “Hijos De La Tierra” e “Trainsition”. A versão japonesa ainda traz uma faixa bônus exclusiva, “The Creation”.


No Brasil, Espresso Della Vita: Solare será lançado no dia 28 de junho durante evento fechado apenas para jornalistas no Central Panelaço, em São Paulo. Dois shows oficiais de lançamento, um elétrico e outro acústico, também serão divulgados em breve como parte da agenda de lançamentos. Em outubro, o grupo embarca para dois shows na Rússia e mais outras 10 apresentações em diferentes países da Europa.

O Maestrick é atualmente formado por Fabio Caldeira (vocal/piano), Heitor Matos (bateria), Renato Montanha (baixo) e Neemias Teixeira (teclados).

Mais Informações:


Review: Outros Bárbaros - Outros Bárbaros (2018)

sexta-feira, junho 08, 2018

Não há muita referência ao rock produzido em Florianópolis fora dos limites da Ilha da Magia e de Santa Catarina. O que é uma injustiça, já que a capital catarinense possui uma cena musical bastante interessante, apesar de pouco conhecida no resto do Brasil.

Alguns dos principais nomes dessa cena uniram forças em uma nova banda que chegou, literalmente, chegando. O Outros Bárbaros é formado por Maurício Peixoto (vocal e guitarra), Roberto Bez (piano elétrico, órgão e sintetizador), Eduardo Lehr (baixo) e Quinho Mibach (bateria). Um quarteto experiente e com passagem por bandas como Aerocirco, Papo Amarelo, Eletrolíticos e Os Berbigão. 

O primeiro disco, auto-intitulado, chega mostrando uma banda madura e pronta, como era de se esperar. São dez faixas redondas, incluindo uma versão para “A Pílula Certa”, gravada anteriormente pelo Aerocirco. O que o grupo entrega é um pop rock muito bem feito, com melodias fortes, letras com discurso claro e refrãos pegajosos, como o bom pop deve ser. E, no meio disso tudo, influências de MPB, soul e blues que tornam a sonoridade ainda mais rica e interessante.


Outros Bárbaros, o disco, está cheio de canções prontas para caírem na boca de quem gosta de boa música. São várias faixas com enorme potencial para virarem hits, o que só atesta a grande capacidade de composição do quarteto, tendo Maurício Peixoto à frente, o autor de todas as faixas. A produção é outro acerto, dando à banda uma sonoridade atual e orgânica, pulsante e bastante dinâmica. A maneira como o piano elétrico, o órgão e os sintetizadores são encaixados nas canções faz com que um bem-vindo acento de psicodelismo permeie a música do grupo.

Entre as faixas, destaques para a linda “O Que Eles Querem”, que critica de forma inteligente a acensão do pensamento conservador e de direita que assistimos todos os dias no Brasil. Essa música possui uma letra muito bem escrita e um arranjo que mostra o imenso potencial do Outros Bárbaros. Além disso, gostei muito também do pop grudento de “Afasto de Mim” e “Areia e Pó", o blues “Amor Delinquente”, “Cimento, Ferro e Caos”, “Dias Ruins” e “Não Há” - como disse, o disco soa como uma coleção de hits prontos.

O álbum será lançado nos apps de streaming dia 12 de junho e banda planeja um financiamento coletivo para o segundo semestre, para que cópias físicas possam ser produzidas. Basta ouvir o álbum para não pensar duas vezes: vale a pena fazer com que o Outros Bárbaros chegue aos ouvidos de todo mundo que ama a música.

Ouça nova música de Buddy Guy, com participação de Keith Richards e Jeff Beck

sexta-feira, junho 08, 2018

"Cognac", canção presente no novo álbum de Buddy Guy, o último dos grandes bluesmen vivos, traz a participação de ninguém menos que Keith Richards, dos Rolling Stones. 

The Blues is Alive and Well, décimo-oitavo disco de Buddy, será lançado dia 15 de junho e é o sucessor de Born to Play Guitar (2015). A canção vem também com a presença de outro ícone da guitarra, o genial Jeff Beck. Mick Jagger cantará em uma canção chamada "You Did the Crime" e James Bay faz os vocais de "Blue No More".


Ouça "Cognac"  abaixo:


Filme contará a vida de Bob Marley

sexta-feira, junho 08, 2018

Um filme sobre a vida de Bob Marley está sendo produzido poor Ziggy Marley, o filho mais famoso do rei do reggae. A produção será uma parceria com o estúdio Paramount Pictures. Tudo ainda está em estágio inicial de trabalhos, e no momento não há nomes confirmados para a direção, roteiro e produtores da obra.

O compositor e cantor jamaicano introduziu o reggae para toda uma geração através de muitos hits, como “Get Up, Stand Up” e “Redemption Song”, influenciando nomes como Eric Clapton e inúmeros outros. Até hoje Bob Marley é considerado um dos grandes nomes da música.

Vale lembrar que Ziggy já trabalhou como produtor executivo de dois documentários sobre a vida de seu pai: Marley (2012) e Bob Marley Legend Remixed (2013).

Diga nos comentários que ator você acha que daria um bom Bob Marley nos cinemas. 

Nova música do The Smashing Pumpkins

sexta-feira, junho 08, 2018

Agora deu frutos: após reunir 3/4 de sua formação clássica para uma turnê de retorno, o Smashing Pumpkins divulgou uma nova música. "Solara" traz a sonoridade característica do quarteto e foi produzida por Rick Rubin. O guitarrista Jeff Schroeder, colaborador de longa data do grupo, também participa.

Essa é a primeira canção a trazer Billy Corgan, James Iha e Jimmy Chamberlain juntos em 18 anos.


Ainda não há confirmação se o Smashing Pumpkins gravará um novo disco com esse retorno, mas seria uma boa.


Divirta-se abaixo:


Novo clipe da The Night Flight Orchestra

sexta-feira, junho 08, 2018

A banda sueca The Night Flight Orchestra divulgou o vídeo de "Lovers in the Rain", música que faz parte de seu quarto disco, Sometimes the World Ain´t Enough. O álbum chegará às lojas dia 29 de junho pela Nuclear Blast.

"Lovers in the Rain"  tem uma pegada bem AOR e lembra o REO Speedwagon, pelo menos foi isso que meus ouvidos acharam.  O clipe é todo em animação e foi criado por Elia Cristofoli e produzido pelo estúdio Solingo.


Assista abaixo:


7 de jun de 2018

Novo álbum ao vivo do Moonspell

quinta-feira, junho 07, 2018

Chegará às lojas dia 17 de agosto o novo disco do vivo do Moonspell. O álbum tem o título de Lisboa Under the Spell e foi gravado dia 4 de fevereiro de 2017 na capital portuguesa. O material será disponibilizado em CD triplo, DVD e Blu-ray pela Napalm Records.

O interessante deste ao vivo é que ele traz os álbuns Wolfheart (1995), Irreligious (1996) e Extinct (2015) na íntegra. Lisboa Under the Spell será apenas o segundo álbum ao vivo do Moonspell, fazendo companhia para Lusitanian Metal (2008).

Tracklist completo abaixo:

I - Rockumentary- band documentary by Victor Castro

II – "Wolfheart" Show - full album played live

01. Wolfshade (A Werewolf Masquerade) 
02. Love Crimes 
03. Of Dream And Drama 
04. Lua D'inverno 

05. Trebaruna 
06. Ataegina 
07. Vampiria 
08. An Erotic Alchemy 
09. Alma Mater

III – "Irreligious" Show - full album played live

01. Perverse Almost Religious 
02. Opium 
03. Awake! 
04. For A Taste Of Eternity 
05. Ruin & Misery 
06. A Poisoned Gift 
07. Raven Claws (feat. Mariangela Demurtas) 
08. Mephisto 
09. Herr Spiegelmann 
10. Fullmoon Madness

IV – "Extinct" Show - full album played live

01. All Gone From The Wild (intro) 
02. Breathe (Until We Are No More) 
03. Extinct (feat. Carolina Torres) 
04. Medusalem 
05. Domina 
06. The Last Of Us 
07. Malignia 
08. Funeral Bloom 
09. A Dying Breed 
10. The Future Is Dark

V - Making Of - show day

VI – Gallery - live and backstage pics

Ex-integrantes do AC/DC, Dio e Whitesnake montam nova banda

quinta-feira, junho 07, 2018

Nova banda surgindo. O Dream Child é formado por Diego Valdez (vocal, Helker), Craig Goldy (guitarra, Dio e Giuffria), Wayne Findlay (guitarra e teclado, MSG), Rudy Sarzo (baixo, Quiet Riot, Ozzy Osbourne, Whitesnake, Dio) e Simon Wright (bateria, AC/DC, Dio, Operation: Mindcrime).

O disco de estreia do grupo sairá dia 14 de setembro pela Frontiers Records, tem o título de Until Death Do We Meet Again e foi produzido por Alessandro Del Vecchio.


"You Can´t Take Me Down", primeiro single da banda, pode ser ouvido abaixo:


Novo volume de The Wicked + The Divine chega ao Brasil

quinta-feira, junho 07, 2018

A editora Geektopia anunciou o lançamento do terceiro encadernado da premiada série The Wicked + The Divine. O novo volume tem o título de Suicídio Comercial e faz companhia aos dois volumes já publicados, que chegaram às bancas em dezembro de 2016 e setembro de 2017, respectivamente.

The Wicked + The Divine é uma série da Image Comics escrita por Kieron Gillen e ilustrada por Jamie McKelvie, que conta a história de deuses clássicos reencarnados em adolescentes. O roteiro é repleto de referências à cultura pop, principalmente à música, e a série foi premiada como melhor título pelo British Comic Awards e foi indicada a diversos prêmios Eisner.

Suicídio Comercial tem 192 páginas, capa dura e papel couchê, e estará disponível para venda nos próximos dias. O novo encadernado da Geektopia deve compilar os volumes 21 a 30 da série.

John Fogerty e Billy Gibbons gravam música juntos

quinta-feira, junho 07, 2018

Em turnê conjunta pelos Estados Unidos, John Fogerty e o ZZ Top se acertaram de maneira tão profunda que até uma colaboração acabou rolando.

A mente criativa do Creedence Clearwater Revival e o vocalista e guitarrista do ZZ Top, Billy Gibbons, gravaram uma canção inédita chamada “The Holy Grail”. A música tem letra de Fogerty e um groove na linha da clássica “La Grange”, do trio texano, e conta com um “duelo” dos dois na parte dos solos. Os vocais principais ficaram a cargo de John e a faixa deve fazer parte de um futuro álbum de Fogerty.

Divirta-se abaixo:

6 de jun de 2018

Review: Ghost - Prequelle (2018)

quarta-feira, junho 06, 2018

Em seu quarto disco, o Ghost intensifica uma característica que sempre esteve presente em sua música: o apelo pop. E isso não é demérito algum, pois ele é construído através de melodias fortes, refrãos pegajosos e uma aura de acessibilidade que contrasta de maneira direta com o discurso presente nas letras, que seguem explorando temas sombrios e demoníacos.

Prequelle foi lançado dia 1 de junho e é o sucessor de Meliora (2015). A mudança de direção, que não foi brusca, já havia sido antecipada nos dois EPs liberados anteriormente pela gangue de Papa Emeritus (agora rebatizado como Cardinal Copia), os ótimos If You Have Ghost (2013) e Popestar (2016), que trouxeram covers de nomes como ABBA, Depeche Mode, Echo & The Bunnymen e Eurythmics, além da inédita “Square Hammer”. Ao trazer o pop para a sua música, o Ghost apenas resgata uma característica inerente ao heavy metal. Ou você não lembra de hits grudentos como “Paranoid”, “Enter Sandman” e “Fear of the Dark"?

O fato é que Prequelle é um dos trabalhos mais sólidos do Ghost e talvez seja o que contém o tracklist mais redondo. As dez músicas do disco mostram um desfile de ótimas ideias, com tudo no lugar e nenhum exagero, bem como nenhuma delas soa desnecessária. Há os destaques imediatos, como as grudentas “Rats" e “Dance Macabre”, que desde já devem marcar presença permanente nos shows do sexteto. O aspecto mais contemplativo da banda vem à tona com a bela “Pro Memoria”, dona de uma linha de piano de arrepiar, e o encerramento com a igualmente transcedental “Life Eternal”. 

E no meio do processo ainda há espaço para o metal bem NWOBHM de “Faith" e para duas faixas instrumentais absolutamente sensacionais. “Miasma" é um exemplo da extrema musicalidade da banda sueca, com direito até a um improvável solo de sax Gavin Fitzjohn. E em “Helvetesfonster" temos a presença ilustre de Mikael Akerfeldt, do Opeth, na guitarra acústica, em mais um exemplo de como Cardinal Copia e sua turma são bem relacionados com a nata da música pesada. Além disso, a passagem de piano que essa composição contém demonstra a qualidade acima da média dos instrumentistas da banda.

Prequelle mostra o Ghost dando um grande passo para fora do nicho do heavy metal, em uma decisão inteligente, muito bem executada e, ao que tudo indica, permanente. Em todos os aspectos trata-se de um disco excelente, com qualidade de sobra para transformar a banda em um fenômeno de popularidade em todo o mundo. E o que é melhor: isso irá acontecer embalado por música de inegável qualidade.

Um dos melhores álbuns do ano, com absoluta certeza.

5 de jun de 2018

Novo álbum e nova música do Uriah Heep

terça-feira, junho 05, 2018

O vigésimo-quinto álbum da veterana banda inglesa Uriah Heep será lançado em setembro. O disco tem o título de Living the Dream e será lançado pela Frontiers dia 14/09. O primeiro single do trabalho, “Grazed by Heaven”, pode ser ouvido abaixo. A música teve a letra escrita por Jeff Scott Soto, vocalista do Sons of Apollo.

O disco, que é o sucessor de Outsider (2014), será lançado em diversos formatos, incluindo cópias autografadas pelos músicos e edições especiais com faixas bônus e vídeos. Jay Ruston, produtor canadense que já trabalhou com nomes como Stone Sour e Anthrax, assina o álbum.

A banda, que atualmente é formada por Bernie Shaw (vocal), Mick Box (guitarra), Phil Lanzon (teclado), Dave Rimmer (baixo) e Russell Gilbrook (bateria), sairá em uma turnê mundial que deve passar por 61 países promovendo o disco.

Living the Dream vem com o seguinte tracklist:

1. Grazed by Heaven 
2. Living the Dream 
3. Take Away My Soul 
4. Knocking At My Door 
5. Rocks in the Road 
6. Waters Flowin' 
7. It's All Been Said 
8. Goodbye to Innocence 
9. Falling Under Your Spell 
10. Dreams of Yesteryear 
11. Take Away My Soul (alternate version) (bonus track; CD/DVD deluxe edition)

Bonus DVD track listing:
* "Grazed by Heaven" music video 
* "Take Away My Soul" music video 
"Making the Dream" documentary

E abaixo está o clipe de “Grazed by Heaven”:

Documentário sobre a cena metal de Pernambuco será exibido no festival In-Edit

terça-feira, junho 05, 2018

A saga dos metaleiros pernambucanos e a sua convivência com ritmos e estilos como o forró, frevo, punk e manguebeat chega às telas de um dos mais importantes festivais de documentários musicais do mundo. Dirigido por Leo Crivellare e com roteiro de Wilfred Gadêlha, Pesado - Que Som é Esse Que Vem de Pernambuco? vai integrar a programação do In-Edit Brasil, a versão nacional do evento que nasceu em Barcelona em 2003 e hoje é realizado em mais cinco países. Financiado pelo Funcultura, o filme da Jaraguá Produções será exibido dento da mostra Brasil Doc em duas sessões: a primeira no dia 9h, às 15h, no Spcine Lido, e a segunda no dia 14, no mesmo horário, no Centro Cultural São Paulo.

É um objetivo que a gente alcança: exibir o filme em São Paulo e ainda mais num festival como o In-Edit, que chega à décima edição no Brasil. Estamos nos sentindo muito felizes”, afirma o roteirista. “Ser selecionado para participar de um festival tão respeitado como o In-Edit é muito importante para o nosso filme. Além de fazer um recorte muito interessante sobre a produção de documentários musicais no Brasil, o festival poderá proporcionar uma visibilidade fora do país, e a gente acredita que Pesado pode ter uma bela carreira internacional”, complementa Crivellare.

Pesado é uma experiência de imersão na cena metal de Pernambuco, a partir da sua gênese, ainda nos anos 1970, passando pelos anos de consolidação nas décadas seguintes até chegar ao momento atual, em que centenas de bandas disputam holofotes em um Estado amplamente conhecido como diverso culturalmente. O diálogo entre metaleiros e outros atores do underground e da cultura de massa é um dos conflitos que move o filme. Depoimentos emocionantes, imagens raras e uma trilha sonora de artistas que nem mesmo chegaram ao disco são pontos fortes da obra. 

Logo após a sessão do dia 9, no Spcine Olido, haverá o lançamento da segunda edição do livro Pesado - Origem e Consolidação do Metal em Pernambuco, de autoria de Wilfred Gadêlha. A publicação, que sai sob o selo da Cepe Editora, traça um panorama de quatro décadas da cena metal pernambucana e vem recheada de novidades com relação à primeira edição, que saiu em 2014 e se esgotou em três meses. Desta vez, o livro traz atualizações referentes aos quatro últimos anos, além de uma “trilha sonora” de sons raríssimos: em cada um dos 15 capítulos há um QRCode, que envia o leitor para uma experiência sinestésica, em que bandas inéditas em CD como Fire Worshipers, Arame Farpado e Necrópsia compartilham espaço com outras como Cruor, Elizabethan Walpurga, Cangaço e Decomposed God.

SERVIÇO
O quê? Exibições do documentário Pesado - Que Som é Esse Que Vem de Pernambuco? no In-Edit Brasil
Quando: 9 de junho, às 15h (Spcine Olido - Avenida São João, 473, Galeria Olido, Centro, São Paulo) - Com lançamento do livro Pesado - Origem e Consolidação do Metal em Pernambuco (R$ 30)
14 de junho, às 15h (CCSP - Rua Vergueiro, 1.000, Paraíso, São Paulo)

FICHA TÉCNICA
Título: Pesado – Que Som é Esse Que Vem de Pernambuco?
Ano de produção:  2017
Duração: 100 minutos
Direção: Leo Crivellare
Roteiro, argumento e entrevistas: Wilfred Gadêlha
Direção de fotografia e câmera: Mariano Maestre
Montagem, cor e finalização: André Farkatt
Direção de arte e projeto gráfico: Alcides Burn
Som direto: Pedro Moreira e Lucas Ramalho
Edição de som e mixagem: Gera Vieira e Kiko Santana
Direção de produção: Luiz Barbosa
Assistentes de produção: Lilian Pimentel e Clarissa Dutra
Produção executiva: Carol Ferreira
Produção: Jaraguá Produções

4 de jun de 2018

Quadrinhos: O Fio da Navalha, de Francesco Dimitri e Mario Alberti

segunda-feira, junho 04, 2018

O Fio da Navalha é um lançamento da Mythos Editora dentro de seu selo Gold Edition, destinado para títulos com acabamento gráfico de excelência e tamanho diferenciado. A HQ é realmente enorme, no formato 24 x 31 cm, vem com 212 páginas, capa dura e papel couchê de alta gramatura. Mas como o que importa é a história, vamos à ela.

Escrita por Francesco Dimitri e ilustrada por Mario Alberti, O Fio da Navalha saiu lá fora em quatro volumes, todos presentes nessa compilação publicada pela Mythos. A trama tem um certo tempero de Onze Homens e Um Segredo e conta a história de uma mega corporação multinacional que sai recrutando as pessoas mais inteligentes do planeta para participarem de um desafio inspirado nos doze trabalhos de Hércules. A gama de personagens, apesar de contar com alguns clichês - o mais notório deles sendo o oriental com uma inteligência muito acima da média -, é bem construída, com destaque para o trio formado por uma socialite tão bela quanto genial, um misterioso indivíduo que vai revelando as camadas de sua personalidade aos poucos e um psicólogo especializado em comportamento social.



O mistério e o roteiro bem escrito prendem o leitor de imediato, fato intensificado pela bela arte de Alberti (que já ilustrou o clássico Tex). O formato diferenciado faz com que tudo ganhe uma outra dimensão, e no caso de O Fio da Navalha o resultado é positivo, pois imprime um ar de grandiosidade à uma trama com ares épicos. Os diálogos são bem construídos por Dimitri, enquanto o traço artístico e cheio de personalidade de Alberti dá um aspecto único para a trama. O único problema é que a história vai conduzindo o leitor para um fechamento cheio de segredos e, quando eles são revelados, a solução apresentada pelos autores é meio que um banho de água fria e pode frustrar alguns leitores.

Apesar desse escorregão no final, O Fio da Navalha revela-se uma bela história em quadrinhos e é indicada para quem gosta de tramas repletas de ação e mistério.




Metallica e Megadeth: Load e Risk são realmente discos ruins?

segunda-feira, junho 04, 2018

Metallica ou Megadeth? Com certeza você, amigo leitor, já se fez essa pergunta ou participou de alguma discussão acalorada entre amigos sobre qual dos dois ícones do thrash metal é o melhor. Bem, esse texto não tem como objetivo alimentar ainda mais esse tema, até por que com certeza quem lê essas linhas já tem a sua opinião mais do que formada a respeito dessas duas bandas. O assunto aqui é outro. 

Por mais que a banda liderada por James Hetfield e Lars Ulrich de um lado e a outra sob o comando ditatorial de Dave Mustaine tenham seguido caminhos distintos em termos de sonoridade em suas carreiras, é fato que mais ou menos na mesma época ambas têm um ponto em comum: o lançamento de dois discos controversos e que até hoje são considerados como o ponto baixo em suas discografias – sim, eles mesmos: estou falando de Load (1996) e Risk (1999). Os dois álbuns tem em comum, além da mudança visual das bandas, afinações predominantemente baixas nos instrumentos, logotipos novos, maquiagens e cabelos curtos por parte da maioria de seus integrantes. Em casos mais extremos, até mesmo beijo na boca entre Lars Ulrich e Kirk Hammett.  Mas vamos ao que interessa: será que o que realmente importa – a música – é realmente ruim?


Mesclando elementos do grunge, hard rock, blues e até mesmo do country, Load não deixa a desejar a nenhum lançamento anterior na discografia do Metallica. Sem querer bancar o advogado do diabo, mas o disco é realmente bom e tem seus méritos. Assim como Risk, levemente inferior, mas igualmente instigante quanto à sonoridade buscada por Mustaine, incluindo ao thrash agressivo da banda samplers, uma forte influência de industrial, elementos pop, country e também influenciado pelo rock alternativo dos anos 1990. 

Quanto ao primeiro, é difícil considerar mediano ou ruim um álbum que contém composições do quilate de “Until It Sleeps”, “Hero of the Day”, “Bleeding Me” ou “Mama Said”. Já no segundo, o destaque fica por conta de “Prince of Darkness”, “Crush’ Em” - que fez parte da trilha sonora do filme Universal Soldier: The Return, lançado no Brasil como Soldado Universal 2 -, “I’ll Be There”, a divertida e inesperada “Seven” e a sequência final com “Time: The Beginning” e “Time: The End”.


Já foi dito que, se não fossem lançados sob as patentes de Metallica e Megadeth, Load e Risk seriam sucessos absolutos de crítica. Quem sabe, provavelmente sim. Mas não teriam a graça do desafio da fuga do status quo, que é o que deveria mover toda banda em termos criativos. Como o que ouvimos cada vez mais por aí, artistas cada vez mais soando como paródias de si mesmos e incluindo poucas novidades ou inovações em suas carreiras.



The Magpie Salute anuncia primeiro álbum

segunda-feira, junho 04, 2018

Formada por ex-integrantes do The Black Crowes, o The Magpie Salute lançará em agosto o seu primeiro disco. O grupo conta com a dupla de guitarristas Rich Robinson e Marc Ford, mais o baixista Sven Pipien, todos com longas passagens pelo Black Crowes. Completam o line-up o vocalista John Hogg, o baterista Joe Magistro e um terceiro guitarrista, Nico Nereciartua.

O álbum de estreia do The Magpie Salute tem o título de High Water I e chegará às lojas dia 10/08. Anteriormente a banda havia lançado apenas um trabalho ao vivo e que trouxe uma gravação de estúdio, “Omission".

O primeiro single do trabalho, a música “Send Me An Omen”, será disponibilizado na próxima sexta-feira, dia 8 de junho. 

A banda também divulgou em suas redes sociais um vídeo sobre o álbum, que você pode assistir abaixo:

ONLINE

PAGEVIEWS

PESQUISE